154.28

Cultura, Identidade e Futebolização na Europa Ocidental: França, norte da Itália e Suíça

Rodrigo Koch 21 de abril de 2022

Dando sequência a parte final do período de pós-doutorado (Institut de Creativitat i Innovacions Educatives de la Universitat de València), no qual observo e analiso condições da Futebolização (KOCH 2020) em território europeu, apresentarei neste texto relatos e imagens de algumas cidades que descrevem e comprovam os constantes movimentos deste processo pós-moderno. Este artigo também faz parte da série Cultuta, Identidade e Futebol (KOCH 2022a, KOCH 2022b).

Destaco que neste estudo foram utilizados basicamente duas ferramentas metodológicas: observação e fotografias, conforme já explicado nos artigos anteriores desta série. Reforço que os relatos aqui descritos são a partir das vivências e experiências deste pesquisador em cada uma das cidades, ou seja, as percepções provocadas dependem muito dos contatos sociais que cada um têm e de períodos econômicos, sociais e, também climáticos nos quais as localidades são visitadas e estudadas. Todos estes aspectos contribuem e conduzem para os olhares sobre a identidade cultural na pós-modernidade vinculada ao futebol.

O sujeito, […], está se tornando fragmentado; composto não de uma única, mas de várias identidades, algumas vezes contraditórias ou não-resolvidas. […] Esse processo produz o sujeito pós-moderno, conceptualizado como não tendo uma identidade fixa, essencial ou permanente. A identidade torna-se uma “celebração móvel” […] (HALL 2006, pp.12-13)

Também vale lembrar ainda, que a Futebolização – fruto da globalização a partir do futebol espetacularizado e mercantilizado, principalmente a partir dos anos 1990 – está imersa em um campo fluído que apresenta variações de tempos em tempos (sem que haja uma norma para cada período temporal) e, por isso, se transforma e se transfigura em cada espaço que penetra e a cada instante, adquirindo também contornos locais e sendo considerada uma pedagogia cultural.

A próxima geração de torcedores de futebol desarraigados pode chegar a praticar formas de linguagem e de torcida sem referências locais, fomentadas pela cobertura espetacular dos times principais pela TV. (GIULIANOTTI 2010, p.126)

Apresento a seguir os relatos e imagens que comprovam tais condições em cidades da Europa Ocidental.

PSG
Loja do PSG na Champs Elysées. Foto: Rodrigo Koch

França: Lyon e Paris

Lyon é a terceira maior cidade francesa e, respira futebol, ou melhor respira Olympique Lyonnais, pois as manifestações são inúmeras pelas ruas, praças, estações de metrô e trem. É facilmente perceptível que o vínculo com o clube é bastante forte entre os cidadãos. Em menor grau, também são vistas pessoas circulando com camisetas do Paris Saint Germain FC e, poucos registros de outros clubes europeus, como Real Madrid CF e Juventus FC entre outros.

Paris
Espaços futebolizados em Paris: capas de telefones móveis no metrô, lojas de souvenirs, e paradas de ônibus. Foto: Rodrigo Koch

Paris, no que se refere ao futebol, devido a sua condição de maior cidade turística do mundo e por reunir imigrantes de variadas partes do planeta apresenta uma grande diversidade. No entanto, não há dúvidas em afirmar que o Paris Saint Germain FC – devido a transferência recente de Messi e de outras celebridades nesta temporada e em temporadas anteriores – se tornou nos últimos anos o clube da cidade. Acompanhei e registrei multidões na loja do PSG na Champs-Élysées se aglomerando para comprar produtos do clube e, logicamente, a camiseta de Lionel Messi. Há também inúmeros artefatos pirateados do PSG e seleção francesa sendo vendidos em Paris nas ruas, praças ou lojas de souvenirs. Também visualizei manifestações, de crianças e jovens em quadras esportivas de parques e praças, que além de trajarem vestimentas do PSG apresentavam percentuais significativos do Real Madrid CF, FC Barcelona, Juventus FC, Manchester United FC e, em menor medida de clubes italianos: AS Roma, FC Internazionale e SSC Napoli.

Milano
Marcas da futebolização no centro histórico de Milano. Fotos: Rodrigo Koch

Itália: Milano e região do Lago de Como

Milano, a capital mundial da moda, apresenta marcas da Futebolização no centro histórico, com lojas de souvenirs – próximas ao Duomo di Milano e da galeria Vittorio Emanuele – vendendo diversos artefatos dos clubes locais: AC Milan e FC Internazionale. Também há forte presença de produtos futebolizados da Juventus FC e da seleção italiana de futebol, tanto que a Páscoa de 2022 de crianças e jovens milaneses foi tematizada com ovos, bombons e barras de chocolate dos clubes locais e da seleção. Também é possível ver registros de camisetas dos – ainda – ídolos Messi (Paris Saint Germain FC) e Cristiano Ronaldo (que esteve até a temporada anterior vinculado à Juventus FC e, agora defende o Manchester United FC). No entanto, neste aspecto, podemos afirmar que estão sendo comercializadas camisetas dos ‘jogadores-celebridades’ e não dos clubes, pois o que está em evidência são justamente os craques e não as agremiações.

Milano
Referências à Messi e Cristiano Ronaldo em Milano. Foto: Rodrigo Koch

Na região do Lago de Como (Bellagio, Como, e Lezzeno) os artefatos futebolizados de AC Milan, FC Internazionale e Juventus FC se repetem, porém mesclados a objetos de outros clubes italianos como da AS Roma e do time local: C Como, que já participou da Série A italiana em anos anteriores e, agora, ocupa posição modesta na Série B. Devido à eliminação da seleção italiana da repescagem europeia para a Copa do Mundo FIFA Qatar 2022, as referências à equipe desapareceram das ruas e espaços públicos na Itália.

Como
Bandeira do Calcio Como e objetos da AS Roma e AC Milan em Como. Foto: Rodrigo Koch

Suíça: Bern e Luzern

Bern apresenta uma diversidade futebolística que traduz seu contexto sociocultural, ainda que possamos apontar a seleção da Suíça como a equipe da cidade. Há uma identificação maior com clubes italianos (FC Internazionale e Juventus FC), mas também são vistas crianças com camisetas de outras seleções circulando pelas ruas, bem como manifestações favoráveis – também de crianças – ao time local: BSC Young Boys. As produtividades da futebolização na capital suíça são poucas, mas presentes em algumas vitrines de joalherias e padarias, que comprovam – em certa medida – as marcas deste fenômeno pós-moderno.

Bern
Bern e sua relação com o Young Boys. Fotos: Rodrigo Koch

Luzern é uma cidade tipicamente turística, com pouquíssimos vínculos com o futebol – mesmo tendo um clube local: FC Luzern – e, portanto, as marcas da Futebolização são raras neste local e, por vezes somente registradas através de visitantes que vestem camisetas ou portam qualquer outro artefato futebolizado. O FC Luzern faz campanha ruim na temporada 2021/22, ocupando uma das últimas posições do Campeonato Suíço e, consequentemente não há qualquer registro do clube nos principais pontos do município.

Interlaken
A Futebolização em Interlaken. Fotos: Rodrigo Koch

Em cidades menores e turísticas, da região central e alpina da Suíça (Brienz, Interlaken, Iseltwald, Lauterbrunnen, Lungern, Meggen, Meiringen, Mürren, Sarnen, e Thun) e do Ticino (Morcote) também não há registros de fortes produtividades da Futebolização, pois tratam-se de lugares dedicados a outras práticas esportivas, como o trekking, o montanhismo e o alpinismo e, também esportes aquáticos nos lagos durante o verão. São cidades que abrigam pequenas populações, para as quais o futebol não ocupa a preferência esportiva.  Nestes municípios, a presença do futebol – com clubes locais semiprofissionais ou amadores, ou ainda, em bares tematizados que transmitem jogos das principais competições europeias – ocorre em menor medida e, passa a ser até ‘celebrada’ entre os habitantes aficionados.

Luzern
Bar tematizado em Luzern e estádio do FC Thun. Fotos: Rodrigo Koch

Referências

GIULIANOTTI, R. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria, 2010.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

KOCH, R. Futebolização: identidades torcedoras da juventude pós-moderna. Brasília, DF: Trampolim Editora/Ministério da Cidadania, 2020.

KOCH, R. Cultura, Identidade e Futebol na Europa contemporâneaLudopédio, São Paulo, v. 153, n. 10, 2022a.

KOCH, R. Cultura, Identidade e Futebolização na Península Ibérica: Lisboa e ValènciaLudopédio, São Paulo, v. 153, n. 25, 2022b.

Seja um dos 27 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Rodrigo Koch

Pós-Doutor (Sociologia) pelo Institut Universitari de Creativitat i Innovacions Educatives de la Universitat de València, Doutor em Educação (Culturas Juvenis) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Mestre em Educação (Estudos Culturais) pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), pós-graduado em Administração e Marketing Esportivo pela Universidade Gama Filho (UGF), e graduado em Educação Física pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). Vencedor (1º lugar na classificação geral) do Prêmio Brasil de Teses e Dissertações sobre Futebol e Direitos do Torcedor - Edição 2018-2019. Pesquisador Associado do Centro Latino Americano de Estudos em Cultura - CLAEC. Professor adjunto D da Uergs - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, lotado na unidade Hortênsias-São Francisco de Paula.

Como citar

KOCH, Rodrigo. Cultura, Identidade e Futebolização na Europa Ocidental: França, norte da Itália e Suíça. Ludopédio, São Paulo, v. 154, n. 28, 2022.
Leia também: