76.14

7 leituras para pensar o futebol

Marcos Alvito 30 de outubro de 2015

O que a briga de galos balinesa tem a ver com o futebol? Como é o processo de formação de um jogador? Por que o futebol tem tanta importância no mundo contemporâneo? Qual o papel do futebol na cultura brasileira? Como é que um jogo das multidões enfurecidas da Idade Média se transformou em um esporte com regras e competições planejadas? Que relações mantém o futebol com o surgimento da sociedade industrial e capitalista? Por que o futebol desperta tanta paixão? O que o futebol tem a ver com a identidade masculina? Quais os impactos da globalização sobre o futebol?

Estas e outras questões serão trabalhadas no curso 7 Leituras para pensar o futebol, que inicio na próxima 3a. feira, 3 de novembro, às 19 horas, na Livraria Al Farábi, no centro do Rio de Janeiro. A partir de 7 textos fundamentais irei tentar responder às questões acima. Nas próximas 7 semanas os artigos da coluna Futebol é bom pra pensar serão um resumo dos textos e do debate por eles proporcionado.

7leituras

Na primeira semana, vamos falar da história do futebol, de suas origens na Inglaterra da Idade Média até a sua codificação como esporte em 1863 em uma taverna londrina, a partir da leitura dos oito primeiros capítulos do livro A Rainha de chuteiras: um ano de futebol na Inglaterra. De autoria do titular desta coluna e publicado no ano de 2014.

No dia 10 de novembro, vamos tentar pensar o futebol dialogando com uma contribuição da antropologia, um artigo de Clifford Geertz sobre a briga de galos em Bali, datado de 1972, em que ele demonstra que se trata de um “drama filosófico” e de uma espécie de “educação sentimental” dos balineses. Essas ideias são muito ricas para pensar também o futebol.

A terceira leitura, no dia 17 de novembro, compreende o livro A busca da excitação: esporte e lazer no processo civilizatório. Esta obra, lançada em 1986, até hoje é um dos livros mais influentes publicados sobre o tema do esporte em geral e do futebol em particular. Nela Norbert Elias, juntamente com seu discípulo Eric Dunning, explica o papel do esporte em uma sociedade em que o controle das emoções é extremamente rígido, resultado de uma mudança histórica de longa duração que ele intitula Processo Civilizador.

Na quarta semana, no dia 24 de novembro, iremos abordar a obra do antropólogo francês Christian Bromberger, ainda não traduzida para o português, mas que se o fosse teria o título de Futebol: a bagatela mais séria do mundo. Baseado em extensa pesquisa etnográfica, Bromberger compara o futebol a um espetáculo com dimensão estética, a qual, todavia, é temperada pelo fervor do clubismo. Este livro, publicado em 1998, é uma pequena obra-prima na interpretação do significado do futebol.

No dia 1o. de dezembro. Voltaremos nosso foco para as relações entre futebol e sociedade brasileira, a partir do maravilhoso Veneno Remédio: o futebol e o Brasil, de José Miguel Wisnik, publicado em 2008. Em um tour de force interpretativo, Wisnik usa um arsenal interdisciplinar para propor uma nova e originalíssima visão do Brasil a partir do futebol, estabelecendo relações com a música, com a literatura e com os grandes intérpretes da nação brasileira, sobretudo Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Hollanda.

Nossa penúltima leitura, no dia 15 de dezembro, é a pesquisa mais importante já realizada sobre a formação de jogadores de futebol no Brasil, de autoria do antropólogo Arlei Damo. Obra publicada em 2007, Do dom à profissão derruba uma série de concepções do senso comum acerca da carreira de futebolista, ao combinar uma etnografia muito bem realizada a um debate teórico rigoroso e lúcido.

No dia 22 de dezembro encerraremos o curso com a sétima e última leitura: uma surpresa, para evocar o caráter imprevisível do futebol.

O curso poderá ser acompanhado também à distância. Todas as aulas serão transmitidas ao vivo em tempo real pelo Periscope, programa que permite a você visualizar no seu celular o que está sendo filmado e armazena o arquivo por 24 horas. Basta baixar o Periscope no Google Play ou na Apple Store. Depois de baixar o programa, siga Marcos Alvito para receber automaticamente notificações acerca das minhas transmissões.

arainhadechuteiras

O curso acontecerá na Livraria Al Farábi, no centro. Em 7 encontros vamos trabalhar textos essenciais para pensar o futebol como um fenômeno social, cultural e político. Eis aqui os autores e textos que serão abordados:

1. Marcos Alvito: A rainha de chuteiras (parte relativa à história do futebol)

2. Clifford Geertz “Notas sobre a briga de galos em Bali”

3. Norbert Elias: A busca da excitação

4. Christian Bromberger: Futebol, a bagatela mais importante do mundo

5. José Miguel Wisnik: Veneno-Remédio, o futebol e o Brasil

6. Arlei Damo: Do dom à profissão, a formação de jogadores no Brasil e na França

7. Texto surpresa

 

Obs: Há 21 vagas, 7 com bolsa integral, 7 com bolsa de 50% e 7 com pagamento integral do valor do curso. Inscrições por INBOX comigo ou na Livraria Al Farábi, na Rua do Rosário, 30.

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Marcos Alvito

Professor universitário alforriado. Escritor aprendiz. Observador de pássaros principiante. Apaixonado por literatura e futebol. Tenho livros sobre Grécia antiga, favela, cidadania, samba e até sobre futebol: A Rainha de chuteiras: um ano de futebol na Inglaterra. O meu café é sem açúcar, por favor.

Como citar

ALVITO, Marcos. 7 leituras para pensar o futebol. Ludopédio, São Paulo, v. 76, n. 14, 2015.
Leia também:
  • 76.13

    O futebol e as falácias argumentativas – parte 1: introdução

    Ewerton Martins Ribeiro
  • 76.12

    A cerveja nos estádios brasileiros: A volta da tradição ou agravamento da violência?

    Felipe Vinícius de Paula Abrantes
  • 76.10

    O “Milagre de Berna” e um torcedor entre deus e o diabo

    Elcio Loureiro Cornelsen