A mídia esportiva e o futebol de mulheres no Brasil

Biblioteca

Seja um dos 20 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Dissertação

A mídia esportiva e o futebol de mulheres no Brasil

O que noticiam sobre elas?
Ano

2016

Faculdade/Universidade

Faculdade Educação Física, Universidade Federal de Juiz de Fora

Tema

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em Educação Física

Cidade

Juiz de Fora

Páginas

164

Arquivos

Resumo

Esta dissertação busca compreender como são veiculadas as notícias das mulheres futebolistas no ciberespaço, mais especificamente, no webjornalismo (Globoesporte.com). Visa também descrever as maneiras pelas quais o público leitor interpreta os discursos midiáticos e interage entre si e com as reportagens sobre as mulheres no futebol. Partimos de uma perspectiva teórica metodológica pós-estruturalista, presumimos que os discursos midiáticos são construídos de maneira atender interesses generificados na veiculação das notícias de homens e mulheres no futebol. Para atender a esses objetivos utilizamos a etnografia virtual. O período de coleta dos dados ficou compreendido entre Abril e Junho de 2015, na medida em que abarcou importantes campeonatos de mulheres com visibilidade nacional e internacional, como o Campeonato Paulista, os Jogos Pan-Americanos e a Copa do Mundo FIFA. As reportagens publicadas no site Globoesporte.com sobre as mulheres no futebol e selecionadas pelo estudo foram trinta e quatro e os comentários totalizaram seiscentos e doze. O material empírico foi analisado a partir de três temáticas, a saber: Feminilidades em jogo: imagens e discursos (midiáticos) no futebol de mulheres; Impedimentos de gênero: quando será a vez delas? e “Desenvolvimento do futebol feminino”: agendas para as mulheres. Essas temáticas foram atravessadas pela Interpelação. De maneira geral, verificamos que os discursos midiáticos e a maioria dos comentários são performativos, ou seja, são construídos e constituídos socialmente através de atos reiterados na cultura. Essa repetição estabelece normas cristalizadas sobre corpo, sexualidade, feminilidade e identidade de gênero para as jogadoras de futebol presentes nas reportagens, valorizando a beleza física das atletas quando essas atendem determinados traços corporais. Também reforçam a hierarquia de gênero, através da valorização de títulos conquistados por técnicos homens, e opiniões de “especialistas” que mantém o status quo no qual as mulheres ocupam lugares inferiores aos homens, tanto no que concerne às habilidades para o jogo quanto para a ocupação de cargos de gestão esportiva. Apesar de destacar em seu discurso as agendas e projetos a curto prazo que visam o desenvolvimento do futebol de mulheres no Brasil, percebemos que o próprio globoesporte.com traz as notícias delineadas de pré julgamentos e preconceitos e que muitas vezes não fazem jus às conquistas das atletas, invisibilizando e enviesando informações acerca do futebol praticado por mulheres. Também em alguns momentos o Globoesporte.com “erra o alvo”, deixando de corresponder às expectativas dos/as leitores/as, que cobram por mais informações acerca do futebol de mulheres. Concluímos que a desconstrução acerca das mulheres no futebol deve ser feita através das mídias paralelas, bem como através das redes sociais, que se constituem na atualidade importantes ferramentas de disseminação de informações e através das quais, usuários e usuárias possuem mais liberdade de comunicação e expressão. Além disso, pesquisadoras e pesquisadores devem se mobilizar para além do ambiente acadêmico, buscando debater suas pesquisas com a sociedade, sensibilizando um maior número de pessoas à sua volta.

Palavras-chave: Futebol de mulheres. Feminilidade. Gênero. Mídia esportiva.

Abstract

This dissertation seeks to understand how news about women soccer players are transmitted in cyberspace, specifically, on web journalism (Website: Globoesporte.com). It also aims to describe how readership comprises the media discourse, interacting with one another and with reports about women in football. From a theoretical-methodological post-structuralist approach, we assumed that media speeches are built in such a way to fulfill gendered interests when news about men and women in football are broadcasted. In order to meet those purposes, we used virtual ethnography. The data collection period was between April/2015 and June/2015, in that some important national and international women championships took place, such as the tournament from the State of São Paulo, Pan American Games and FIFA’s World Cup. Within the reports published on the website Globoesporte.com about women in soccer, we had selected thirty-four for the paper and the comments totaled six hundred and twelve. The empirical material was then analyzed as of three topics, namely: “Femininities in game: images and speeches (of media) on women’s football”; “Gender impediments: when will be their turn?” and “Development of female football: schedule for women”. Those themes have been crossed by interpellation. In general, we could verify that media discourse and most of the analyzed comments are performative, that is, they are socially built and constituted through reaffirmed acts in culture. This reoccurrence sets sound standards about body, sexuality, femininity and gender identity for the women soccer players appearing in the reports, and yet, values the athletes’ physical beauty when those fit into given body traits. That repetition also reinforces the gender hierarchy, through the value of awards won by male coaches, and opinions of “experts” that keep the status quo in which women occupy lower places than men, both as regards women soccer game’s skills as occupation of sports management. Despite highlighting on its speech the schedules and projects short term that aim to develop soccer for women in Brazil, we could realize the Globoesporte.com itself reflects the news outlined by prejudgments and prejudice and often not doing justice to the athletes’ accomplishments, making invisible and biased information about soccer played by women. Also, we noticed, at time, Globoesporte.com “misses the mark”, not corresponding to the readers’ expectations, who claim for more information on female soccer. We concluded that the deconstruction near women in soccer should be made through parallel medias, as well as the social networks, which are in the present an important tool to disseminate information and through female and male users have more freedom of communication and expression. Furthermore, female and male researchers should mobilize themselves for beyond the academic environment, seeking to debate their researches with society, raising awareness in more people around them.

Key-words: Female soccer. Femininity. Gender. Sports media.

Sumário

1 O PONTAPÉ INICIAL, 14

2 REVENDO A LITERATURA, 20
2.1 Notas sobre o gênero e as práticas corporais e esportivas, 20
2.2 Brasil, país do futebol… Pra quem?, 25
2.3 Uma experiência fundadora da mídia esportiva: o Jornal dos Sports, as mulheres e suas (belas) performances, 35

3 CONSTRUINDO OS PROCEDIMENTOS DA PESQUISA, 42
3.1 O site da pesquisa: um pouco do Globoesporte.com, 44
3.1.1 Mídia, História e Poder: Como se constitui o Grupo Globo na sociedade brasileira?, 48
3.2 A coleta de dados, 52
3.3 Critérios de inclusão, 54
3.4 O tratamento dos dados, 55

4 WEBJORNALISMO ESPORTIVO: UM JOGO DE DISCURSOS E IMAGENS, 59
4.1 Algumas considerações sobre a Interpelação, 59
4.2 Feminilidades em jogo: imagens e discursos (midiáticos) no futebol de mulheres, 63
4.3 Impedimentos de gênero: quando será a vez delas?, 81
4.4 “Desenvolvimento do futebol feminino”: agendas para as mulheres, 91

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS, 105

REFERÊNCIAS, 108
ANEXO I – “Futebol feminino uma hora dessas?” (R1 – 09/04/2015), 114
ANEXO II – “Criação de ‘Seleção Permanente’ divide opiniões no futebol feminino” (R2 – 09/04/2015), 116
ANEXO III – “Futebol feminino: Marco Aurélio quer opiniões de Bernardinho e Zé Roberto” (R5 – 15/05/2015), 119
ANEXO IV – “Coleção de musas: álbum do Mundial feminino começa a ser vendido” (R6 – 20/05/2015), 127
ANEXO V – “FIFA impulsiona força-tarefa em prol do futebol feminino no Brasil” (R7 – 20/05/2015), 130
ANEXO VI – “Questão cultural: Ana Paula defende apelo estético no futebol feminino” (R9 – 21/05/2015), 133
ANEXO VII – “‘Musa da TV’, Tamires comenta encarada no túnel e saudade do filho” (R17 12/06/2015), 135
ANEXO VIII – “Quinze gols em Copas, cinco vezes melhor do mundo: prazer, Marta” (R18 12/06/2015), 139
ANEXO IX – A vez delas? Mulheres são cotadas para Fifa, e personalidades opinam (R19 – 15/06/2015), 143
ANEXO X – “Futebol feminino, terra de técnicos? Homens dominam cargos no Mundial” (R21 – 17/06/2015), 147
ANEXO XI – “Marta defende projeto, alerta críticos e diz: “Na hora de ajudar ninguém ajuda”” (R25 – 22/06/2015, 150
ANEXO XII – ““O futebol feminino é esquecido no Brasil.” Atletas do fla querem mais” (R32 – 17/07/2015), 153
APÊNDICE A – Títulos das reportagens analisadas., 163

Referência

RIHAN, Tayane Mockdece. A mídia esportiva e o futebol de mulheres no Brasil: O que noticiam sobre elas?. 2016. 164 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Faculdade Educação Física, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016.
Cadastre-se para receber novidades