145.35

7 motivos para abandonar o futebol e adotar o beisebol

Marcos Alvito 18 de julho de 2021

1. Não tem VAR invalidando o gol que a gente comemorou porque o nosso atacante estava um fio de cabelo na frente do zagueiro.

2. Não tem comentaristas de arbitragem tentando explicar porque o bandeirinha não marcou o impedimento que todo mundo viu para “seguir o protocolo”; o futebol hoje é que nem remédio, tem que vir com bula.

3. No Beisebol a bola sempre vai pra frente, ninguém recua 47 vezes a redonda para o goleiro;

4. Não tem disputa de pênaltis, a forma mais ridícula e injusta de decidir uma partida depois de 120 minutos, inventada para agradar à televisão, que adora o drama de heróis e vilões. No beisebol a partida só acaba quando termina, a rede de televisão que se vire.

Beisebol
Beisebol. Foto: Pixabay.
 

5. No beisebol as equipes são assumidamente empresas mas pelo menos o uniforme não tem propaganda de banco nem de mafiosas casas de apostas poluindo o manto sagrado do seu clube.

6. No beisebol há lances violentos eventuais quando o lançador arremessa aquela bola-pedra a 160 quilômetros por hora nos quadris do rebatedor adversário; mas não há o show de pancadaria do futebol: pontapés por trás, chutes na canela, solas, pisões no tornozelo, cotoveladas, tapas na cara etc. Isso somado à canalhice de protestar a cada falta, de tentar cavar pênaltis e a expulsão dos adversários. Jogador de futebol virou ator canastrão de um filme de segunda categoria.

7. Tá, você acha o beisebol chato? Tente ver a decisão da Copa América…

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Marcos Alvito

Professor universitário alforriado. Escritor aprendiz. Observador de pássaros principiante. Apaixonado por literatura e futebol. Tenho livros sobre Grécia antiga, favela, cidadania, samba e até sobre futebol: A Rainha de chuteiras: um ano de futebol na Inglaterra. O meu café é sem açúcar, por favor.

Como citar

ALVITO, Marcos. 7 motivos para abandonar o futebol e adotar o beisebol. Ludopédio, São Paulo, v. 145, n. 35, 2021.
Leia também:
  • 145.63

    Gestos futebolísticos: celebrar, orgulhar, envergonhar

    Alexandre Fernandez Vaz
  • 145.62

    O segredo dos fracassos europeus no futebol olímpico masculino

    Marcus Arboés
  • 145.61

    Futebol e novela: como “Lado a Lado” representou o início do futebol e a polêmica cena do pó de arroz

    Taiane Anhanha Lima