179.12

A cobrança de pênaltis no futebol é mais ciência do que uma loteria

Weverton
Goleiro Weverton segura bola durante cobrança de penaltis durante jogo contra a Alemanha na final dos Jogos Rio 2016. Foto: Lucas Figueiredo/MowaPress

A cobrança de pênaltis no futebol é mais ciência do que uma loteria

O Campeonato Europeu de Futebol Masculino de 2024 está se aproximando e, infelizmente, teremos que ouvir a famosa frase jornalística “a loteria dos pênaltis está chegando”. De acordo com essa expressão, o resultado final depende mais do acaso do que da preparação para essa fase do jogo.

Será que as equipes podem se dar ao luxo de contar com o acaso na disputa de pênaltis, e adianta investir milhões nos melhores jogadores, nas melhores instalações e alimentação, ou em sistemas avançados de recuperação física e mental, para depois contar com a sorte? A resposta é não.

O resultado final é sempre imprevisível e depende de muitos fatores, mas se aplicarmos as evidências científicas, as chances de sair vitorioso aumentam consideravelmente.

A importância das disputas de pênaltis

A disputa de pênaltis, que é usada para decidir eliminatórias e finais que terminam empatadas após as prorrogações, consiste em dez cobranças, cinco por equipe. Em caso de empate nas cinco primeiras cobranças, a disputa continua até que um dos adversários erre e o outro não.

Nos dois últimos Campeonatos Europeus, 23% das partidas eliminatórias foram decididas por cobranças de pênaltis, aumentando para 28% nas duas últimas Copas do Mundo. E nas duas últimas Copas do Mundo, das 16 partidas eliminatórias, seis (37,5%) foram decididas em cobranças de pênaltis. Com uma probabilidade percentual tão alta de chegar a esse ponto, a preparação deve ser intensa para aqueles que desejam vencer.

De acordo com as estatísticas, parece que os times de futebol não se esforçam o suficiente em sua preparação, pois nesses campeonatos europeus, 23 dos 52 cobranças foram perdidas (44,2%). Nas duas últimas Copas do Mundo, 28 das 52 cobranças foram perdidas (53,8%). Houve mais erros do que acertos. No caso das duas últimas Copas do Mundo, as porcentagens foram um pouco menores (43 acertos e 15 erros, 34%).

Essa proporção de acerto/erro é muito diferente em jogos de clubes. Na Liga dos Campeões de 2022-23, 39 cobranças foram dadas, com apenas 11 erros (28,2%). A que se deve essa diferença? Nos clubes, há um ou dois especialistas encarregados de todos as cobranças da equipe. Portanto, a eficiência aumenta. O clube que cobrou o maior número de pênaltis em toda a competição só o fez em três ocasiões, e é difícil chegar à disputa de pênaltis devido à natureza dos play-offs de duas partidas. No entanto, em uma disputa de pênaltis em uma competição de seleções nacionais, vários jogadores precisam cobrar pênaltis (até 9 por equipe em uma partida da Euro 2016, em que 18 foram cobrados e 7 foram perdidos).

Nesses casos, não basta ter um ou dois cobradores de pênaltis com uma boa porcentagem de sucesso, pois há alguns que têm de cobrar pênaltis pela seleção nacional e nunca os cobraram por seus clubes. Esses jogadores estão suficientemente preparados para a tarefa que enfrentam?

Não é a mesma coisa cobrar um pênalti em uma partida isolada de uma competição regular, em que várias partidas são vencidas ou perdidas sem importância na classificação final, do que cobrar um pênalti em uma disputa de pênaltis na fase final de um grande torneio, em que uma falha significa eliminação. Nesses casos, a carga emocional pode condicionar totalmente o desempenho.

Uma batalha estratégica contra o tempo

A marca do pênalti fica a 11 metros da linha do gol e a largura do gol é de 7,32 metros. O cobrador de pênaltis deve tentar evitar o goleiro, o que resulta em um interessante duelo estratégico. Se observarmos as estatísticas da maioria das partidas, aproximadamente 70% dos pênaltis são convertidos, o que indica que o cobrador de pênaltis tem a vantagem. Isso inclui os pênaltis por faltas cometidas dentro da área durante o tempo de jogo. No entanto, nas cobranças de pênaltis que decidem os play-offs se a prorrogação terminar em empate, as chances de ambos os lados são igualadas.

Vejamos uma opção possível, chamada estratégia independente do goleiro: o cobrador chuta longe do centro e rápido o suficiente para errar. A maioria das defesas ocorre nas áreas centrais do gol e a maioria dos gols marcados é feita perto das traves, embora quase todos os chutes também estejam fora do alvo. Vale a pena correr o risco de chutar perto dos limites do gol? Na análise da liga inglesa, o risco de deixar de chutar nos cantos superiores supera o número de defesas nas áreas inferiores e centrais.

Nessa estratégia, os arremessos são uma luta contra o tempo. Lançando a 80 quilômetros por hora (km/h) para a base da trave, será um gol em 520 milésimos de segundo (ms). Um goleiro leva entre 0,8 e 1 segundo para alcançar uma bola a 70 centímetros da trave. Se o chutador diminuir a velocidade, o goleiro terá mais tempo para se mover e parar a bola. A 70 km/h, a bola leva 590 milésimos de segundo, e a 60 km/h levará 690 ms. Com esses valores, o goleiro nunca conseguiria pará-la. Para alcançar esse equilíbrio entre velocidade e precisão, o chutador deve treinar o suficiente para alcançar a automação das ações.

Os arremessadores preferem enganar o goleiro

No entanto, a estratégia acima não é a mais frequentemente escolhida pelos batedores de penâltis, que em 70% das tentativas optam pela estratégia dependente do goleiro. Ou seja, enganar o goleiro para que ele chute para um lugar diferente de onde a bola está.

Como podemos pensar que o goleiro será enganado? Simplesmente porque ele já sabe que, se esperar para ver onde a bola vai parar, não conseguirá pegá-la. Portanto, ele tentará se antecipar e, assim, ganhar tempo para chegar ao gol. Estudos mostram que os goleiros se movem em média 220 milissegundos antes do chute, e alguns se movem até 600 ms antes do chute. Com esse tempo ganho, eles podem fazer uma defesa antes dos 520 ms de voo da bola. Chutes mais lentos, maior vantagem para o goleiro.

Nessa estratégia dependente do goleiro, os chutes são totalmente bem-sucedidos se o goleiro se mover 400 ms antes, mas a eficiência diminui quando o goleiro espera até 150 ms antes do chute.

Um chute decisivo, assinado por um ganhador do Prêmio Nobel

O ganhador do Prêmio Nobel Peter Handke encontrou inspiração nesses fatos para sua história “The Goalkeeper’s Fear of the Penalty”, que foi transformada em filme por Wim Wenders. No clímax da história, Bloch, um goleiro fracassado que cometeu um crime, oferece a seguinte explicação ao espectador que assiste ao jogo ao seu lado: se o batedor prestar atenção aos movimentos do goleiro ao cobrar o pênalti, ele pode ver em que direção vai cobrar e redirecionar seu chute para a outra direção no último segundo.

Qual é a carga psicológica e emocional das cobranças de pênaltis? Para entender isso, devemos partir de um axioma. O goleiro é sempre o mesmo e pode usar várias estratégias durante a disputa de pênaltis. No entanto, o cobrador de pênaltis tem apenas uma tentativa, daí a carga emocional. Sempre se fala dos erros do cobrador e dos acertos do goleiro, então sabemos quem será criticado e quem será aclamado quando tudo terminar.

Esses são os dados e a narrativa bem resumida de algumas das estratégias analisadas pela comunidade científica. Tudo parece muito simples, mas é claro que não é. As cobranças de pênaltis nas fases finais dos torneios têm um impacto enorme nos resultados e, portanto, devem ser preparadas cuidadosamente. Não estabelecer uma estratégia entre as várias existentes e não treiná-la suficientemente refletirá uma falta de profissionalismo por parte dos técnicos.

Um esporte profissional com recursos financeiros quase infinitos pode se dar ao luxo de incorporar equipes científicas para orientar os técnicos sobre os avanços da ciência do esporte.The Conversation

Javier Galvez Gonzalez, Profesor de la Facultad de Ciencias del Deporte, Universidad Pablo de Olavide y José Manuel Cenizo Benjumea, Profesor asociado Facultad Ciencias del Deporte,, Universidad Pablo de Olavide

This article is republished from The Conversation under a Creative Commons license. Read the original article.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Ludopédio.
Seja um dos 14 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Como citar

GONZALEZ, Javier Galvez; BENJUMEA, José Manuel Cenizo. A cobrança de pênaltis no futebol é mais ciência do que uma loteria. Ludopédio, São Paulo, v. 179, n. 12, 2024.
Leia também:
  • 179.1

    Whyte me ajudou a compreender o tipo de pesquisa que eu faço no futebol

    Rodrigo Koch
  • 178.22

    De beijos forçados a desequilíbrios de poder, a violência contra as mulheres no esporte é endêmica

    Fiona Giles, Kirsty Forsdike
  • 178.14

    Racismo: Vinícius Jr. e a nova fronteira do preconceito no esporte

    José Paulo Florenzano