150.23

O West Brom e a esquecível camisa anti-cigarros

Gabriel de Oliveira Costa 16 de dezembro de 2021

Durante boa parte do século XX, o consumo de cigarros foi propagado ao estilo glamoroso de vida. Milhares de dólares, euros, reais e outras moedas, investiram em campanhas de tabaco, explodindo o consumo a nível global que passou a influenciar também no futebol. Na década de 70, o Áustria Viena, por exemplo, adotou o patrocinador máster – Memphis (marca de cigarro). Descontente com isso, o West Brom optou anos mais tarde em combater esse vício de forma inusitada – utilizando seu uniforme.

Não era uma época fácil para os clubes de West Midlands. O Wolverhampton estava rebaixado para a quarta divisão, o Coventry City brigava contra o rebaixamento na elite, assim como o Aston Villa e o próprio West Brom – que foi rebaixado. Por fora, ainda tinha o Birmingham City que estava na segunda divisão.

West Brom
Kit 1985-86 do West Brom anti-tabaco. Foto: reprodução Birmingham Live

Apelidada de “No smoking”, durante 1984 até 1986, o clube estampou um logotipo que proibia o consumo de cigarros nas dependências do The Hawthorns – seu estádio. Sendo assim, os torcedores por determinado período foram reeducados em não fumar na arquibancada, ainda que em campo, o clube só fracassasse.

Considerada uma das camisas mais inusitadas do futebol, ela não se popularizou visto que, o West Brom foi rebaixado na temporada. E assim, após três anos a campanha foi retirada, ainda que no futebol, outros clubes estivessem abraçando mais empresas de tabaco.

Seja um dos 27 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Gabriel de Oliveira Costa

Jornalista carioca, tenho 22 anos. Apaixonado por futebol, fator principal pelo qual sou motivado para trabalhar com  a comunicação social, desde março realizo trabalhos direcionados ao conteúdo esportivo. Há dois anos trabalho com pautas de economia e política.

Como citar

COSTA, Gabriel de Oliveira. O West Brom e a esquecível camisa anti-cigarros. Ludopédio, São Paulo, v. 150, n. 23, 2021.
Leia também:
  • 150.41

    Encarnar e “encarnar”: O torcer e a espiritualidade

    Felipe Damasceno
  • 150.40

    A nova diretriz do COI para inclusão e elegibilidade de atletas transgêneros. Nada diferente do previsto, mas quais as suas problemáticas? 

    Igor Gabriel Krüger Poteriko
  • 150.39

    O ano que não terminou

    Marcos Teixeira