Biblioteca

Seja um dos 22 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Tese

Nem mulheres, nem negrxs, nem queer of colour (QOC) na liderança do futebol brasileiro!

A interseccionalidade no esporte
Ano

2021

Faculdade/Universidade

Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia

Tema

Tese

Área de concentração

Doutorado em Difusão do Conhecimento

Páginas

215

Arquivos

Resumo

Esse trabalho, intitulado “Nem mulheres, nem negrxs, nem queer of colour (QOC) na liderança do futebol brasileiro!: a interseccionalidade no esporte”, baseou-se na hipótese de que não há mulheres, pessoas negras e sujeitxs (caracterizadas como) queer/s (LGBTQI) nas funções de mando, liderança, poder, no futebol brasileiro, consistindo esse problema em resistência para tais inclusões e fortalecendo, assim, a desigualdade de gênero, racial e a heterossexualidade como norma neste setor. Como forma de mostrar esses aspectos, observando as influências, motivações e persistências, esse trabalho, de abordagem qualitativa e descritiva, se apoiou na interseccionalidade e interdisciplinaridade e contou com análise documental (relatórios, recortes de jornal e da web), entrevistas, além de revisão de literatura específica. Para isso, destacaram-se as seguintes perguntas de pesquisa: Por que não há mulheres, nem negrxs, nem queer of colour (QOC) nas funções de mando e poder do futebol? E que fatores influenciaram para naturalizar estas desigualdades nos esportes? O objetivo foi analisar a diversidade no esporte brasileiro, especificamente as categorias mulheres negrxs e queer/s, por meio da interseccionalidade em gênero, raça, classe, território e sexualidades, recortando a modalidade futebolística, destacando as influências coloniais, socioculturais, raciais e políticas que se abatem sobre o povo negro. Os resultados deste processo demonstraram a força do racismo que, ao contrário de se erradicar, volta com força, bem como o sexismo, ambos naturalizados. Apesar de mudanças nas relações entre os sexos no que concerne a alguns espaços no esporte, a resistência à igualdade se mantém nas funções de poder, porém, velada e escamoteada sob o manto do discurso da democracia. Ademais, aparecem com força a influência do discurso de ódio que se atualiza, o androcentrismo e a manutenção da colonialidade de poder. Em suma, um olhar interseccional sobre o esporte brasileiro mostrou que não há mulheres, nem negrxs, nem queer of colour no poder no campo do futebol, enfatizando a múltipla opressão na categoria racial negra.

Palavras chave: Interseccionalidade no Esporte; Gênero/Raça; Queer no Esporte; Treinadoras Negras; Liderança no Futebol.

Resumen

Este trabajo, titulado “¡Ni mujeres, ni negrxs, ni fútbol brasileño! l queer of colour (QOC) en el liderazgo del a interseccionalidad en el deporte”, está basado en la hipótesis de que no hay mujeres, person as negr as y sujetxs (caracterizadas como) queer/s (LGBTIQ) en las funciones de mando, liderazgo, poder en el fútbol brasileño, consistiendo ese problema en resistencia para tales inclusiones y fortaleciendo, así, la desigualdad de género, racial y la heter osexual idad como norma en este sector. Como forma de enseñar esos aspectos, observando las influencias, motivaciones y persistencias, este trabajo, de abordaje cualitativo y descriptivo, se ha apoyado en la interseccionalidad e interdisciplinaridad y contó con un análisis documental (informes, fragmentos de periódicos y de la web), entrevistas, además de una revisión de literatura específica. Para tanto, se destacan las siguientes preguntas de investigación: ¿Por qué no hay mujeres, ni negrxs, ni queers of res negrxs y colour (QOC) en las funciones de mando y poder del fútbol? Y ¿Qué factores han influenciado para que se naturalizaran esas desigualdades en los deportes? El objetivo fue analizar la diversidad en el deporte brasileño, específicamente las categorías de muje queers , a través de la interseccionalidad en género, raza, clase, territorio y sexualidades, recortando la modalidad futbolística, destacando las influencias coloniales, socioculturales, raciales y políticas que afectan al pueblo negro. Los re sultados de ese proceso demostraron la fuerza del racismo que, al contrario de erradicarse, vuelve con fuerza, igual pasa con el sexismo, ambos naturalizados. A pesar de los cambios en las relaciones entre los sexos en el que concierne a algunos espacios e n el deporte, la resistencia a la igualdad se mantiene en las funciones de poder, pero, de manera velada y oculta bajo el manto del discurso de la democracia. Además, aparecen con fuerza la influencia del discurso de odio que se actualiza, el androcentrism o y el mantenimiento de la colonialidad del poder. En suma, una mirada interseccional sobre el deporte brasileño señaló que no hay mujeres, ni negrxs, ni queer of colours negra. en el poder en el campo de fútbol, enfatizando la opresión múltiple en la categoría.

Palabras Clave: Interseccionalidad en el deporte, Género Raza, Queer acial en el deporte, Entrenadoras negras, Liderazgo en el Fútbol.

Abstract

This work, entitled “Neither women, nor blacks, nor queer of color (QOC) in the leadership of Brazilian football!: intersectionality in sport”, was based on the hypothesis that there are no women, black people and subjects (characterized as) queers (LGBTQI) in the functions of command, leadership, power in Brazilian football, this problem consisting of resistance to such inclusions and thus strengthening gender and racial inequality and heterosexuality as a norm in this sector. As a way of showing these aspects, observing the influences, motivations and persistences, this work, with a qualitative and descriptive approach, being based on the intersectionality and interdisciplinarity, conducted documentary analysis (reports, newspaper and web clippings), interviews, in addition to specific literature review. For this, the following research questions were highlighted: Why are there no women, neither blacks nor queer of color (QOC) in the functions of command and power in football? And what factors influenced to naturalize these inequalities in sports? The objective was to analyze the diversity in Brazilian sport, specifically the black and queer women categories, through the intersectionality in gender, race, class, territory and sexualities, profilinng the football modality, highlighting the colonial, socio-cultural, racial and political influences that slaughter the black people. The results of this process demonstrated the force of racism, which, instead of being eradicated, returns with strength, as well as sexism, both naturalized. Despite changes in the relations between the sexes with regard to some areas in sport, the resistance to equality remains in the functions of power, however, veiled and concealed under the cover of the discourse of democracy. However, the influence of the current hate speech, androcentrism and the upkeep of coloniality of power comes to surface strongly. In short, an intersectional look at Brazilian sport showed that there are no women, neither black nor queer of color in power in the football field, emphasizing the multiple oppression in the black racial category.

Keywords e football : Intersectionality in sport; gender/race; queer in sport; black trainers; leadership in football.

Sumário

APRESENTAÇÃO, 15

1 CARTOGRAFIA DO FUTEBOL: PANÓPTICO E ANTIPANÓPTICO, 24
1.1 AQUECIMENTO PARA INICIAR O JOGO PANÓPTICO: A ESTRUTURA DO CAMPO, 25
1.2 COLONIALIDADE DE PODER NO ESPORTE: PANÓPTICA, BIO E NECROPOLÍTICA EM CAMPO, 26
1.3 A DIVISÃO RACIAL E SEXUAL DO TRABALHO NO FUTEBOL E A HIERARQUIZAÇÃO, TERRITORIALIZAÇÃO, 34
1.3.1 O território e o jogo de valor: entre o Sul e o Norte, 38
1.4 O FUTEBOL COMO PLATAFORMA PARA A VIOLÊNCIA POLÍTICA DE GÊNERO E A TECNOLOGIA DA PANELA: O PANELAÇO, 40
1.4.1 O conceito de gênero e a “cismoldura”: crítica à ciência-CIS, 50

2.ESPORTE, EDUCAÇÃO FÍSICA E A BIOMITOGRAFIA NO FUTEBOL BRASILEIRO, 54
2.1 INSERÇÃO E ASCENSÃO DO NEGRO NO FUTEBOL: REFLEXÃO SOBRE GÊNERO, RAÇA E CLASSE EM MÁRIO FILHO E O FUTEBOL BRASILEIRO, 58
2.2 NEGRX ENTRE ASPAS: ENTRE PARDX E MESTIÇX, RACIALIZAÇÃO E RACISMOS, 64
2.2.1 Cenas de racismo,72
2.3 TREINADOR NEGRO, 78

3.MULHERES NO ESPORTE, 85
3.1. MULHER NEGRA NO ESPORTE E O CORPO POLÍTICO, 88
3.2. MULHER BRANCA NO ESPORTE E A VANTAGEM DA COR: O CAPITAL SOCIAL DE GÊNERO, 93

4. BIOGRAFANDO AS EXPERIÊNCIAS DE MULHERES NEGRAS DO FUTEBOL DA BAHIA: A INTERSECCIONALIDADE NO ESPORTE, 97
4.1 ROSANA VIGAS: CLASSE, TRABALHO E RACIALIZAÇÃO, 101
4.1.1 A racialização, 105
4.1.2 O fim da safra “negrx mesmo” no futebol brasileiro, 111
4.2 DILMA MENDES (DILMINHA): ESTRUTURA DO FUTEBOL E TECNOLOGIAS DE GÊNERO, 115
4.2.1 Refletindo sobre tecnologias de gênero, 119
4.3 LAURA RODRIGUES E A COMUNIDADE: DO CRUZEIRO AO ARVOREDO, 125
4.3.1 O assassinato de Nalva: a morte dos sonhos?, 133
4.4 INEILDES CALHEIRO (A PESQUISADORA): LÉSBICA NEGRA E O QUEER OF COLOUR, 138
4.4.1 Lésbica negra: queer of colour/ QOC, queer latinx, 141
4.5 LÍVIA FERREIRA E O ATIVISMO LGBTTQI: QUEER NO ESPORTE, 149
4.5.1 Transexualidade no esporte, 154

5. TREINADORAS, GESTORAS E O ANTIPANÓPTICO: FUNÇÕES DE PODER NO FUTEBOL, O LIMITE DO CAMPO E A INSUBMISSÃO, 159
5.1 A TRAJETÓRIA DE “DILMINHA” COMO TREINADORA DOS HOMENS, 164
5.2 A TRAJETÓRIA DE ROSANA NO COMANDO, 168
5.3 O ANTIPANÓPTICO NO ESPORTE E A MULTIRREFERENCIALIDADE NOS CORPOS: A SIMBIOSE – FUTEBOL, CAPOEIRA E DANÇA, 171
5.4 POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESPORTE: CHEGA DE PROMESSAS!, 176
5.4.1 “(…) Solicitar que esse departamento tenha pelo menos 50% de mulheres”: Cotas de gênero – O projeto que queremos nos esportes?, 182

6. CONCLUSÃO, 186

REFERÊNCIAS, 196
APÊNDICES
A ROTEIRO DE ENTREVISTA DA PESQUISA, 213
B TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO, 214
C TERMO DE AUTORIZAÇÃO DE USO DE IMAGEM, 216

ANEXO
PARECER DE APROVAÇÃO DO COMITÊ DE ÉTICA – CEEP, 217

Referência

SANTOS, Ineildes Calheiro dos. Nem mulheres, nem negrxs, nem queer of colour (QOC) na liderança do futebol brasileiro!: A interseccionalidade no esporte. 2021. 215 f. Tese (Doutorado em Difusão do Conhecimento) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021.
Cadastre-se para receber novidades