143.57

7 Estádios inesquecíveis: Dona Dilva – Parte 2

Marcos Alvito 29 de maio de 2021

Estádio da Dona Dilva – Macaé de Cima (distrito de Nova Friburgo) – agosto de 2015

A vendinha tradicional, com mesinha de bilhar de pano gasto na entrada, era o centro da vida social. Além de ser o único local com telefone fixo, já que celular algum pegava naquela bendita região. Todo fim de tarde eu ia lá com minha filha de nove anos para que ela recebesse o telefonema da mãe e renovasse o estoque de chocolates. Estávamos em um pequeno distrito de Friburgo chamado Macaé de Cima, que realmente honra o nome. A subida até lá é coisa para cabritos experimentados.
Reza a lenda que as famílias que primeiro habitaram estas lindas matas (hoje área de preservação ambiental) eram suíças e ficaram muito tempo isoladas, casando-se somente entre si. O fato é que a quantidade de nativos louros era desproporcional. Como quem não quer nada perguntei a um deles, que trabalhava na venda, se por ali se jogava o tal do futebol.

Ele pareceu ter tomado um choque elétrico e logo passou a explicar que sim, inclusive no dia seguinte haveria um jogo da Copa Rural de Friburgo e ele iria jogar de camisa 8. Não teve que me convidar duas vezes.

Depois descobri que essa competição reúne os distritos rurais de Friburgo e normalmente é disputada entre 8 a 10 equipes com ida e volta, no sistema de pontos corridos. A rivalidade, como sempre ocorre entre vizinhos, é ferrenha e, às vezes, descamba para a violência.

Mas não naquele dia. Só foi difícil chegar ao local de realização da partida. Eu estava com um Gol alugado. Embora o nome do carro fosse compatível com a empreitada, ele não estava preparado para uma subida íngreme em que havia mais pedra e buraco do que estrada.

Mas valeu a pena chegar no estádio de Dona Dilva, que lá estava no bar servindo seus espetinhos de frango, bolinhos e cerveja gelada que ninguém é de ferro. Muito simpática, a dona do campo sorriu satisfeita na foto feita por este repórter.

Estádio é como é chamado um gramado com dimensões modestas. Em uma lateral, uma encosta de morro serve de arquibancada. Em frente, na outra lateral, o nada, o abismo, o precipício onde se imagina que o mundo acabe. E montanhas muito distantes. A sensação que tive era de que o campo estava levitando, suspenso no ar. Depois percebi que era ilusão de ótica. Como os navegantes que achavam que alguma hora seu navio despencaria ao final do horizonte, eu temia que um jogador tomasse um carrinho, rolasse pela linha lateral e nunca mais fosse visto.

ESTÁDIO DA DONA DILVA
Estádio da Dona Dilva. Foto: Marcos Alvito.

A partida em si foi animada. O Macaé de Cima, como era esperado, envergava um uniforme verde. O visitante era o poderoso Vargem Alta, que fica num vale, muitos quilômetros abaixo, região de hortos produtores de flores. O time das flores, contraditoriamente, veio de uniforme preto e branco. Mas o futebol deles tinha mais colorido e venceram de três a um.

Não havia propriamente torcida naquele dia, acho que o helicóptero que traria os torcedores não apareceu. Todos os ali se conheciam e os poucos espectadores ao mesmo tempo exortavam e brincavam com os jogadores, embora dentro de campo ninguém estivesse para brincadeira. Os comentários iam além da parte técnica:

– Depois que ele casou nunca mais jogou bola…

Foi um dos estádios mais bonitos que conheci, cercado de verdes montanhas, cavalos displicentes, vaquinhas pastando curiosas, um silêncio florestal que permitia ouvir o som da chuteira batendo na bola, os jogadores de estimulando e desafiando e o agudíssimo apito do juiz porque aquilo não era pelada não senhor, era jogo de um campeonato de muito respeito.

Eu me senti próximo ao que é o futebol, uma guerra domesticada que os homens inventaram para se divertir.

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Marcos Alvito

Professor universitário alforriado. Escritor aprendiz. Observador de pássaros principiante. Apaixonado por literatura e futebol. Tenho livros sobre Grécia antiga, favela, cidadania, samba e até sobre futebol: A Rainha de chuteiras: um ano de futebol na Inglaterra. O meu café é sem açúcar, por favor.

Como citar

ALVITO, Marcos. 7 Estádios inesquecíveis: Dona Dilva – Parte 2. Ludopédio, São Paulo, v. 143, n. 57, 2021.
Leia também:
  • 143.62

    Ita Maia, entre marolas e tsunamis

    Caroline Soares de Almeida, Daniel Machado da Conceição
  • 143.61

    A voz colombiana

    Cláudia Samuel Kessler, Diana Patricia Bolaños Erazo
  • 143.60

    Jogar com os pés, com as mãos: futebol

    Alexandre Fernandez Vaz