Biblioteca

Seja um dos 16 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Dissertação

A pobreza urbana em Parnaíba, Piauí (1890-1920)

Ano

2018

Faculdade/Universidade

Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Ceará

Tema

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em História

Páginas

259

Arquivos

Resumo

A presente dissertação estuda as “artes da resistência” dos pobres na cidade de Parnaíba, Piauí, entre os anos de 1890 a 1920. No primeiro capítulo, abordamos dimensões da história de Parnaíba, quando se percebe a busca por um padrão de cidade inspirado no modelo urbano europeu, traduzido nas obras de “infraestrutura do progresso”, situando aí tensões entre os dominantes e os subalternos. O segundo capítulo discute o cotidiano e a moradia dos pobres na busca da sobrevivência nos arrabaldes insalubres da cidade, um “labirinto de palhoças e casebres”, por vezes alcançado pelas cheias do rio Igaraçu. O terceiro capítulo situa socialmente a doença e os modos de isolamento, demonstrando que determinadas enfermidades acometiam uma parcela específica da sociedade parnaibana: os trabalhadores pobres. Para tal, consideramos essencial compreender o discurso higienista, consoante às teorias vigentes no período. O quarto capítulo estuda as práticas de instrução aos pobres em Parnaíba, em torno do combate ao analfabetismo e ao desejo de corrigir posturas destoantes ao ideário do progresso e da modernidade. São escolas públicas ou particulares, onde o professor se esforça para ensinar, geralmente em algum precário cômodo de sua própria casa. São escolas católicas, onde se predica o temor a Deus. São as escolas noturnas das Associações mutualistas, onde ensinam ofícios vários e os princípios da moral operária. É na Escola de Aprendizes Marinheiros, onde a promessa de vida melhor se desfaz ante sua precariedade e a rígida disciplina militar. No quinto capítulo são analisadas as festas populares, cívicas e religiosas, o carnaval e o futebol em Parnaíba, momentos em que os trabalhadores pobres festejam nas novenas, nos batuques, ou quando o time do bairro vence o “jogo de bola”, despertando quase sempre o olhar vigilante e moralizador das diversas instâncias de poder e controle.

Abstract

This dissertation analyzes the “arts of resistance” of the poor people in Parnaiba city, Piauí, between 1890 and 1920. In the first chapter we broach dimensions of Parnaiba’s history, in which we can observe the search for a city pattern inspired by the European urban model, translated in the works of “infrastructure of progress”, placing tensions between the dominant and subaltern ones. In the second chapter we discuss the daily life and housing of the poor people in their quest for survival in insanitary suburbs, a “labyrinth of huts and hovels”, sometimes reached by the Igaraçu River floods. The third chapter socially situates the disease and methods of isolation, demonstrating that certain diseases affected a specific part of the Parnaiban society: the working poor. For this, we consider essential to understand the hygienist discourse, according to theories from that period. The fourth chapter observes instruction practices for poor people in Parnaiba and the struggle against illiteracy and the desire to correct positions that are unfavorable to the idea of progress and modernity. These are public or private schools where teachers strive to teach, usually in some precarious room of their own house. They are Catholic schools where fear of God is preached. They are night schools of the Mutualistic Associations, where they teach many trades and principles of the worker’s morals. It is in the School of Marine Apprentices where the promise of a better life is dissolved by its precariousness and rigid military discipline. In the fifth chapter we analyze the popular, civic and religious festivities, carnival and football in Parnaiba, those moments when the poor workers celebrate in novenas, drumming, or when the neighborhood team wins the “ball game”, almost always awakening the watchful and moralizing look of the many instances of power and control.

Sumário

1. INTRODUÇÃO, 17

2. PARNAHYBA DOS POBRES: uma cidade vivida, 29
2.1. O estabelecimento de um rústico povoado, 29
2.2. Sertanejos transformados em maniçobeiros, 35
2.3. (Des)caminhos da república: o domínio privado da politica, 45
2.4. “a luta aqui era pelo progresso”, 55
2.5. “para amparar os direitos da classe”: O apoio mútuo e as lutas sobre o tempo de trabalho, 58
2.6. O embelezamento da cidade e as marcas da segregação dos pobres, 63

3. A PRECARIEDADE DO VIVER E DO MORAR, 69
3.1. As engrenagens da “infraestrutura do progresso” e os retirantes das secas, 70
3.2. Mendigos, vadios e ociosos: entre a esmola e a repressão, 85
3.3. “uma enorme cinta de palhoças e casebres”: constituindo uma “zona de refúgio”, 90
3.4. O cotidiano dos pobres e o rio Igaraçu, 95
3.5. morar nos arrabaldes: um desafio à norma e ao controle, 99
3.6. Nas vilas operárias uma história de conflitos e embates, 104
3.7. A rua e a casa: o discurso higienista e o estigma, 105

4. “É PERIGOSO PARA O PALÁCIO DEIXAR QUE A PESTE INVADA AS TAPERAS” , 119
4.1. Os variolosos nos “bairros de má fama” e a desconfiança do povo nas
medidas “de severa precaução”, 123
4.2. O Lazareto: remover, isolar e confinar “os variolosos indigentes”, 127
4.3. A malária e a terapêutica das “receitas milagrosas”, 137
4.4. A Santa Casa de Misericórdia, o imposto da caridade e o cemitério da
igualdade: distinção de classe na doença e na morte, 142
4.5. O alcoolismo “entumescendo as veias e exaltando os sentidos”: prescrição e vigilância, 148
4.6. A cadeia pública: “punir e corrigir o pobre, defender a boa sociedade e
isolar o malfeitor”, 154

5. MORALIZAR E MODELAR PELA INSTRUÇÃO: na escola, a forja do bom trabalhador, 164
5.1. As iniciativas privadas e públicas de ensino, 165
5.2. Um retrato da instrução para as “creanças maltrapilhas, descalças e sem livros”, 170
5.3. A Escola de Aprendizes Marinheiros: adestramento e disciplina aos meninos pobres, 177
5.4. “instruem as criancinhas nas letras e as ensinam a orar”, 182
5.5. Artes e ofícios, ler, escrever e contar: a união dos artistas e as escolas noturnas, 187

6. FESTEJOS CÍVICOS, FESTEJOS POPULARES, CARNAVAL E FUTEBOL, 192
6.1. Na Dança de São Gonçalo, as orações e promessas às almas do purgatório, 193
6.2. As festas religiosas: a Sexta-feira da Paixão e “o jejum à custa alheia”, o Natal e a ceia dos pobres, 196
6.3. As festividades do calendário cívico: os ritos e as comemorações, 200
6.4. A festa do progresso na inauguração da locomotiva e o sarau popular, a
“esquisitice das danças” e as brincadeiras com o “demônio de ferro”, 203
6.5. O carnaval na fantasia de salão das “formosas senhoritas” e nas
brincadeiras de rua do povo, 211
6.6. “Na Parnahyba, futebol é alguma couza a mais”, 215

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS, 227

Referência

SILVA, Alexandre Wellington dos Santos. A pobreza urbana em Parnaíba, Piauí (1890-1920). 2018. 259 f. Dissertação (Mestrado em História) - Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.
Ludopédio

Acompanhe nossa tabela do Campeonato Brasileiro - Série A