Biblioteca

Seja um dos 13 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Tese

Comunidade Visível

Narradores de imagens e memórias do Poço da Draga
Ano

2021

Faculdade/Universidade

Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará

Tema

Tese

Área de concentração

Doutorado em Sociologia

Páginas

325

Arquivos

Resumo

Estes escritos buscam compreender como a partilha de acervos pessoais de imagens potencializam a produção de constelações de memórias, promovem narrativas de si e sentimentos de pertença. Partindo da vizinhança do Poço da Draga em Fortaleza, caso exemplar de resistência a tentativas recorrentes de remoção, essa tese mapeia algumas de suas contumazes práticas de imagens efetuadas por seus moradores através de velhos álbuns de família, documentários, visitas guiadas e partilhas de conteúdos por dispositivos móveis. Chamamos comunidade visível, por um lado, apenas aquilo que seus narradores e suas maneiras de praticar fotografias nos deixam ver, mas é também, por outro, toda essa multiplicidade que faz ver e se dá a ver. Tomando o fazer antropológico como filosofia com gente dentro (INGOLD, 1992), desenvolvemos oficinas de fotografia e vídeo no Poço, de maneira a pensar coletivamente as práticas desses que chamamos “memorialistas de esquina”. Diante das incessantes ameaças de remoção da comunidade e de esgarçamento dos fios que tecem suas histórias, identificamos através de um compartilhado exercício etnográfico, o empenho desses narradores em seus “trabalhos da memória” (BOSI, 1994), sobretudo dos ex- jogadores do Brasileirinho, time de futebol local. A tese também mostra as práticas de imagem desses narradores em oposição à necropolítica (MBEMBE, 2018) operada contra as populações negras no Brasil e os considerados indesejáveis.

Palavras-chave: Antropologia. Memória. Imagem. Fotografia. Negritude.

Abstract

This text seeks to understand how the sharing of personal collections of images enhances the production of constellations of memories, promotes self-narratives and feelings of belonging. Departing from Poço da Draga neighborhood in Fortaleza, an exemplary case of resistance to recurrent attempts at removal, this thesis maps some of its persistent “image practices” carried out by its residents through old family albums, documentaries, guided tours and content sharing via mobile devices. We call “visible community”, on the one hand, only what its narrators and their ways of practicing photographs let us see, but it is also, on the other hand, all this multiplicity that makes us see and makes itself seen. Taking anthropological work as a philosophy with people inside (Ingold, 1992), we developed photography and video workshops in Poço with its residents and “corner memorialists”. We identified, through a shared ethnographic exercise, the commitment of these narrators in their “memory works” (Bosi, 1994), as a confrontation with the incessant threats of removal from their community and the fraying of the threads that weave their stories. The thesis also shows these narrators’ “image practices” in opposition to the necropolitics (Mbembe, 2018) operated against Black diasporic populations in Brazil and those considered undesirable.

Keywords: Anthropology. Memory. Image. Photography. Blackness

Sumário

1 INTRODUÇÃO, 14
1.1 Introdução à Comunidade Visível, 16
1.2 Práticas de Imagem, Memorialismos do Poço, 23
1.3 O futebol e a persistência das imagens conectadas, 28
1.4 As fotos nos filmes e o encontro de gerações, 32
1.5 Corpos negros, lembranças pardas, 36

2 VARIÁVEIS DE UMA ANTROPOLOGIA COMPARTILHADA ENTRE CORPOS, DISPOSITIVOS E IMAGENS, 44
2.1 Um Havaizinho entre duas pontes, 49
2.2 Estratégias: como ver juntos as imagens?, 58
2.3 Oficina I – Olho do Poço, 60
2.4 Oficina II – Fotobiografias, 67
2.5 Quatro filmes, 74
2.5.1 Em_poçados, 75
2.5.2 Ao Mundo, 78
2.5.3 Reza, 80
2.5.4 Com Tubarão e Estilo, 81
2.6 Atlas e constelações, 86

3 SAUDOSISMO FUTEBOL CLUBE: UM JOGO ENTRE FOTOS E  CALÇADAS, 94
3.1 Memorialistas de esquina, suas narrativas e suas fotografias, 94
3.1.1 Expresso Sérgio Rocha, 96
3.1.2 Os álbuns de Ivoneide, 108
3.2 Resenha do Brasileirinho, 124
3.2.1 Álvaro, Alvinho, a família e o futebol, 124
3.2.2 Uma barca no WhatsApp, 156
3.2.3 Brasileirinhos nas calçadas, 167
3.3 Narrativas, imagens, atlas e constelações, 193
4 FOTOS E DOCUMENTÁRIOS: NARRATIVAS ENTRE O PIXEL E O PAPEL, 201
4.1 A prática documental no Poço da Draga, 201
4.2 O atlas-documentário de Victor de Melo, 203
4.3 João Carlos, os em_poçados e os filmes fotobiográficos, 211

5 CONSIDERAÇÕES SOBRE A COMUNIDADE VISÍVEL E UM DEVIR NEGRO NAS IMAGENS, 218

6 POÇO 115 – UM ÁLBUM IMAGINÁRIO PARA A COMUNIDADE VISÍVEL (POST-SCRIPTUM) , 225

REFERÊNCIAS, 316
GLOSSÁRIO, 323

Referência

KARDOZO, Felipe Camilo Mesquita. Comunidade Visível: Narradores de imagens e memórias do Poço da Draga. 2021. 325 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2021.
Cadastre-se para receber novidades