Forasteiros: Crônicas, vivências e reflexões de um torcedor visitante

Biblioteca

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
ISBN 9786588727089

Forasteiros

Crônicas, vivências e reflexões de um torcedor visitante
Páginas

272

Editora

Editora Grande Área

Sinopse

“Forasteiros”, de Rodrigo Barneschi, é um conjunto de crônicas, vivências e reflexões de um torcedor visitante, que, como protagonista, explora lugares hostis para deixar suor e lágrimas em um pedaço de concreto isolado por grades e cercado por adversários.

Como diz o próprio Barneschi, trata-se de um livro para quem é de arquibancada. Que nos leva para dentro de cada um dos estádios que dão sentido às nossas vidas, e assim nos faz matar um pouquinho essa maldita saudade de gritar a plenos pulmões o nome do time do nosso coração.

Desta vez, análises ou descrições do que acontece dentro de campo são acessórias diante do que realmente importa para ele, que são as torcidas, os embates entre rivais, as interações sociais que se estabelecem em ambientes grandiosos e outrora populares.

Uma viagem que nos brinda com superclássicos argentinos entre Boca Juniors e River Plate, com duelos entre clubes tradicionalíssimos do nosso país em pleno Maracanã, com estádios míticos como o Centenário de Montevidéu e com grandes decisões de Libertadores, mas que também nem de longe se esquece dos clássicos em um país de menor tradição continental que acontecem a 3.600 metros do nível do mar, de experiências quase antropológicas em pequenas canchas dos subúrbios de Buenos Aires ou de jogos por outros completamente abandonados no interior paulista.

Do alto de sua experiência que já o faz acumular inacreditáveis 1.014 jogos em quase 100 estádios diferentes, trazendo dezenas e mais dezenas deles para dentro de sua obra, Rodrigo Barneschi nos narra em primeira pessoa uma verdadeira epopeia em caravanas de ônibus, aeroportos, caminhadas de um estádio a outro e batalhas campais – e sempre refletindo profundamente a respeito delas, sem cair no erro fácil de romantizá-las.

Além disso, mesmo com essa despudorada declaração de amor ao que o futebol tem mais de genuíno, definitivamente é um livro que não perde em nada o tão necessário senso crítico, compreendendo desde dentro o processo de elitização pelos quais os estádios do Brasil e do mundo vêm passando, inclusive com o cerceamento de direitos que deveriam ser básicos para todo e qualquer torcedor.

Para acompanhar essa deliciosa leitura, ainda teremos um projeto gráfico impecável, com fotos belíssimas de Gabriel Uchida (amplamente conhecido por seu projeto FotoTorcida), e um prefácio gigantesco – ainda mais no sentido qualitativo – de Luiz Antonio Simas. Em suas palavras, aliás, “Forasteiros” é uma obra que “finca bandeira na encruzilhada em que o jornalismo, o memorialismo, a sociologia do esporte e a literatura de viagem se encontram, a ponto de em certo momento não distinguirmos mais uma coisa da outra”.

Em suma, um livro que desmonta fronteiras.

Cadastre-se para receber novidades