129.28

Brasil e Argentina vencem o mundial do Catar 2022

Luciano Victor Barros Maluly 24 de março de 2020

Doha, 18 de novembro de 2022

Brasil e Argentina empataram, hoje, pelo placar de dois a dois, no Estádio Internacional Khalifa, em Doha, no Catar, pela final da Copa do Mundo.

A Argentina, praticamente, dominou a partida e teve as melhores oportunidades. Logo aos cinco minutos, Lionel Messi marcou um golaço de falta sem chances para Alisson, o melhor jogador brasileiro em campo.

Em falta perigosa para a Argentina, Alisson defende chute de Messi. Foto: Lucas Figueiredo/CBF.

Dois minutos depois, o craque argentino fez o segundo gol de pênalti, após Marquinhos derrubar Sergio Agüero dentro da área.

O segundo tempo começou da mesma forma com o domínio total dos hermanos e as defesas de Alisson.

Tite usou das surpresas que marcaram a sua filosofia de trabalho após a conquista da Copa América, em 2019.

A maior delas ocorreu antes da Copa quando convocou as três jovens estrelas do Real Madrid (Vinicius Júnior, Reinier e Rodrygo) e também o grupo de jogadores que formam a base do supercampeão, Flamengo, para disputarem o torneio.

A partida começou a mudar quando o treinador substituiu Philippe Coutinho pelo veterano Diego, de 37 anos, uma das surpresas na lista dos convocados e esquecido por Tite em 2018. “Ele terá a mesma importância de Roger Milla à República dos Camarões; de Dino Zoff à Itália e, especialmente, de Nilton Santos ao Brasil”, justificou o técnico no dia da convocação, referindo-se aos veteranos craques do passado que disputaram Copas do Mundo.

Diego entrou e mudou a história da Copa do Catar. Já no primeiro lance, encontrou Neymar livre, que cruzou para o toque sutil de Gabigol.

 

Diego Ribas, com a camisa da seleção brasileira. Foto: Pedro Martins/Mowa Press.

O empate era pouco para o veterano que, já nos acréscimos, fez um lançamento perfeito para Gabigol, que ganhou – na raça – a disputa com nos zagueiros argentino, e marcou um golaço de fora da área.

O jogo ainda não tinha acabado e o mais sensacional estava guardado para o último minuto, quando Messi foi derrubado na área por Daniel Alves, que também estava disputando a sua última copa. Após muitas reclamações dos brasileiros, o VAR confirmou o segundo pênalti marcado a favor dos argentinos.

Antes da cobrança, Messi é ovacionado pela torcida presente. Brasileiros e argentinos se reuniram para uma salva de palmas, pois aquele poderia ser o último lance do craque argentino em Copas do Mundo.

Messi chorou e todos os atletas em campo o abraçaram. A emoção tomou conta do estádio e, para surpresa, o Camisa 10 desistiu da cobrança.

Neymar e Messi durante o jogo do Brasil contra Argentina. Foto: Mowa Press.

Os jogadores se abraçaram e caminharam juntos aos vestiários. Não retornaram para a prorrogação e nem para as cobranças de pênaltis.

Sem saber o que fazer, o árbitro italiano encerrou a partida e declarou, após muita conversa com os dirigentes, as duas equipes campeãs.

Ao levantarem juntos o Troféu da FIFA, os jogadores de ambas as equipes, especialmente Lionel Messi, construíram uma nova história do esporte e da humanidade. Afinal, os jogadores saíram aplaudidos como se houvesse uma única nação do futebol.

Seja um dos 12 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Luciano Victor Barros Maluly

Graduado em Comunicaçao social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina (1995), Mestrado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (1998), Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (2002), Pós-doutorado na Universidade do Minho em Portugal (2011) e Livre Docente pela ECA-USP (2016). Atua como professor e pesquisador na Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em radiojornalismo e jornalismo esportivo. È autor do livro JORNALISMO ESPORTIVO - PRINCÍPIOS E TÉCNICAS (Editora do Autor, 2017)

Como citar

MALULY, Luciano Victor Barros. Brasil e Argentina vencem o mundial do Catar 2022. Ludopédio, São Paulo, v. 129, n. 28, 2020.
Leia também:
  • 129.38

    A “Primavera” do futebol feminino (1940-1941)(2ª e última parte)

    Denaldo Alchorne de Souza
  • 129.37

    Quando a bola precisou parar

    Museu do Futebol
  • 129.36

    #MeuRival: A alma tricolor e o amor inútil

    Alexandre Lyrio