155.6

“Alianza Lima y Colo-Colo: Vn Solo Corazón”

Fabio Perina 5 de maio de 2022

Em texto anterior, ao tratar da histórica rivalidade entre peruanos e chilenos, principalmente no âmbito de seleções, mencionei o único elemento de “trégua”. Em 1987, um fato insólito que marcou o futebol dos dois lados foi o desastre da queda do avião do Alianza Lima, nos arredores de Ventanilla ao regressar de uma partida em Pucallpa, dizimando uma geração muito promissora. O que foi seguido de uma surpreendente integração com o Colo-Colo do Chile ao lhe ceder jogadores para que pelo menos terminassem o torneio local. Sendo até hoje certamente a união de hinchadas mais intensa do continente ao agregar tanto hinchas comuns como as recentes barras bravas que se formavam justamente naqueles anos. Respectivamente, Comando Svr e Garra Blanca. Sendo que ambas coincidem nas suas faixas e bandeiras por trocar a grafia do “U” pelo “V” para evitar a referência a seus arquirrivais: Universitario de Deportes e Universidade de Chile. (Obs: mais uma coincidência desses rivais terem perdidos os clássicos por 4 a 1 nas últimas semanas e com isso aumentando a confiança de Alianza e Colo-Colo para a Libertadores)

Alianza Lima
Comando sur, hinchada do Alianza Lima, durante partida contra Palestino em Santiago, Chile. Fonte: Wikipédia

(Obs: quis o destino que houvesse um antecedente histórico como a semelhança que deu base a essa união, tardia embora intensa. Pois são justamente dois clubes e duas hinchadas tendo em comum em suas longas histórias uma forte identificação com setores nacionais e populares para difundir o esporte profissional em torno das décadas de 1920/30. Inclusive com elementos étnicos como valorização de negros e indígenas mapuches, respectivamente). Falando em torcidas, há de se acrescentar também a semelhança dos estádios, respectivamente, Alejandro Villanueva (ou apenas “Matute”) em Lima e David Arellano (ou apenas “Monumental”) em Santiago; por fazerem referência a ídolos das primeiras décadas e a estrutura de médio porte com alambrado colado ao campo dando aquele ambiente de “caldeirão”.

Colo-Colo
Estadio Monumental David Arellano. Fonte: Wikipédia

Chegando aos dias atuais, é surpreendente que somente na atual edição de 2022 da Libertadores que finalmente os dois clubes façam partidas oficiais pela primeira vez. Dividindo o grupo contra o tradicional e sempre competitivo River Plate-ARG e o estreante e sempre surpreendente Fortaleza-BRA. Embora o ambiente seja de festa mas principalmente de apreensão diante de tantas recentes flertadas com vexames e até desastres dentro de camo. Pois no âmbito continental ambos coincidem em cerca de uma década de desempenhos fracos nas fases de grupos da Libertadores: o Alianza Lima detém um “recorde” de mais de 20 partidas sem vencer na competição; enquanto o Colo-Colo detém uma sequência de várias eliminações traumáticas na última rodada e com frequência no próprio estádio (tendo como única exceção 2018 quando avançou ao mata-mata e nele eliminou o Corinthians, porém logo foi eliminado pelo Palmeiras). E pior ainda no âmbito nacional quando nos últimos meses estiveram prestes a jogar a segunda divisão: o Alianza Lima até chegou a cair dentro de campo mas foi beneficiado pelo “tapetão” com a perda de pontos de um concorrente na tabela (o modesto Carlos Stein) por escalação irregular de um jogador; enquanto o Colo-Colo até se salvou do rebaixamento dentro de campo, mas apenas em dramática repescagem com o magro 1 a 0 contra Universidad de Concepcion. Agonicamente, ambos se livraram da condição inédita de serem rebaixados pela primeira vez.

Completando o cenário atual no futebol peruano e chileno, os tempos atuais são não somente de partidas emocionantes entre seleções mas uma curiosa hegemonia pontual das “terceiras forças” vencendo a maioria das ligas nacionais: respectivamente Sporting Cristal e Universidad Católica. Quem por coincidência se enfrentam em outro grupo dessa Libertadores.

Diante de tantas dificuldades recentes, uma expectativa otimista para os dois clubes seria de classificação do Alianza Lima para a Copa Sul-Americana através do 3o lugar do grupo e de classificação do Colo-Colo para o mata-mata da Libertadores através de pelo menos do 2o lugar.

Seja um dos 9 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Fabio Perina

Palmeirense. Graduado em Ciências Sociais e Educação Física. Ambas pela Unicamp. Nunca admiti ouvir que o futebol "é apenas um jogo sem importância". Sou contra pontos corridos, torcida única e árbitro de vídeo.

Como citar

PERINA, Fabio. “Alianza Lima y Colo-Colo: Vn Solo Corazón”. Ludopédio, São Paulo, v. 155, n. 6, 2022.
Leia também:
  • 155.33

    Pelo direito à memória: Nordestão e seus predecessores

    Itamá do Nascimento
  • 155.32

    Alfredo Di Stéfano e o Sarriá: o adeus de um gênio

    Gabriel de Oliveira Costa
  • 155.31

    Las presas que juegan al fútbol

    Federico Frau