151.12

Retrospectiva futebol argentino 2021

Fabio Perina 13 de janeiro de 2022

17 JAN: Boca campeão da Copa da Liga 2020 (mais conhecida como “Copa Maradona”) ao vencer nos pênaltis o Banfield (final única em San Juan). O primeiro torneio no retorno das partidas (no final de outubro de 2020) após a paralisação da pandemia e evidente sem torcida.

23 JAN e 14 ABR: o modesto Defensa y Justicia consolida as recentes boas campanhas nacionais com duas taças internacionais (as únicas de um clube argentino no ano). Vencendo o Lanús na Copa Sulamericana (final única em Córdoba) e o Palmeiras na Recopa Sulamericana (final ida e volta e com “remontada” épica em Brasília).

5 MAR: River campeão da Supercopa Argentina 2019 (adiada pela pandemia com final única em Santiago del Estero) vencendo o Racing por 5 a 0.

4 JUN: Histórico primeiro título argentino do Colón de Santa Fé da Copa da Liga 2021 (final única em San Juan) vencendo o Racing por 3 a 0. Episódio tratado em crônica anterior.

Colón
Foto: Reprodução Twitter / ColónOficial

10 JUL: Histórico título da seleção argentina em pleno Maracanã contra o Brasil e encerrando um jejum de 28 anos sem títulos. Episódio tratado em crônica anterior.

5 SET: Vexame histórico de uma partida Brasil x Argentina em Itaquera suspenso com apenas 4 minutos de bola rolando. Episódio tratado em crônica anterior.  Fechando a trilogia dos “superclássicos” de seleções, o último encontro foi um eletrizante empate (em San Juan), em 16 NOV, pelas Eliminatórias com as duas equipes já classificadas à Copa do Mundo do Catar. O balanço do ano para a seleção foi o reencontro da paz com a torcida e o entusiasmo com o bom desempenho e bom resultado da “Scaloneta”(a equipe do treinador Lionel Scaloni) mantendo uma sequência invicta de mais de dois anos.

(Obs: no início de outubro, assim como no Brasil, que houve o retorno dos torcedores aos estádios)

Brasil Argentina
Neymar, Messi, Tite e outros membros da comissão técnica discutem sobre o jogo interrompido. Foto: Lucas Figueiredo/CBF.

30 OUT e 25 NOV: O primeiro aniversário de Diego Maradona não mais entre nós e logo depois o primeiro aniversário de sua morte. O que evidentemente houve grande reconhecimento de todos os sujeitos envolvidos em cada rodada do torneio local (inclusive durante as partidas): dirigentes, jogadores, jornalistas e, claro, torcedores.

25 NOV: River campeão da Superliga Argentina 2021 (no Monumental) por antecipação vencendo o Racing por 4 a 0. Destaque para ser esse o último título que faltava na longa trajetória de 7 anos do treinador Marcelo “Muñeco” Gallardo no clube; e logo em seguida mais entusiasmo com sua renovação.

5 DEZ: histórico clássico de La Plata Gimnasia 4-4 Estudiantes pelas últimas rodadas da Superliga. Fora os vários títulos da dupla River-Boca, o restante do protagonismo foi dividido com clubes médios e pequenos como Defensa y Justicia, Colón e Talleres. O que representou um ano de coadjuvantes para os outros clubes grandes e médios bem conhecidos. Menção a essa ter sido uma temporada ruim para o Racing (goleado em duas finais) e pior ainda aos outros grandes Independiente e San Lorenzo: más colocações na Superliga e eliminações precoces na Copa Argentina e na Copa Sulamericana (assim como a dupla de Rosário: Central-Newells).

9 DEZ Boca campeão Copa Argentina 2021 vencendo o Talleres nos pênaltis (final única em Santiago del Estero). Vale um registro que nesse torneio felizmente ainda é permitido duas torcidas no estádio, ao contrário do dia-a-dia da maioria das partidas da Superliga. Um título que consagrou um ano de contrastes para o clube com muitas polêmicas fora de campo, porém várias conquistas dentro de campo (dias depois venceu o torneio amistoso Copa Maradona na Arábia Saudita contra o Barcelona també nos pênaltis). Vide também o destaque pessoal ao jovem treinador Sebastián Battaglia (ex-volante dos anos 2000) quem passou a ser o maior vencedor de títulos com o clube.

19 DEZ River campeão da Recopa Argentina 2021 vencendo o Colón por 4 a 0 (final única em Santiago del Estero). Torneio importante por se somar à imensa galeria pessoal dos maiores vencedores no clube: Gallardo como treinador e Ponzio como jogador.

[extra] 22 NOV e 21 DEZ: definições da “agônica” B Nacional (ou popular “Ascenso”) com os triunfos do tradicional Tigre (ou “Matador”) e sobretudo a histórica volta do Barracas (ou “Guapo”) a “Primera” após quase 90 anos! Os resultados exigem apresentar um cenário curioso pela qual desde o início da pandemia (no início de 2020) a AFA decretou a situação excepcional que não haveriam descensos e com isso o número de clubes que ascendem à Superliga fica ainda maior a cada ano: de 2021 a 2022 passará de 26 a 28 clubes. Assim como irregular também o formato de disputa, com 2022 estando agendado o retorno de Copa da Liga (primeiro em grupos depois mata-mata) no lugar de pontos corridos da Superliga. O que reflete intensas disputas nos bastidores entre AFA e Superliga. Diante de uma Superliga de pouca emoção na disputa de títulos e vagas (ainda mais com a condição de proibição de torcedores visitantes), as definições da B Nacional tiveram um ingrediente a mais de finais únicas em campo neutro (nos estádios de Banfield e Racing respectivamente) com duas torcidas. E mais histórico ainda para o caso do Barracas, além claro da longa ausência na “Primera”, é que sua realidade expressa os contrastes de um clube pequeno em um país subdesenvolvido: por um lado, recentemente um mês antes do acesso foi tomado pela comoção da morte de seu jovem jogador Lucas González por policiais (conforme nas imagens abaixo); por outro lado, os frequentes erros de arbitragem que o favoreceram levam à acusação de interferência pelo seu presidente ser o atual presidente da AFA: Cláudio “Chiqui” Tapia.

Justicia por Lucas
Foto: reprodução Twitter
justicia por Lucas
Foto: reprodução

Seja um dos 27 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Fabio Perina

Palmeirense. Graduado em Ciências Sociais e Educação Física. Ambas pela Unicamp. Nunca admiti ouvir que o futebol "é apenas um jogo sem importância". Sou contra pontos corridos, torcida única e árbitro de vídeo.

Como citar

PERINA, Fabio. Retrospectiva futebol argentino 2021. Ludopédio, São Paulo, v. 151, n. 12, 2022.
Leia também:
  • 151.30

    Torcidas organizadas, para além da criminalização e da infantilização

    Francisco Galvão do Amaral Pinto Barciela
  • 151.29

    Infância, esporte e masculinidade

    Wagner Xavier de Camargo
  • 151.28

    Robinho, a cultura do estupro, Pelé

    Alexandre Fernandez Vaz