132.22

Johnson Macaba: o futebol como ponte entre a guerra e o sonho

Marcus Carvalho 9 de junho de 2020

Imagine que você tem 8 anos e a guerra civil assola o seu país. A vida fica mais difícil, os dias tornam-se mais complexos que as “peladas” nas ruas de terra batida que você joga com seus amigos, e a conclusão é de que o seu lugar, que é a sua própria terra natal, não é mais segura. Johnson Monteiro Pinto Macaba, Viveu essa experiência na própria pele.

Nova casa, o bullying e a ponte para o sonho

Angola vivia tempos difíceis e a guerra civil, que começou em 1975 e durou até 2002, trouxe o jovem Johnson e sua família para o Brasil em janeiro de 1987. A família estabeleceu-se em São Bernardo, no ABC Paulista, onde viveu a maior parte da sua infância. Além da saudade, Johnson conviveu com o bullying pelo fato de ser gago.

Todo o cenário de horror e as dificuldades, não tiraram do jovem o sonho de voltar ao seu país natal e ser um jogador dos Palancas Negras.

O futebol foi a ponte para que Johnson Macaba voltasse à sua terra novamente e se tornasse um exemplo para muitos jovens no Brasil e em Angola.

O início e o sonho

Johnson passou por 13 clubes brasileiros além da Portuguesa. A história do atacante no futebol brasileiro começou no Esporte Clube São Bernardo, em 1998, quando se profissionalizou.

Ali ele dava o primeiro passo para realizar o sonho de voltar ao seu país e representar a seleção angolana. Porém, antes de realizar o seu sonho, Johnson tornou-se personagem de uma das histórias mais inusitadas do futebol brasileiro.

Atacante (infelizmente) “matador”

Em 2000, o atacante angolano era jogador do Londrina. O “Tubarão” vivia uma fase muito ruim no Campeonato Brasileiro, ao qual não pontuava há 4 partidas. É nesse cenário que Johnson Macaba recebeu uma oportunidade e marcou o gol que encerrou aquele jejum do clube paranaense.

O inusitado da história é que, na arquibancada, um diretor do clube acompanhava a partida e no momento do gol do nosso personagem o mesmo teve um mal súbito e faleceu.

Esse gol tornou Johnson conhecido e o colocou no radar de outros clubes do Brasil e ainda mais próximo do seu objetivo.

O passaporte na camisa

Em 2001, Macaba chega ao União Barbarense para a disputa do Campeonato Paulista.

A transferência para São Paulo era estratégica, pois o que acontecia ali era transmitido para o mundo inteiro.

Naquele Paulistão de 2001, o Palmeiras passou impiedosamente pelo time de Johnson. 5 a 1, fácil e inapelável. Esse “1” no placar, o gol do União Barbarense, parece sem valor, inútil até. Mas esse foi o gol que carimbou a chegada de Johnson Macaba à seleção angolana.

O atacante marcou o gol de honra de seu time e, na comemoração, ele foi para a câmera, levantou a camisa do clube, e mostrou a camisa que tinha por baixo, onde estava uma bandeira da Angola.

Johnson Macaba comemora gol sobre o Palmeiras. Foto: Reprodução/Facebook.

A imagem da comemoração correu o mundo e não demorou muito para que o atacante fosse chamado para representar os Palancas Negras nas Eliminatórias para o Campeonato Africano das Nações e a Copa do Mundo.

A história de Johnson Macaba na seleção inclui a disputa dos CANs de 2006 e 2010. Ele esteve na pré-lista do grupo que jogou a única Copa do Mundo disputada por Angola, em 2006, na Alemanha, mas foi cortado pelo técnico Oliveira Gonçalves.

Portuguesa, Girabola

Johnson peregrinou por todo o Brasil, mas talvez o seu momento mais marcante foi na Portuguesa. Lá ele formou um ataque que contava com Leandro Amaral e Celsinho. Aquela Lusa quase subiu para primeira divisão na série B de 2005 do Campeonato Brasileiro.

Johnson Macaba quando vestiu a camisa da Portuguesa de Desportos. Foto: Reprodução/Twitter.

Em 2009, um momento especial. Johnson teve a oportunidade de jogar o Girabola. Ele teve uma curta passagem pelo Recreativo do Libolo que seria vice-campeão angolano naquele ano. A sua estreia foi com gol. Definindo uma partida contra o Santos FC aos 82 minutos da peleja.

Fim de carreira, negócios e palestras

Depois disso, Johnson continuou sua peregrinação pelo Brasil e o mundo. Antes de encerrar sua carreira, ele jogou no futebol chinês entre 2011 e 2012. Lugar onde já havia sido artilheiro em 2008.

Johnson encerrou sua carreira aos 34 anos no Atlético Sorocaba e hoje em dia tem negócios em Angola e faz palestras para jovens no Brasil. Ele mostra que sonhos são possíveis até mesmo para refugiados de uma guerra civil.

Johnson Macaba em palestra para o Clube Atlético Aramaçan, 27 set. 2018. Foto: Reprodução/Facebook.

Do menino que tinha na cabeça a história do Santos de Pelé que parou uma guerra no Congo, até o adulto jogador da seleção de Angola, Johnson percorreu um caminho longo, um caminho de paixão e ousadia, que lhe rendeu um legado.

Seja um dos 27 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Marcus Carvalho

Rouco de tanto ouvir, leitor de entrelinhas, acumulador de curiosidades e contador de histórias. Um Ponta de Lança, Apaixanado por Ousar.

Como citar

CARVALHO, Marcus. Johnson Macaba: o futebol como ponte entre a guerra e o sonho. Ludopédio, São Paulo, v. 132, n. 22, 2020.
Leia também:
  • 132.74

    Transexuais e a garantia de direitos através dos regulamentos esportivos

    Regis Fernando Freitas da Silva
  • 132.73

    18 anos sem Roberto Drummond, o “elemento comunista” das crônicas esportivas

    Mariana Brescia
  • 132.72

    Deuses do Futebol – sincretismo São Cosme e Damião, Bebeto e Romário

    Guilherme Trucco