113.3

A nossa torcida é pela Democracia

Felipe Vinícius de Paula Abrantes 3 de novembro de 2018

Nos tempos sombrios em que vivemos, onde o obscurantismo, o autoritarismo, o ódio e a violência ficam a cada dia mais evidentes, o posicionamento progressista e democrático deve ser muito valorizado e encorajado a ganhar o mundo. Em que pese, muitas vezes o risco que corremos (de integridade física mesmo) devemos tomar as ruas, as praças, as escolas e, claro, os estádios para mostrar que as forças democráticas ainda são maioria e a imposição do medo e do ódio não irá nos calar. Afinal, nenhum cidadão que preza por nossa jovem e (infelizmente) debilitada democracia deve se calar ou optar pelo cárcere ou pelo exílio. Não é esse o país que a sociedade brasileira projetou em 1988.

Neste sentido, o presente o texto tem como objetivo fazer uma reverência, um agradecimento e pretende dar visibilidade ao conjunto das torcidas organizadas brasileiras que se colocaram contra a candidatura que se baseia nitidamente nos pilares do fascismo.

As TOs Gaviões da Fiel e Torcida Jovem do Santos foram as torcidas que alavancaram esse movimento. A Gaviões lembrou de seu passado e seu engajamento político na época de sua fundação para mostrar o quão é contraditório que a torcida e seus membros apoiem JB. O posicionamento da torcida é ainda mais contundente ao indicar que membros que não concordem com a visão institucional da torcida, possam fazer a escolha de se desfiliar, mas que a torcida tem um lado e irá assumi-lo. Segundo a nota oficial da Torcida, “é importante deixar claro a incoerência que há em um Gavião apoiar um candidato que não apenas é favorável à ditadura militar pelo qual nascemos nos opondo, mas ainda elogia e homenageia publicamente torturadores que facilmente poderiam ter sido os algozes dos nossos fundadores”. Vale ressaltar que tanto o posicionamento da torcida quanto a escrita e publicação da nota foram aprovados no conselho deliberativo da agremiação mostrando que não foi um ato individual de um diretor ou do presidente.

Gaviões da Fiel. Foto: © Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians.

Logo após a torcida do Corinthians, a torcida Jovem do Santos também se manifestou, apoiando seus rivais pela atitude e publicando uma nota oficial que seguia a mesma linha. Em um trecho da nota lemos: “Reforçamos a origem da nossa torcida deixando claro que as pautas apresentadas pelo candidato JB são incompatíveis com as raízes da Torcida Jovem e não representam os interesses coletivos que sempre buscamos ao lado do povo e da massa santista”.

No dia 22 de outubro no teatro da PUC-SP, o candidato do PT, Fernando Haddad, recebeu um documento formalizando o apoio de várias torcidas a sua candidatura. Este documento é endossado por 69 torcidas organizadas de todo o país. São torcidas que representam clubes populares (de várias divisões dos campeonatos nacional e regionais) de todas as regiões do país.

Também nesse manifesto foram colocadas em segundo plano as rivalidades clubísticas até mesmo como estratégia para a sobrevivência das próprias organizadas. Essa preocupação fica evidente neste trecho do manifesto assinado pelas torcidas: “Major Olímpio, senador eleito e apoiado pelo candidato extremista da direita, já deixou claro seu objetivo de acabar com as torcidas organizadas criminalizando suas ações e seus componentes. Não podemos admitir tamanha injustiça e autoritarismo. Não podemos permitir que todo e qualquer ativismo social existente no Brasil seja extinto e apagado, dilacerando milhões de pessoas que querem apenas exercer seus direitos…”

Ainda cabe destacar e elogiar torcedores “comuns” do Bahia que na partida de ontem (24/10/2018) pela Copa Sul-Americana contra o Atlético Paranaense no estádio da Fonte Nova levaram faixas e cartazes se posicionando contra JB e apoiando o democracia.

É reconfortante ver essas manifestações genuínas e autônomas de torcedores brasileiros, tanto por defender valores pelos quais muitos deram a vida. Ver manifestações como essas nos mostram que ainda temos um fiapinho de democracia no nosso país e por este pequeno traço de civilização que ainda nos resta devemos lutar e morrer se preciso for.

É um bálsamo ver que a “tiagoleiferização” (iniciado por aquele apresentador global que diz que futebol e política não se misturam) do futebol passou longe para um considerável grupo de torcidas e torcedores.

É animador ver que o futebol ainda é capaz de mobilizar tantas pessoas, muitas vezes rivais, para lutar lado a lado por um bem maior. O futebol nunca foi o ópio do povo. O futebol vive. A democracia viverá. Sigamos lutando, aconteça o que acontecer no dia 28 de outubro.


Fontes:

Gaviões reafirma repulsa a Bolsonaro e ganha apoio da Jovem do Santos. Disponível em: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2018/09/20/em-nota-gavioes-lembra-ditadura-e-reafirma-campanha-contra-bolsonaro.htm
Acesso: 24/10/2018

Haddad recebe apoio de 69 organizadas e entra em poropopó contra Bolsonaro. Disponível em: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2018/10/22/torcidas-organizadas-apoiam-haddad-contra-bolsonaro.htm
Acesso: 24/10/2018

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Felipe Abrantes

Graduado em Educação Física, modalidade licenciatura, pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor do ensino básico na Prefeitura de Belo Horizonte. Mestre em Estudos do Lazer, tem interesse e realiza pesquisa na área de estudos do futebol e do torcer, no âmbito das ciências sociais e humanas, do lazer e da Educação Física escolar.

Como citar

ABRANTES, Felipe Vinícius de Paula. A nossa torcida é pela Democracia. Ludopédio, São Paulo, v. 113, n. 3, 2018.
Leia também:
  • 113.31

    A repressão começa pela arquibancada

    Lorena Martins, Vicente Magno Figueiredo Cardoso
  • 113.30

    Apartheid gaúcho? A Liga da Canela Preta

    Gilmar Mascarenhas
  • 113.29

    O fim do Ministério do Esporte: boa ou má notícia?

    Cleber Dias