165.15

Aconteceu em 1967: O Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol

Felicce Fatarelli Fazzolari 15 de março de 2023

Enaltecer o ano de 1967 e relacionar alguns dos mais importantes eventos ocorridos no ano, entre eles, a fundação do G.E.L.A.F., é trazer à tona sua representatividade, sua relevância no cenário brasileiro e mundial, além de legitimá-lo no que se refere à função social que figura na sociedade atual.

Se um Professor tivesse uma máquina do tempo, para qual ano ele gostaria de voltar? Penso que todo professor já ouviu essa pergunta. Comigo, não foi diferente.

Durante uma aula sobre o tema “fontes históricas”, ministrada para o 6º ano do Ensino Fundamental, no Colégio Júlio Botelho, foi a minha vez de ser contemplado com a excelente pergunta: professor, para qual ano o senhor gostaria de voltar? Antecipando a minha resposta, um aluno exclamou: queria voltar para o Egito Antigo! Empolgada com a pergunta, a aluna ao lado disse que sentia vontade de utilizar as mesmas ferramentas do Homo Erectus e logo a turma toda estava eufórica, imaginando como seria viver em outros tempos. E eu? Enquanto cada estudante abstraía o conteúdo da aula, eu pensei em um único ano, o de 1967.

Segundo Campos (2020), a terra tem aproximadamente 4,5 bilhões de anos, e foi formada por poeira espacial até gerar uma esfera quente e líquida que foi esfriando e se solidificando aos poucos. Assim, surgiram oceanos, micro-organismos, oxigênio, hominídeos, ferramentas, civilizações, significativas construções arquitetônicas, ideologias religiosas, expressões artísticas, revoluções, teorias políticas, científicas e, claro, o futebol. O que parece a abertura do seriado The Big Bang Theory[1] (2007) foi a minha abstração em alguns segundos após interpretar uma simples pergunta. Diante de tantos acontecimentos, quais os motivos para a minha escolha ser o ano de 1967?

Patriota (2005) discorre que os anos 1960 mudaram o perfil da sociedade ocidental. A produção de movimentos que redimensionaram valores, ideias e objetivos se tornaram símbolos de novas perspectivas para o mundo contemporâneo. (PATRIOTA, 2005)

Nasci em 1982, mas sempre fui fascinado pela contracultura e pelos movimentos sociais destacados na década de 1960, no Brasil e no mundo. Entretanto, quero elencar alguns fatos ocorridos no ano de 1967 para afirmar a minha escolha.

A Guerra do Vietnã (1955-1975), a mais longa do século XX, tirou a vida de milhares de pessoas e, no ano de 1967, quase 100 mil pessoas, em protesto contra a guerra, de maneira pacífica, no arrabalde do edifício do Pentágono, a jovem Jan Rose Kasmir, segurando uma flor de crisântemo, enfrentava uma fileira de soldados da Guarda Nacional norte-americana.

No mesmo ano, irreverente e desafiadora, sempre à frente do seu tempo, a belíssima Leila Diniz (1945-1972) interpretava Maria Alice, no longa-metragem Todas as mulheres do Mundo, filme do diretor Domingos de Oliveira (1936-2019), com quem Leila foi casada por alguns anos. Graças à revolução encarnada em Leila, e à contemporaneidade de sua personagem, hoje o Brasil é repleto de Marias Alice. E vale muito conferir isso!

Ainda caminhando nas “ruas do cinema”, o Oscar de melhor atriz daquele ano foi para Elizabeth Taylor, interpretando Martha, em Quem tem medo de Virgínia Woolf?[2]. Regrado a bebidas, cigarros e palavras agressivas, a linha tênue entre o amor e o ódio pode ser visto no casal Martha e George (Richard Burton).

Em dezembro de 1967, aconteceu o primeiro transplante cardíaco do mundo, realizado pelo cirurgião Dr. Christiaan Neethling Barnard (1922-2001), no Groote Schuur Hospital, na Cidade do Cabo, na África do Sul, conforme vemos a seguir:

O Dr. Barnard implantou no seu paciente, o Senhor Washansky, o coração de um jovem rapaz descerebrado. O paciente transplantado saiu da sala de operações (SO) vivo, porém com bloqueio atrioventricular controlado por um marca-passo. O coração transplantado teve apenas 14 minutos de isquemia durante o procedimento, tendo o paciente ficado por 117 minutos em perfusão extracorpórea. O primeiro transplantado sucumbiu 17 dias após o transplante cardíaco devido a pneumonia, secundária a pseudomonas. (SILVA, 2008)

No campo da literatura, o prêmio Nobel[3], merecidamente entregue ao escritor Guatemalteco, Miguel Ángel Asturias, “por sua vívida realização literária, profundamente enraizada nos traços e tradições nacionais dos povos indígenas da América Latina”[4]. (MAIDANA; CHAGAS; SILVEIRO, 2005)

Em outubro de 1967, Ernesto Rafael Guevara De La Serna, ou simplesmente Che, apelido dado pelo havaneiro Nico López, na Guatemala (PERICÁS, 2013), um dos líderes da Revolução Cubana (1959) foi capturado e executado pelo exército boliviano, com apoio da CIA[5], em Lá Higuera, próximo de Villagrande Cruz (Santa Cruz). Teve as suas mãos amputadas e enviadas para os E.U.A como troféu. Mãos que segundo Castaneda (1997) escrevia cartas para a sua esposa Aleida March, sonhando em passar o resto da vida de mãos dadas com a sua tão amada esposa.

Na Inglaterra, os Beatles estavam em processo de gravação do seu oitavo álbum, intitulado Sgt. Peppers and the Lonely Hearts Club Band, revolucionando o processo criativo na indústria musical, e o debutante Pink Floyd, com o álbum The Piper at the Gates of Dawn. Ambas as bandas dividiram o icônico estúdio Abbey Road para gravar os seus respectivos álbuns.

Nos Estados Unidos, a “pira funerária” e os demônios interiores[6] eram queimados. A banda The Doors lançava o seu primeiro álbum, autointitulado The Doors. Jim Morrison era a alma beat (PATRIOTA, 2005), com performances dionisíacas, que hipnotizava plateias.  

No Brasil, Elis Regina, interpretando a canção O Cantador, de Nelson Mota e Dori Caimmy, venceu o III Festival da Canção, organizado pela TV Record em outubro de 1967. Este foi marcado por uma rivalidade peculiar entre o violão e a guitarra. Cabe destacar que em junho do mesmo ano, na cidade de São Paulo, aconteceu a Marcha contra a guitarra elétrica. Liderada por Elis Regina, Edu Lobo, Geraldo Vandré, e demais representantes da MPB tradicional, a marcha tinha como objetivo resistir à invasão cultural americana:

Abaixo à guitarra! Abaixo à guitarra! A guitarra elétrica como símbolo do imperialismo Yankee, aqueles clichês do velho comunismo que estavam muito ativos na época. (UMA NOITE EM 67, 2010)

Ao mesmo tempo em que 300 ou 400 pessoas resistiam à guitarra elétrica, a própria que, no ano em questão, fora queimada por Jimi Hendrix, tornando-se um dos símbolos ideológicos de resistência, Sérgio Ricardo era vaiado ao tentar cantar Beto bom de Bola, uma música sobre futebol, até então, visto como ópio do povo[7], e sobre a hipocrisia em criar ídolos momentâneos que caem em esquecimento, ´no chão batido o pé descalço, mas sem desventura, contusão, a glória não perdura´[8]. Segundo Da Matta (1982), o futebol é um espaço no qual a sociedade simbolicamente se expressa, manifesta-se, deixando descobrir-se:

O futebol praticado, vivido, discutido e teorizado no Brasil seria um modo específico, entre tantos outros, pelo qual a sociedade brasileira fala, apresenta-se, revela-se, deixando-se portanto descobrir.” (DAMATTA, 1982, p. 21)

Um ano após a Copa do Mundo de Futebol FIFA, disputada na Inglaterra e vencida pelos donos da casa, título contestável até os dias de hoje, Pelé sagrava-se, mais uma vez, campeão paulista de futebol defendendo o uniforme do alvinegro praiano. Entretanto, em entrevista, anunciava que não jogaria a próxima Copa[9]. O Racing Club de Avellaneda, vencedor da Libertadores da América e, consequentemente, campeão mundial interclubes de futebol, ao vencer o Celtic, clube escocês, em duas partidas decisivas, fez história. O Palmeiras, de Julinho Botelho[10], que naquele ano encerraria a sua vitoriosa carreira, vencia a Taça Brasil, tornando-se campeão brasileiro de futebol.

O Brasil, país de proporções continentais, não se resume apenas aos grandes centros econômicos. Segundo Shirley (1971), enquanto as principais cidades brasileiras estão entre as mais cosmopolitas do mundo, as deficiências nos transportes e nas comunicações isolam pequenas comunidades, aparentemente não afetadas pela passagem do tempo. Os “Dois Brasis” (LAMBERT, apud SHIRLEY 1967) referem-se não somente à agricultura, mas a todas as comunidades e modos de vida. Quase tudo pode ser encontrado neste enorme país, das mais modernas fábricas a indígenas (SHIRLEY, 1971), inclusive agremiações esportivas de futebol.

De modo preciso, quero destacar a cidade de Cunha, no estado de São Paulo, e uma agremiação em especial, o Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol.

Para Oliveira (2015), a cidade de Cunha é a décima primeira em extensão territorial do estado de São Paulo, com aproximadamente 22 mil habitantes, sendo 45% localizados em zona rural. O município de Cunha está localizado na região do Alto do Paraíba, entre as serras da Bocaina e a do Mar. Limita-se com Ubatuba, São Luiz do Paraitinga, Lagoinha, Guaratinguetá, Lorena, Silveiras, Areias, São José do Barreiro, no estado de São Paulo, e a Paraty, no estado do Rio de Janeiro. (OLIVEIRA, 2015)

Conforme Shirley (1971), de todas as regiões isoladas do Estado de São Paulo, a mais velha, a maior e mais famosa nos círculos acadêmicos, é o município de Cunha:

Por causa de uma combinação de fatores históricos e geográficos, Cunha, até os anos 1970, permanecia uma das regiões mais isoladas e conservadas do Estado de São Paulo e um dos últimos centros conservadores da velha cultura folk rural de São Paulo, o chamado ´Caipira Paulista. (SHIRLEY, 2015)

A história de Cunha é rica e retrocede quase até ao mais antigo povoamento no Brasil. Segundo o site o Portal de Cunha, as primeiras expedições para a região, denominada Facão, ocorreram no início do século XVII. Com a descoberta de ouro nas ´minas gerais´, a região do Facão é desbravada por aventureiros portugueses, tornando-se passagem obrigatória entre o litoral e as minas. Já no século XIX, A Vila de Cunha eleva-se à condição de Cidade. Em 28 de outubro de 1948, cria-se a Estância Climática de Cunha.

Quase duas décadas após a criação desta Estância, exatamente no dia 16 de fevereiro de 1967, o Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol, ou simplesmente G.E.L.A.F. nasce para o mundo.

O GELAF surgiu de uma reunião de amigos cunhenses, e com a finalidade de fundar uma agremiação em nossa cidade, levando o nome de uma estudante ´´ Lenice Amato´´ de uma família tradicional de Cunha, na sala do prédio situado à rua Conego Siqueira, nº 26 nesta cidade às 20:30 horas, reuniram-se adeptos da nova agremiação e após debates foi escolhido o nome da agremiação a qual passou a chamar-se ´´ Grêmio Estudantil Lenice Amato´´ e mais tarde passou a chamar-se Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol. Assim foi eletia na data acima mencionada a primeira diretoria, por um período de dois anos, ficando assim constituída: PRESIDENTE: Marco Antonio de Siqueira; VICE-PRESIDENTE: José Benedito da Cruz; 1º SECRETÁRIO: José Carlos Prudente; 2º SECRETÁRIO: Orlando Barbeta Filho; 1º TESOUREIRO: José Prudente do Amaral; DIRETOR ESPORTIVO: José Barbosa Reis Filho; CONSELHEIRO: Edson Alfredo Barbeta; PREPARADOR TÉCNICO: Dário Ferro; PREPARADOR FÍSICO: Antonio Geraldo da Silva e Nelson Luis Leite. CORES DA AGREMIAÇÃO: Vermelho e Branco. G.E.L.A.F. Voz Popular de Cunha, Cunha – SP, 07 de fev. 1981.

 

 Escudo do Gremio Esportivo Lenice Amato de Futebol
Escudo do Gremio Esportivo Lenice Amato de Futebol. Fonte: Carlos César Murad. Arquivo pessoal.

Segundo Carlos César Murad, atual presidente do G.E.L.A.F., a origem da agremiação esteve ligada ao meio estudantil da cidade. Em 1967, um grupo de estudantes cunhenses resolveu dinamizar o futebol da cidade, o qual, na ocasião se encontrava apático. Para tanto, resolveram fundamentar essas ideias na estrutura do

Grêmio Estudantil do Ginásio Paulo Virgínio[11], que se chamava “LENICE AMATO”, pretendendo, com isso, também homenagear uma jovem líder estudantil da cidade, falecida tragicamente em 1955. A escolha do nome de Lenice aconteceu em razão de se querer perpetuar a memória, através do futebol da cidade de Cunha, àquela que fora, em vida, o exemplo de uma juventude sadia e alegre.

De acordo com Diná Zélia Chimello, diretora do Museu Francisco Veloso, Centro de Tradições e Cultura da cidade de Cunha, Lenice era jovem, linda e amável, sonhadora, como qualquer criança. Segundo Dona Lina Aparecida Spiridigliozzi Silva, amiga de Lenice durante a infância:

Eu nasci em março de 1942. Nós éramos da mesma idade, só que eu fazia aniversário em março e ela fazia aniversário, se eu não estou enganada, dia 29 de novembro. Nós éramos 3 ou 4 meses separadas pela data de nascimento. Só que ela nasceu num ano e eu nasci do outro. A gente era muito amiga. A gente passeava junto. Ela não saia da minha casa e eu também não saia da casa da mãe dela, porque a gente era muito amiga. A gente conversava muito. Ela era sozinha eu também era sozinha. Eu só tinha os meus irmãos, então a gente era bem amiga. A gente saia, passeava, brincava junto né, ia para a escola junto, Com certeza, éramos da mesma sala. Com 13 anos de idade, o pai de Lenice a matriculou no Colégio do Carmo, na cidade e Guaratinguetá. mas ela estudava antes no Casemiro, aqui em Cunha. Ela Foi pro Colégio do Carmo em Guaratinguetá Guaratinga mas ela nem chegou a cursar.  Ela faleceu no dia 13 de fevereiro de 1955, durante um passeio com a família, na estrada Cunha-Paraty. CHIMELLO, Diná Zélia, [ Quem foi Lenice Amato?].   Vídeo gravado com  Lina Aparecida Spiridigliozzi Silva, amiga de Lenice Amato. Whatsapp. 20 jan. 2023. 16:19. 1 mensagem de WhatsApp.

Lenice Amato
A jovem Lenice Amato (1941-1955). Fonte: Carlos Cesar Murad (Arquivo pessoal)

Para Nora (1993), ao registrar a memória de certos grupos que viveram determinada experiência, pretende-se reunir a experiência comum que partilharam, entretanto, de acordo com Halbwachs (2004, p. 12), para que nossa memória se beneficie da dos outros, não basta que nos tragam seus testemunhos. Vejamos:

Quando a memória não está mais em todo lugar, ela não estaria em lugar algum se uma consciência individual, numa decisão solitária, não decidisse dela se encarregar. Menos a memória é vivida coletivamente, mais ela tem necessidade de homens particulares que fazem de si mesmos homens-memória. (NORA, 1993, p. 18)

A memória deve criar pontos de contato entre ela e as outras, para que a lembrança que se fazem dela possa ser reconstruída sobre uma base comum. (HALBWACHS, 2004, p. 12)

Carlos César Murad entende que hoje todo cunhense orgulha-se em admirar o Grêmio Esportivo Lenice Amato. Não sou cunhense e, tão pouco, as minhas origens estão na cidade, no entanto, o meu elo com a cidade é afetivo. Em 2010, minha esposa e eu conhecemos a cidade e iniciamos a história com Cunha. As cachoeiras, a pipoca na praça, os violeiros, a cerâmica, a religiosidade, as festas populares e, claro, o futebol de Cunha fazem parte da nossa história. É a memória coletiva construída e guardada na memória. Assim, para Nora (1993, p.13) memórias nascem e vivem do sentimento de que não há memória espontânea, que é preciso criar arquivos, manter aniversários e organizar celebrações, porque essas operações não são naturais.

Nunca vesti a linda camisa do G.E.L.A.F., mas aqueles que vestiram as cores vermelha e branca defenderam e ainda defendem a águia, escolhida para ser o mascote do clube. Carregaram e carregam em seu peito o escudo da agremiação, e devem ser lembrados não somente por seus feitos dentro do campo, como também fora dele. Não é para qualquer um, em um contexto historicamente patriarcal e machista, carregar em seu peito o nome de uma mulher.

Bandeira comemorativa aos 30 anos do G.E.L.A.F.
Bandeira comemorativa aos 30 anos do G.E.L.A.F. Fonte: Carlos Cesar Murad. Arquivo Pessoal.

Atletas principais do passado, como Dário Ferro, Omair Casemiro Fornitano, Edinho Barbetta, Marco Antônio de Siqueira, Paulinho do Arthur, Sérgio Mendes, Carlos do Arthur, Nascimento, Enéias, Purguinha, Burrico, João Maurício e outros passaram por este clube. Da era mais recente, Boi, Britão, Britinho, Tuca Amaral, Zé Amaral, Carlos César, Pretinho, Déco, Chico Maurício, Fabinho, Chumbinho, Nilton, Rosildo, Ronaldo Moraes Meirelles entre outros também tiveram brilhante passagem por ele.

Grandes jogadores merecem grandes técnicos. Dário Ferro, Mauro Veras. Dr. Marco Antônio de Siqueira; Orlando Barbetta; Chico Muller; Déco; Ronaldo de Moraes Meirelles foram os principais técnicos da história do G.E.L.A.F.

A equipe do G.E.L.A.F na década de 1970
A equipe do G.E.L.A.F na década de 1970. Fonte: Carlos Cesar Murad. Arquivo Pessoal.

A agremiação tem um estatuto com diretoria e elenco. Dr. Marco Antonio de Siqueira, Dário Ferro, Geraldo Amato, Dr. Noelson de Oliveira Bastos, José Prudente do Amaral, Alberto Alves dos Reis, Orlando Barbetta, Lenildo Odair da Silva, Osni de Oliveira, Alci Mendes de Carvalho, Paulino Benedito (Baxinho), Odair Mani, Carlos César Murad e Ronaldo de Moraes Meireles, tiveram a honra em presidir o G.E.L.A.F.  e guiar os BONS GREMISTAS, como diz o Hino do G.E.L.A.F,  em seus caminhos vitoriosos.

HINO DO G.E.L.A.F

( O BOM GREMISTA)

 

É isto que eu queria

Que o Grêmio dia a dia

Pudesse demonstrar

Que a turma é boa

E não é à toa

Que lutamos para ganhar

 

Eu sempre sonhei

E acreditei

Num GELAF a brilhar

Pois o Grêmio é grande

Seja aqui ou longe

Sempre há de triunfar

 

Já que nós brilhamos

Só resta agora

A glória final

Ser um bom gremista

E gelafista

É o ideal – Gelaf, Gelaf, Gelaf.

 

Ser um bom gremista

É gelafista

É o ideal

 

Música O Bom Rapaz · Wanderley Cardoso Selecão De Ouro ℗ 1967. EMI Music Brasil Ltda Released on: 2002-01-01 Letra: Geraldo Nunes. Letra e versão para o hino: Dário Ferro, 1967.

Ao longo desses 55 anos de história, o G.E.L.A.F. obteve êxito e sucesso, consolidando-se como um dos mais importantes e respeitados clubes de futebol amador da região, com significativas conquistas, sagrando-se campeão de importantes campeonatos regionais e conquistou inúmeros títulos, destacando o Troféu de Disciplina do Governador Laudo Natel do Campeonato do Vale em 1975. Foi campeão Amador de Cunha por 26 vezes, Vice-campeão da Copa Zito de futebol, na cidade de Roseira, no estado de São Paulo, no ano de 2007, campeão da Copa Paulo Virginio, em 2017, e campeão da Copa Invest Imóveis, em 2022, na cidade de Ubatuba, São Paulo.

Sala de troféus. Sede do G.E.L.A.F
Sala de troféus. Sede do G.E.L.A.F. Fonte: Carlos Cesar Murad. Arquivo pessoal.

Sempre teve a sua base como peça fundamental na revelação de talentos, e a partir dos anos 2000, as categorias de base da agremiação recebem maior atenção, obtendo resultados já em 2009. As equipes das Categorias de Base Fraldinha – Mirim e Amador foram campeões da “Copa Fabinho”, campeonato promovido pela Secretaria Municipal de Esportes de Cunha.

Nas décadas de 90 e 2000 o sonho em ter uma Sede Social própria do clube foi concretizado através do Presidente Odair Mani, que também lançou um selo comemorativo do G.E.L.A.F. em 2007. Com a ajuda de autoridades locais, comerciantes, atletas, amigos e torcedores, a Sede Social foi construída na rua Clodomir Molinari, 111, no centro de Cunha.

O Clube vive exclusivamente desta paixão há 55 anos. Reconhecido na região das montanhas por suas inúmeras conquistas e que fazem do G.E.L.A.F. um celeiro na revelação de grandes talentos. Todo trabalho realizado no clube é feito por voluntários, sem qualquer tipo de remuneração financeira. São pessoas que dedicam parte de seu tempo pelo amor e carinho que têm ao esporte amador, principalmente na educação das crianças e nas cores do clube. Para cobrir despesas na manutenção e dos torneios que as equipes participam, o G.E.L.A.F. conta com a doação e colaboração de simpatizantes e torcedores do clube. É essencial valorizar as memórias, as conquistas, e os heróis do futebol amador.

G.E.L.A.F
O G.E.L.A.F para a disputa do Campeonato Municipal Futebol Veterano 40TÃO 2023, na cidade de Cunha, São Paulo. Fonte: https://www.instagram.com/esportecunhasp/.

Finalmente, após uma gama de eventos ocorridos no ano de 1967, mantenho-me firme quanto a uma hipotética viagem no tempo. Oponho-me a Albert Einstein quando ele se refere ao passado como uma grande ilusão. Mesmo que possa parecer arrogância de minha parte contrapor um dos maiores gênios da história, o passado é real e resiste em documentos e memórias, e enquanto for possível, preservarei a memória de todos aqueles que constroem a nossa história.

O Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol tem o seu lugar no Panteão dos grandes clubes. Eternizar o nome de Lenice, vestir as cores vermelha e branca, e carregar um escudo no peito com as iniciais de seu nome, é maior e mais honrosa atitude que um clube de futebol pode ter. Os grandes clubes de futebol devem criar equipes femininas, investir e valorizar a categoria.  Um fato curioso aconteceu após a vitória do Corinthians contra o Flamengo, por 4 a 0, pela Supercopa Feminina. Após o final da partida, em entrevista, a jogadora Tamires, do Corinthians, fez duras críticas à diretoria do Flamengo, por não valorizar as atletas que entraram em campo. Em entrevista à Rede Globo, Tamires disse as seguintes palavras:

“Uma coisa eu queria falar, especialmente para o Flamengo, eu acho que o Flamengo está construindo sua equipe agora. Conheço todas as meninas desse time, todas batalham muito e para mim não pode, com a camisa que o Flamengo tem, colocar essas meninas para jogar uma semifinal no campo que jogaram. O Flamengo tem que rever muito mais”. – Olha o Corinthians, o Corinthians ganha título porque é isso aqui. Coloca a gente para jogar na Arena, a torcida lota os estádios. Então nada do que estamos conquistando hoje é simplesmente porque a gente tem talento, é porque a gente recebe esse apoio do clube, da torcida. Vamos os clubes fazer isso pelas atletas, porque temos muito potencial e muita menina para crescer – falou. (Disponível em: https://www.lance.com.br/corinthians/apos-ganhar-a-supercopa-feminina-com-o-corinthians-tamires-critica-diretoria-do-flamengo.html). Acesso em 12 de fev. 2023.

Ao longo dos anos, as mulheres foram alvo de críticas e ataques violentos no futebol e fora dele, e o G.E.L.A.F, desde 1967, com poucos recursos, mas com muito amor, valoriza a sua história, os seus jogadores, a cidade de Cunha, e claro, a memória de uma jovem sonhadora, como àqueles que, no ano de 1967, deram outros rumos para a História. Que o G.E.L.A.F sirva de exemplo, conquiste inúmeros troféus e os coloque ao lado do seu maior troféu: manter a memória de Lenice Amato. 

Notas

[1] O seriado The Big Bang Theory (doravante TBBT) teve seu primeiro episódio no ar em 22 de dezembro de 2007, pela emissora CBS. Produzido por Chuck Lorre e Bill Prady, a série é exibida no Brasil pela Warner Channel.

[2] Título original: Who’s Afraid of Virgina Woolf?; Produção: Warner Bros.; País: EUA; Ano: 1966; Duração: 131 minutos; Distribuição: Warner Bros.; Estreia: 21 de Junho de 1966 (EUA), 14 de Março 1969 (Cinema S. Luiz e Cinema Alvalade, Portugal).

[3] Alfred Nobel nasceu em Estocolmo, Suécia, em 21 de outubro de 1833. A concepção dos prêmios ocorreu quando, em decorrência da morte do irmão, um jornal publicou o obituário de Alfred Nobel por engano, acreditando que fora ele a falecer. O jornal o descreveu como um homem que tornava possível matar mais pessoas mais rapidamente. Naquele momento, Nobel percebeu que não era assim que desejava ser lembrado. O Prêmio Nobel é atribuído às pessoas que fizeram pesquisas importantes, inventaram técnicas pioneiras ou deram contribuições destacadas à sociedade. A premiação é realizada anualmente em Estocolmo, Suécia, no dia 10 de dezembro (1896), aniversário da morte de Alfred Nobel. (MAIDANA; CHAGAS; SILVEIRO, 2005)

[4] Prêmio Nobel de Literatura 1967. NobelPrize.org. Nobel Prize Outreach AB 2023. Disponível em: https://www.nobelprize.org/prizes/literature/1967/summary/. Acesso em: 2 jan. 2023.

[5] Central Intelligence Agency. Disponível em:  https://www.cia.gov/index.html. Acesso em: 2 jan. 2023.

[6]Kata ton daimona eaytoy.’ The Greek text means ‘in accordance with his own spirit,’ which can be interpreted as a reference to the obstinate way in which he led his own life. Even this text has spawned a host of weird and wonderful translations and interpretations about what happened to Morrison. MARGRY, Peter Jan. The Pilgrimage to Jim Morrison’s Grave at Père Lachaise Cemetery: The Social Construction of Sacred Space. Shrines and Pilgrimage in the Modern World. New Itineraries into the Sacred, 2008.

[7] O papel do futebol é desviar a atenção e mistificar o povo. Ou seja, só quem sabe o real papel do futebol na sociedade brasileira é a camada dominante. A massa permanece na escuridão de sua idiotice. (DAMATTA, 1982, p.22)

[8] Música Beto Bom de Bola. Sérgio Ricardo, 1967. 3º Festival Da Música Popular Brasileira – Vol. 3. Philips – R 765.016L.

[9] SACCO, 2022. Por que Pelé, em 1967, ‘jurou’ que não jogaria a Copa do Mundo de 1970. Disponível em: https://www.espn.com.br/futebol/copa-do-mundo/artigo/_/id/11417258/por-que-pele-1967-jurou-nao-jogaria-copa-do-mundo-de-1970. Acesso em: 3 jan. 2023.

[10] Julinho disputou 269 partidas pelo Palmeiras, acumulando 163 vitórias, 53 derrotas e 53 empates. Além dos cinco títulos conquistados, balançou as redes adversárias 81 vezes. (PALMEIRAS, 2022)

[11] Em 1932, Cunha foi palco da Revolução Constitucionalista, quando um batalhão da marinha composto por quatrocentos praças subiu a Serra do Mar com a intenção de chegar à São Paulo, via Vale do Paraíba. Durante três meses houve intensos combates e foi dentro deste período que a cidade conheceu o seu grande herói e mártir, o lavrador Paulo Virgínio, morto por não revelar o local e a posição das tropas paulistas. Foi construído as margens da estrada que liga Cunha a Parati um monumento em homenagem a este ilustre cidadão, passando a estrada Cunha-Parati a ser denominada Rodovia Paulo Virgínio. (OLIVEIRA, 2015)

Referências

AGÊNCIA PALMEIRAS. Há 45 anos, Julio Botelho se despedia dos campos de futebol. Departamento de História. Palmeiras, 12 de fevereiro de 2012. Disponível em: https://www.palmeiras.com.br/noticias/ha-45-anos-julio-botelho-se-despedia-dos-campos-de-futebol-2/. Acesso em: 3 jan. 2023.

Após ganhar a Supercopa Feminina com o Corinthians, Tamires critica diretoria do Flamengo. Lance! Disponível em: https://www.lance.com.br/corinthians/apos-ganhar-a-supercopa-feminina-com-o-corinthians-tamires-critica-diretoria-do-flamengo.html. Acesso em 12 de fev. 2023.

ASTURIAS, Miguel Angel. The Nobel Prize in Literature 1967. The Nobel Prize, Literature, [2023?]. Disponível em: https://www.nobelprize.org/prizes/literature/1967/summary/. Acesso em: 3 fev. 2023.

CAMPOS, Francisco Ferreira de; FACURI, Gabriel Guimarães. “A idade do planeta Terra.” São Paulo: CPRM, 2020. Ebook. SGBEduca. Disponível em: https://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/22348?show=full. Acesso em: 3 fev. 2023.

CASTAÑEDA, Jorge G. Che Guevara: a vida em vermelho. Tradução Bernardo Joffilly, Companhia das Letras,1997, 517p.

CENTRAL INTELLIGENCE AGENCY. Careers, [2023?]. Disponível em:  https://www.cia.gov/index.html. Acesso em: 2 de jan. 2023.

CHIMELLO, Diná Zélia. [ Quem foi Lenice Amato?]. Whatsapp. 20 jan. 2023. 16:19. 1 mensagem de WhatsApp.

COSTA, Rayrison Tobias. BIG BANG: A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO COSMOLÓGICO. 2013. Monografia (Graduação em Física) – Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA, Ariquemes, RO, 2013. Disponível em: https://repositorio.faema.edu.br/bitstream/123456789/442/1/COSTA%2c%20Rayrison%20Tobias%20-%20BIG%20BANG..%20A%20EVOLU%c3%87%c3%83O%20DO%20PENSAMENTO%20COSMOL%c3%93GICO.pdf. Acesso em: 3 fev. 2023.

DAMATTA, Roberto et. al. O universo do Futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

G.E.L.A.F. Voz Popular de Cunha, Cunha – SP, 07 de fev. 1981.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HINO DO G.E.L.A.F. Letra e versão para o hino: Dário Ferro, 1967. Música O Bom Rapaz · Wanderley Cardoso Selecão De Ouro ℗ 1967. EMI Music Brasil Ltda Released on: 2002-01-01 Letra: Geraldo Nunes.

HATJE, Vitor Augusto Larrosa. Uma Análise da Guerra do Vietnã perante o Direito Internacional. Revista Perspectiva: reflexões sobre a temática internacional, v. 12, n. 23, 2019.

INSTAGRAM: https://www.instagram.com/esportecunhasp/. Acesso em: 12 de fev. 2023.

MAIDANA, Rosa Lúcia Vieira; CHAGAS, Lucas Ávila; SILVEIRO, Sandra Pinho. Prêmio nobel: o criador, o prêmio e os laureados. Clinical & Biomedical Research, v. 25, n. 3, 2005.

MARGRY, Peter Jan. The Pilgrimage to Jim Morrison’s Grave at Père Lachaise Cemetery: The Social Construction of Sacred Space. Shrines and Pilgrimage in the Modern World. New Itineraries into the Sacred, 2008.

MEDEIROS, Kenia Gusmão. “Todas as mulheres do mundo”: um olhar sobre Leila Diniz e seu tempo. Revista de História da UEG, v. 5, n. 2, p. 176-198, 2016.

MURAD, Carlos Cesar. [História do Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol]. Whatsapp. 6 dez. 2022. 09:48. 1 mensagem de WhatsApp.

NASCIMENTO, Emanuel Angelo. LES MOUVEMENTS SOCIAUX DANS LES FRONTIERES SIGNIFIANTS DU CORPS ET DU DISCOURS. Revista DisSol -Discurso, Sociedade e Linguagem, n. 5, 2017.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História, PUC-SP, n. 10. Tradução Yara Aun Khoury, São Paulo, dez.1993. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763. Acesso em: 3 fev. 2023.

OLIVEIRA, Juliana de Souza. Saberes do campo: a comunidade de agricultores agroecológicos e a escola do campo no município de Cunha/SP, 2015. Monografia (Graduação em Biologia), UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://rima.im.ufrrj.br:8080/jspui/bitstream/1235813/3003/1/Juliana%20Souza%20de%20Oliveira%20-%20Dez%202015.pdf. Acesso em: 3 fev. 2023.

PATRIOTA, Rosangela. HISTÓRIA–PERFORMANCE–POESIA: JIM MORRISON, O XAMÃ DA DÉCADA DE 1960. Fênix-Revista de História e Estudos Culturais, v. 2, n. 3, 2005.

PERICÁS, Luiz Bernardo. DIÁRIO DE UM COMBATENTE. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 47, 2013.

POR TRÁS DA IMAGEM: PROTESTANDO CONTRA A GUERRA DO VIETNÃ COM UMA FLOR. Resumo Fotográfico, Belo Horizonte, MG, 25 nov. 2021. Disponível em:  https://www.resumofotografico.com/2021/11/protestando-contra-a-guerra-do-vietna-com-uma-flor.html. Acesso em: 1 jan. 2023.

SACCO, Guilherme. Por que Pelé, em 1967, ‘jurou’ que não jogaria a Copa do Mundo de 1970. ESPN. Futebol, 30 dez. 2022. Disponível em: https://www.espn.com.br/futebol/copa-do-mundo/artigo/_/id/11417258/por-que-pele-1967-jurou-nao-jogaria-copa-do-mundo-de-1970. Acesso em: 3 de jan. 2023.

SACRAMENTO, Sergio Valério do. SÉRGIO RICARDO: Beto bom de bola. Youtube, 20 abr. 2013, (7:12). Disponível em: https://youtu.be/bodRpC6rxdE. Acesso em: 3 fev. 2023.

SÉRGIO RICARDO foi incompreendido e pouco ouvido, diz jornalista. Jornal da USP. Cultura, 14 ago. 20, 2020. Disponível em: https://jornal.usp.br/cultura/sergio-ricardo-foi-incompreendido-e-pouco-ouvido-diz-jornalista/#:~:text=Exemplo%20da%20incompreens%C3%A3o%20de%20que,dedicada%20a%20falar%20sobre%20futebol. Acesso em: 2 jan. 2023.

SILVA, Paulo Rodrigues da. Transplante cardíaco e cardiopulmonar: 100 anos de história e 40 de existência. Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery, v. 23, p. 145-152, 2008.

SHIRLEY. O Fim de uma Tradição. Título do original inglês: The End of a Tradicion: Culture change and development in the Município of Cunha, São Paulo, Brasil. Editora Perspectiva S.A. São Paulo. 2015

UMA NOITE EM 67. Produção de Renato Terra e Ricardo Calil. Interpretes: Arnaldo Baptista, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Chico Buarque de Hollanda, Roberto Carlos, Nelson Motta, Edu Lobo, Sergio Cabral, Brasil, 2010, Documentário, (85 min.).

VIEIRA, Itala Maduell. A memória em Maurice Halbwachs, Pierre Nora e Michael Pollak. XI Encontro Regional Sudeste de História oral: dimensões do público; comunidades de sentido e narrativas políticas, v. 11, Niterói, RJ: 2015.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Ludopédio.
Seja um dos 16 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Felicce Fatarelli Fazzolari

Graduado em História pela Universidade Guarulhos (2003), Graduado em Filosofia pela Universidade Camilo Castelo Branco (2007), Graduado em Pedagogia pela FALC (Faculdade Aldeia de Carapicuíba), Especialista em Sociologia pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Professores do Estado de São Paulo Paulo Renato Costa Souza (2012), e Mestre pela Univesidade Presbiteriana Mackenzie no Centro de Educação, Filosofia e Teologia, no Programa de Educação, Arte e História da Cultura, com o tema: O FUTEBOL PAULISTANO COMO PRÁTICA CULTURAL: Um estudo sobre a violência no futebol paulistano e a sua convergência para a rede social Instagram. Sou Professor de História, Filosofia, Sociologia, disciplinas Eletivas, Tecnológicas e Projeto de Vida, para os ensinos Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) da rede pública e particular de São Paulo. Tive experiência como Professor-Coordenador do Ensino Fundamental e Médio da Rede Estadual de São Paulo. Pai do Giuseppe, esposo da Patricia e amante de futebol e Rock'n roll.

Como citar

FAZZOLARI, Felicce Fatarelli. Aconteceu em 1967: O Grêmio Esportivo Lenice Amato de Futebol. Ludopédio, São Paulo, v. 165, n. 15, 2023.
Leia também:
  • 178.14

    Racismo: Vinícius Jr. e a nova fronteira do preconceito no esporte

    José Paulo Florenzano
  • 178.13

    História e contemporaneidade dos festivais na várzea paulistana

    Alberto Luiz dos Santos, Aira F. Bonfim, Enrico Spaggiari
  • 178.12

    Jogo 2: Estreia da Arena na Libertadores

    Gustavo Cerqueira Guimarães