148.26

A história centenária do Vasco em Jogos Olímpicos (1920 – 2021) – Parte 4

Os Jogos Olímpicos de Sydney são marcantes para o Vasco. Na época, o Vasco teve o “Projeto Olímpico Vasco”, que deixou profundas discussões nos anos seguintes. Afinal, foi um fiasco ou um momento de glória para o clube?

Entre 1999 e 2000, ninguém investiu mais no desporto olímpico brasileiro do que o Vasco. O clube superou até o Comitê Olímpico Brasileiro. Na época, o Vasco investiu cerca de R$ 30 milhões nos esportes olímpicos e amadores, mais que os R$ 23 milhões do COB. Com direito a convocação de 94 atletas para as Olimpíadas de Sydney, o Vasco fez algo jamais alcançado por algum clube no cenário nacional. O investimento foi tão alto que provocou conflitos entre dirigentes, atletas, técnicos e o COB, além de protestos contra até o próprio presidente da república, na época, Fernando Henrique Cardoso. Como o Vasco pode investir tanto dinheiro e a confederação não? Além disso, uma outra questão que provocou polêmica foi o fato do COB não permitir que atletas não mostrassem as marcas que lhes patrocinavam.

O COB e o presidente Fernando Henrique Cardoso foram criticados pela falta de investimento no esporte (Foto: Jornal do Brasil)
O COB e o presidente Fernando Henrique Cardoso foram criticados pela falta de investimento no esporte. Fonte: Jornal do Brasil

No basquete, o Vasco montou uma seleção tanto no feminino, quanto no masculino. No masculino, a equipe dirigida pelo técnico Hélio Rubens e liderada pelo jovem Nenê foi campeão brasileira em 2000 e 2001, porém a seleção brasileira masculina não conseguiu se classificar para os Jogos Olímpicos. No feminino, o Vasco foi campeão brasileiro (2001) e da liga sul-americana (2002). O clube enviou inúmeras atletas para os Jogos Olímpicos, como Janeth, Claudinha e Kelly, que conquistaram o bronze olímpico. A equipe tinha um orçamento de 150 mil reais mensais e foi dirigida pela lendária Maria Helena, como mostra reportagem de Lúcio de Castro em 2000:

Vasco tinha um orçamento de 150 mil reais mensais no basquete feminino em 2000 (Foto: Jornal do Brasil)
Vasco tinha um orçamento de 150 mil reais mensais no basquete feminino em 2000. Fonte: Jornal do Brasil

Na natação, o Vasco fez um investimento de peso. Contratou atletas de renome nacional e internacional, como Gustavo Borges, Luiz Lima, Inge de Bruijn e Yana Klochkova. Inclusive, a holandesa Inge de Bruijn conquistou três medalhas de ouro e uma medalha de prata em Sydney.

Madame Butterfly, assim conhecida na Holanda, quebrou recordes vestindo a toca do clube. Em 2000, Inge de Bruijn quebrou o recorde mundial dos 50 metros livres, no Parque Aquático Júlio de Lamare, no Rio de Janeiro, e o recorde dos 200 metros borboleta. Ao contrário de alguns outros atletas, a atleta era patrocinada ocasionalmente pelo clube. O Troféu Finkel que ela bateu o recorde mundial mesmo aconteceu poucos meses antes dos Jogos Olímpicos de Sydney em 2000.

Inge foi eleita a “Nadadora Mundial do Ano” (“Swimmers of the Year” concedido pela revista estadunidense Swimming World), consecutivamente, em 2000 e 2001 e “Nadadora Europeia do Ano” (European Swimmers of the Year, concedido pela mesma revista) entre 1999 e 2001.

Inge de Bruijn ao lado do vice-presidente Eurico Miranda em 2000 (Foto: Revista do Vasco)
Inge de Bruijn ao lado do vice-presidente Eurico Miranda em 2000. Fonte: Revista do Vasco

Outro nome relevante da natação é Edvaldo Valério, que foi o primeiro atleta negro brasileiro da natação a disputar os Jogos Olímpicos. Na época, o clube criou até uma sede na Bahia para desenvolver o esporte no estado. O atleta de origem humilde fez bonito em Sydney e conquistou a medalha de bronze no 4x100m livre. Carlos Jayme e Gustavo Borges foram outros dois atletas vascaínos a conquistarem medalha no revezamento. Nas Olímpiadas de 2000, outros dois nadadores que competiam pelo Vasco disputaram os jogos pela Ucrânia: o nadador Denys Sylantyev, que foi medalha de prata, e Yana Klochkova, que ganhou duas medalhas de ouro e uma de prata. Além dos ucranianos, uma atleta russa que competia pelo Vasco também disputou os Jogos Olímpicos de Sydney: Nadezhda Chemezova (Em alguns jornais, aparece como “Nadejda Tchemezova”).

Edvaldo Valério foi o primeiro atleta brasileiro da natação negro que foi aos Jogos Olímpicos (Foto: Jornal do Brasil)
Edvaldo Valério foi o primeiro atleta brasileiro da natação negro que foi aos Jogos Olímpicos. Fonte: Jornal do Brasil
Gustavo Borges: um dos maiores nadadores do esporte brasileiro foi atleta do Vasco em 2000 (Foto: Revista Olímpica do Vasco)
Gustavo Borges: um dos maiores nadadores do esporte brasileiro foi atleta do Vasco em 2000. Fonte: Revista Olímpica do Vasco
O Vasco contou com os atletas medalhistas Yana Klochkova e Denis Sylantiev, em 2000 (Foto: Jornal do Brasil)
O Vasco contou com os atletas medalhistas Yana Klochkova e Denis Sylantiev, em 2000. Fonte: Jornal do Brasil
O Vasco que contava com nadadores brasileiros e estrangeiros quebrou inúmeros recordes no Troféu Finkel de 2000 (Foto: Jornal do Brasil / Evandro Teixeira)
O Vasco que contava com nadadores brasileiros e estrangeiros quebrou inúmeros recordes no Troféu Finkel de 2000. Fonte: Jornal do Brasil / Evandro Teixeira

Algo que deve ser lembrado é que alguns atletas não eram do Vasco da Gama, pois não dava para serem federados pelo clube nas confederações, como os casos do hipismo e da vela, mas o clube cruzmaltino era um co-patrocinador destes atletas, que sustentava estes com verba do clube ou patrocinadores. Em outros casos, o Vasco fez convênios com equipes tradicionais, é o caso do Funilense no atletismo, que teve Maurren Maggi e Claudinei Quirino patrocinados pelo Vasco nos Jogos Olímpicos de 2000.

O Vasco pagava viagens para treinamentos e torneios, oferecia a estrutura de São Januário para treinamentos e aperfeiçoamentos. O investimento realizado acabou gerando várias dívidas ao clube e provocou diversas críticas ao presidente Eurico Miranda, que foi eleito em 2001, mas que já nos anos anteriores cuidava do “Projeto Olímpico do Vasco”.

Outro ponto a ser ressaltado é que o Vasco não investia apenas em esportes olímpicos, o Vasco no final do século XX teve grandes atletas, campeões nacionais e internacionais, em esportes como o boliche e o futsal. 

O número de medalhas também foi questionado, mas Eurico respondia que a representatividade do Vasco havia sido ótima nos Jogos Olímpicos e que não apenas o ouro importava, mas as medalhas de prata e bronze também tinham a sua relevância.

Eurico respondendo aos questionamentos a respeito do “Projeto Olímpico do Vasco” (Foto: Jornal do Brasil)
Eurico respondendo aos questionamentos a respeito do “Projeto Olímpico do Vasco”. Fonte: Jornal do Brasil

Em 2001, a falta de salários e de patrocínios para sanear as dívidas com os atletas provocou uma grande debandada em vários esportes, como demonstra reportagem do Jornal do Brasil de 2001. Na época, o Vasco cortou os gastos com estrelas internacionais, que recebiam em dólar, e geralmente para disputarem competições ocasionais. Algumas como as jogadoras de basquete Elena (Uzbequistão) e Astou (Senegalesa) tinham contratos “mais longos”.

O “Projeto Olímpico do Vasco” em 2000 é tão curioso, que envolveu até a Polícia Federal e uma CPI do Senado, além deles, jornalistas foram proibidos de cobrir o clube. Na época, atletas como o nadador Luiz Lima, que mais tarde penhorou 1,5 milhão de reais da verba do patrocínio da BMG em 2011, defenderam o “Projeto Olímpico do Vasco”. Luiz Lima afirmava que o clube estava sendo perseguido por aqueles que não quiseram patrocinar a ida e o desenvolvimento dos atletas brasileiros para os Jogos de Sydney em 2000. Uma clara crítica ao COB. Os atletas que permaneceram no clube marcharam contra as investigações e as críticas que o clube vinha recebendo por parte da imprensa.

Reportagem falando sobre o atraso de salários e dívidas (Foto: Jornal do Brasil)
Reportagem falando sobre o atraso de salários e dívidas. Fonte: Jornal do Brasil
Presidente Eurico Miranda marcha à frente dos atletas e funcionários contra as investigações da Polícia Federal (Foto: Jornal do Brasil)
Presidente Eurico Miranda marcha à frente dos atletas e funcionários contra as investigações da Polícia Federal. Fonte: Jornal do Brasil

No final das contas, o que se sabe é que o “Projeto Olímpico do Vasco” deixou inúmeras dívidas, Eurico dizia que o projeto se tornou inviável por conta das perseguições ao clube, o clube recebia patrocínios irrisórios que não lhe permitia manter tantos atletas talentosos. Para piorar, após os Jogos Olímpicos a parceria com o “Bank of América”, principal patrocinador do clube na época, chegou ao fim.

O projeto de Eurico rendeu medalhas, como Adriana Behar e Shelda (prata), do vôlei de praia; André Domingos, Claudinei Quirino, Édson Luciano, Vicente de Lima e Cláudio Souza (prata), do atletismo; Raquel (bronze), do voleibol; Zé Marco e Ricardo (prata), do vôlei de praia; Torben Grael e Marcelo Ferreira (bronze) e Robert Scheidt (prata), da vela; Rodrigo Pessoa (bronze), do hipismo; além das atletas da natação.

Rodrigo Pessoa (hipismo) levou medalha de bronze em 2000 (Foto: Revista do Vasco)
Rodrigo Pessoa (hipismo) levou medalha de bronze em 2000. Fonte: Revista do Vasco
Janeth foi medalhista de bronze em Sydney (Foto: Kike da Bola)
Janeth foi medalhista de bronze em Sydney. Fonte: Kike da Bola
Torben Grael e Marcelo Ferreira: medalhistas olímpicos (Foto: O Fluminense)
Torben Grael e Marcelo Ferreira: medalhistas olímpicos. Fonte: O Fluminense

Imaginando-se que o Vasco da Gama fosse um país, o mesmo encerraria a sua participação na 15ª posição, inclusive à frente do Brasil, se fosse contabilizado uma medalha por atleta em todos os casos (5 ouros, 13 pratas e 10 bronzes). Dessa forma, numa classificação entre os maiores medalhistas da competição, o cruzmaltino seria 11º, quase entrando no Top-10. Já fazendo a comparação, usando como critério oficial do COI, o Vasco seria o 17º no quadro de medalhas. Em quantidade de medalhas, o clube manteria a mesma posição dentro da classificação final (17º).

Behar e Shelda foram homenageadas pela prata em Atenas-2004 pelo presidente Eurico Miranda (Foto: Site Oficial do Vasco)
Behar e Shelda foram homenageadas pela prata em Atenas-2004 pelo presidente Eurico Miranda. Foto: Site Oficial do Vasco

Nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, existe uma divergência em relação ao número de atletas. Algumas fontes consideram que o Vasco enviou 4 atletas (não contabilizando Geisa Coutinho, Márcia Narloch e Marlene Furtunato), enquanto outras dizem que o Vasco enviou 7 atletas vascaínos, são eles: Geisa Coutinho (Atletismo – competiu recentemente nas Olimpíadas de Tóquio), Márcia Narloch e Marlene Furtunato (Atletismo), Thiago Gomes e José Carlos Sobral (Remo) e Adriana Behar/Shelda (Vôlei de Praia), que ganharam a medalha de prata.

Em 2008, os Jogos Olímpicos aconteceram em Pequim e novamente o Vasco enviou atletas, desta vez, todos do remo: Camila Carvalho, Fabiana Beltrame, Thiago Almeida e Thiago Gomes.

Nos Jogos Olímpicos de 2012, o Vasco enviou Rômulo (futebol), que foi medalha de prata, e os argentinos Cristian Rosso e Ariel Suarez (remo), além de Aldemir Júnior (atletismo).

Maycon e Tânia Maranhão, do futebol feminino, chegaram a estarem nas primeiras listas da seleção, mas acabaram sendo cortadas da lista final. Kyssia Cataldo, do remo, também se classificou para os Jogos Olímpicos de 2012, mas em abril (meses antes dos Jogos Olímpicos) acabou se transferindo para o Flamengo. Na Gávea, foi pega no exame antidoping e acabou não disputando os jogos de Londres.

Em 2016, o Vasco voltou a brilhar e alcançar o lugar mais alto do pódio com o zagueiro Luan, que hoje está no Palmeiras. Aldemir Júnior (atletismo) foi novamente para os jogos olímpicos ao lado de Sérgio Sasaki, da Ginástica Artística, que conseguiu a 9ª posição na final individual geral, a melhor posição brasileira na história.

Em 2021, o Vasco voltou a enviar mais dois atletas do futebol: Lucão (goleiro) e Ricardo Graça (zagueiro). Com os dois, o Vasco enviou segundo os registros encontrados (o número pode ser maior) mais de 160 atletas nestes anos de Vasco e Jogos Olímpicos.

Confira os nomes:

1920 – Angelo Gammaro (Remo)

1932 – Vasco de Carvalho, Amaro Miranda, Claudionor Provenzano, Francisco Carlos de Bricio, Joaquim Faria, José Pichler, José Rodrigues Mó, Adamor Pinho (remo), José Xavier e Mário de Araújo (atletismo), Luiz Henrique da Silva (Polo Aquático)

1936 – Antônio Damasso, Dalmo de Oliveira, Oswaldo Ignácio (atletismo), Adamor Pinho e Frederico Tadewald (remo)

1948 – Alfredo da Motta (basquete/bronze), Geraldo Oliveira (salto triplo), José do Nascimento (boxe)

1952 – Hélcio Buck (salto triplo), Carlos Alberto, Adésio, Jansen, Vavá (futebol).

1956 – Edson Bispo (basquete), Nelson Guarda e Ruy Kopper (Remo); Adhemar Ferreira da Silva (atletismo)

1960 – Anubes Ferraz (atletismo), Wanderley (futebol), Ernesto Neugebauer e Waldermar Scovino (remo)

1964 – Paulino Gonçalves (remo)

1972 – Roberto Dinamite (futebol)

1976 – Milton Jorge (saltos ornamentais), Rui da Silva e Dalmo da Silva (atletismo).

1980 – Milton Jorge (saltos ornamentais) e Milton de Castro (atletismo)

1984 – Cyro Delgado (natação)

1988 – Waldemar Trombetta, Oswaldo Kuster, Fernando Fantoni, Marcos Arantes, Ricardo de Carvalho, Ronaldo de Carvalho (remo), Romário, Giovane, Mazinho (futebol)

1996 – Meg, Marisa, Leda Maria, Pretinha, Fanta, Suzy (futebol) e Oswaldo Kuster (remo)

2000 – Adriana Behar - Vôlei de Praia (Prata)

Agnaldo Magalhães - Boxe

Alexandre Lee - Judô

Alexandre Parededa - Vela

André Domingos - Atletismo (Prata)

André Fonseca - Vela

Andreia dos Santos (Maycon) – Futebol

Andréia Suntaque - Futebol

Armando Barcellos - Triatlo

Carla Moreno - Triatlo

Carlos Jayme - Natação (Bronze)

Carmem Silva - Taekwondo

Carolina Moraes - Nado Sincronizado

Cassius Duran - Saltos Ornamentais

César Quintaes - Natação

Chana - Handebol

Chicória - Handebol

Christoph Bergmann - Vela

Cidinha - Futebol

Cláudia Neves (“Claudinha”) - Basquetebol (Bronze)

Claudinei Quirino - Atletismo (Prata)

Cláudio Souza - Atletismo (Prata)

Cleiton Conceição - Boxe

Cristina Mattoso - Vela

Daniel Hernandes - Judô

Denys Sylantyev – Ucrânia (Prata)

Édson Luciano - Atletismo (Prata)

Eduardo Fischer - Natação

Edvaldo Valério - Natação (Bronze)

Emanuel - Vôlei de Praia

Eronilde Araújo - Atletismo

Elissandra Regina (Nenê) – Vasco

Fabíola Molina - Natação

Fernanda Oliveira - Vela

Giovane Gávio - Voleibol

Gustavo Borges - Natação (Bronze)

Guto Campos - Canoagem de Velocidade

Hélton - Futebol

Hudson de Souza - Atletismo

Hugo Hoyama - Tênis de Mesa

Inge De Bruijn - Natação (3x Ouro)

Isabela Mores - Nado Sincronizado

Janeth Arcain - Basquetebol (Bronze)

Joana Cortêz - Tênis

José Albuquerque - Boxe

Kelly - Basquetebol (Bronze)

Kiko Pelicano - Vela

Laudelino Barros - Boxe

Leonardo Costa - Natação

Lígia Silva - Tênis de Mesa

Loiola - Vôlei de Praia

Luciana Alves - Atletismo

Luiz Lima - Natação

Marcel Aragão - Judô

Marcelinho - Voleibol

Marcelo Ferreira - Vela (Bronze)

Márcio Simão - Atletismo

Marco Martins - Esgrima

Maria Elisabete Jorge - Levantamento de Peso

Maria Kahe - Vela

Mariana Ohata - Triatlo

Marília Gomes - Ginástica Artística

Maurício Santa Cruz - Vela

Maurren Maggi - Atletismo

Max - Voleibol

Nadezhda Chemezova – Natação (Rússia)

Nélson Júnior - Atletismo

Osmar Barbosa dos Santos - Atletismo

Osmiro Silva - Atletismo

Pretinha - Futebol

Raphael Oliviera - Atletismo

Raquel - Voleibol (Bronze)

Ricardo - Vôlei de Praia (Prata)

Ricardo Winicki - Vela

Robert Scheidt - Vela (Prata)

Rodrigo Pessoa - Hipismo (Bronze)

Roger Caumo - Canoagem de Velocidade

Rosângela Conceição - Judô

Roseli - Futebol

Sanderlei Parrela - Atletismo

Sandra Soldan - Triatlo

Sebastian Cuattrin - Canoagem de Velocidade

Sebástian Pereira - Judô

Shelda - Vôlei de Praia (Prata)

Sissi - Futebol

Sueli Pereira - Atletismo

Suzana - Futebol

Tânia Ferreira - Judô

Torben Grael - Vela (Bronze)

Vanderlei Lima - Atletismo

Vânia Ishii - Judô

Vicente de Lima Lenílson - Atletismo (Prata)

Yana Klochkova - Natação

Zé Marco - Vôlei de Praia (Prata)

2004 – Geisa Coutinho*, Márcia Narloch* e Marlene Furtunato* (Atletismo), Thiago Gomes e José Carlos Sobral (Remo) e Adriana Behar/Shelda (Vôlei de Praia)

2008 – Camila Carvalho, Fabiana Beltrame, Thiago Almeida e Thiago Gomes (Remo).

2012 – Rômulo (futebol), Cristian Rosso e Ariel Suarez (remo); Aldemir Júnior (atletismo).

2016 – Luan (futebol), Aldemir Júnior (atletismo), Sérgio Sasaki (Ginástica Artística)

2020/2021 –Lucão e Ricardo Graça (futebol)

 

O “ESPECIAL: 100 ANOS DE VASCO EM JOGOS OLÍMPICOS” foi produzido através da Hemeroteca Digital Brasileira consultando diversos jornais, entre os quais se encontram: Jornal do Brasil, Correio da Manhã, Jornal dos Sports, O Fluminense, Manchete. O acervo do site NETVASCO, o livro “Atletas Olímpicos Brasileiros”, da professora Kátia Rúbio (USP), além do Reference-Sports e do Olympedia.

Seja um dos 26 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Gustavo Dias

Torcedor Santista e professor de Sociologia na Universidade Estadual de Montes Claros.

Como citar

DIAS, Gustavo. A história centenária do Vasco em Jogos Olímpicos (1920 – 2021) – Parte 4. Ludopédio, São Paulo, v. 148, n. 26, 2021.
Leia também:
  • 148.46

    Maradona en Sevilla, la llegada del mito en plena lucha contra sí mismo

    Orfeo Suárez
  • 148.45

    Luis Aragonés: o homem que transformou “La Furia” na vitoriosa “La Roja”

    Dyego Lima
  • 148.44

    Libertadores #03

    Maurício Brum