112.28

A democracia em jogo: o W.O. como uma jogada estratégica

Fidel Machado 31 de outubro de 2018

Atravessado e inquieto com as discussões, as problemáticas e os movimentos pertinentes ao contexto que a eleição para presidente do Brasil vem causando, sou tomado por um saudosismo dos tempos de atleta e da adrenalina dos jogos. Associada a essa lembrança, me recordo da frustração causada pelas partidas vencidas por W.O. A vitória, nesse caso, possuía um valor diferenciado. Não era disputada e não havia o enfrentamento direto. A disputa era inviabilizada pela ausência do adversário. O embate e o conflito eram comprometidos pela lacuna presente que impossibilitava o jogar.

Farei uso desse mote para propor uma discussão acerca da necessidade da presença, do conflito e do encontro para a existência do jogar. O esporte, mais precisamente os esportes coletivos, servirão como lugar profícuo para a reflexão dada a necessidade da presença do adversário. Contudo, o jogo ao qual me refiro nesse texto foi a eleição para presidente do Brasil em que, nessa partida específica, estava e está em disputa a frágil democracia. Corremos um sério risco desse jogo findar a possibilidade de manutenção do campeonato democrático. O risco pode ser expresso quando o candidato Jair Messias Bolsonaro optou, estrategicamente, pelo W.O. como mecanismo para a vitória. Uma inversão esdrúxula de um princípio esportivo básico. Ademais, o mesmo presidenciável e hoje presidente eleito utilizou como potencializador do treinamento o caixa dois que aqui, para não sair do contexto esportivo, compararei ao dopping. Tais comportamentos são passíveis de punição severa e podem culminar na desqualificação do atleta e na saída da própria equipe da competição.

O jogo da democracia foi decidido sem jogo, de maneira escusa e autoritária. As jogadas foram construídas por fintas e corta luzes, redundantemente, falsos que visaram ludibriar não só o adversário, mas, sobretudo, o público. Uma incoerência ilógica, pois nesse cenário, o W.O tornou-se estratégia para se vencer o jogo. A ausência foi, deliberadamente, afirmada. Uma parcela assustadora da plateia ovacionou e aplaudiu sem saber que a permanência no próprio estádio está ameaçada e pode resultar no aumento absurdo no preço dos ingressos. Além disso, muitos torcedores fanáticos permanecem a clamar por um pulso firme, uma arbitragem rigorosa e um policiamento ostensivo nos estádios, pois a família tradicional brasileira prima por um Deus absoluto e por segurança para manter a ordem e os bons costumes. Família essa que também vocifera o ódio contra os outros tipos de família e, uma boa parcela, contraditoriamente, corrobora com o armamento da população.

Em Brasília, os eleitores do candidato eleito à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), concentram a comemoração pela vitória na Esplanada dos Ministérios. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

Na contramão desse cenário, outros torcedores reivindicaram o início da partida. Estavam ávidos pelo jogo, pelo encontro, pelo entrar em campo ou em quadra. Estavam munidos de cores, de falas e de música. A equipe, por sua vez, abriu mão do mando de campo e anunciou que poderia jogar no departamento médico ou na casa do adversário, pois a primazia neste setor é o jogo, é a possibilidade de jogar. É a consideração à torcida, pois é o respeito à democracia que está em jogo.

O esporte, enquanto prática entre corpos, não se dá somente nos bastidores e reduzi-lo a isso seria ceifar a potência da tensão do movimento e da estética pertinente à prática. Retirar do jogo a dimensão da presença e do conflito na dinâmica da partida é despotencializar a criação que só se dá na presença do adversário. Eximir-se é impossibilitar o jogo. É desrespeitar o adversário, é desconsiderar e deslegitimar um contrato ético. É jogar um jogo moral e individualmente produzido. É uma afronta. É, inclusive, descaracterizar o papel do espetáculo.

É na presença dos corpos que a abertura ao imprevisível acontece. Sou um defensor da potência do encontro e do conflito de interesses manifestos em jogadas, gestos, dribles e fintas no ato de jogar. Jogar o jogo é estar permeável às investidas surpreendentes do adversário, é a certeza da dúvida e da tensão (in)constante. É o movimento de recriação ininterrupta durante a partida. É possibilitar um movimento a cada estratégia reinventada na dinâmica conflituosa do jogo.

O jogar traz consigo o elemento do impertinente, do imprevisível e do imponderável que muito nos ensina sobre a existência e a vida. Ademais, versa sobre os movimentos que estamos vivendo na sociedade contemporânea em que as identidades e os valores morais – dispositivos controladores –  não são mais suficientes para explicar os corpos, mas permanecem, incisivamente, sendo reivindicados. Desse modo, o imponderável e o imprevisível dialogam diretamente com a existência, com as dúvidas, com a insegurança de nos percebermos não mais ancorados em muletas metafísicas, mas construtores e artistas do nosso próprio viver. Tais características aqui elencadas correlacionam-se em alguma medida com a dimensão inconstante e porque não dizer caótica da vida. O controle passa a ser, constantemente, negociado, borrado e incessantemente revisitado. Uma ética do “querer ser” dissonante de uma moral que tem como definição o “dever ser” assim como pensou o filósofo francês Michel Maffesoli.

Bolsonaro após votar. O candidato foi eleito sem ir aos debates do segundo turno. Foto: Tânia Regô/Agência Brasil.

O jogar se constitui por essas negociações, por esses ajustes, por essas adaptações e por esses cont(r)atos. A dinâmica do conflito que se instaura entre o objetivo do jogo e os interesses dos adversários pode possibilitar belos e desconcertantes movimentos. Pode propiciar a invenção de jogadas até então não pensadas. O elemento de potência reside nessa dinâmica: na arte do encontro, do contato. Na (re)construção, frequentemente, revisitada e, eticamente, ressignificada. Na compreensão da dinâmica do devir, ou melhor, da vida em movimento. Uma busca de um diálogo constante e não somente um uso momentâneo e utilitário de alguns discursos e práticas subsidiadas por renda não declarada.

Pudera o sistema eleitoral ser semelhante às disputas e aos campeonatos esportivos. O não comparecimento resultaria em derrota e, muitas vezes, em exclusão da competição. Assim, talvez, não estivéssemos a viver na iminência da interdição do jogo da democracia.

A utilização do W.O. como estratégia denota um descaso, um jogo não jogado. Será que, democraticamente, apitamos o término da democracia? Acreditava que a partida estaria findada no momento da divulgação do resultado de todas as urnas, errei. Acabou somente o primeiro tempo. Temos um pequeno momento para reorganizar e voltar com mais pressão. Continuar o jogo de corpo a corpo e, quando preciso, tomar as ruas e enfrentar uma árdua partida. Afinal, aqui: “ninguém solta a mão de ninguém”.

Joguemos…

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Fidel Machado

Bacharel em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Filosofia e Estética do Movimento (GPFEM - Unicamp).

Como citar

MACHADO, Fidel. A democracia em jogo: o W.O. como uma jogada estratégica. Ludopédio, São Paulo, v. 112, n. 28, 2018.
Leia também:
  • 112.27

    Meu vizinho jogador

    Leandro Marçal
  • 112.26

    Bolo de cenoura

    Equipe Ludopédio
  • 112.25

    Lutando para existir: Madge Syers e a patinação artística

    Wagner Xavier de Camargo