Biblioteca

Seja um dos 9 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Tese

No reino do quero-quero

corpo e máquina, técnica e ciência em um centro de treinamento de futebol – uma etnografia ciborgue do mundo vivido
Ano

2009

Faculdade/Universidade

Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina

Orientador(a)

Carmen Rial

Tema

Tese

Área de concentração

Doutorado em Antropologia

Páginas

314

Arquivos

Resumo

Esta tese, ao postular como problema antropológico contemporâneo a mecanização do corpo e a humanização da máquina, objetivou investigar a relação corpo e máquina, técnica e ciência no centro de treinamento de um clube da primeira divisão do futebol brasileiro, tomando como horizonte de análise o ciborgue e o ser-no-mundo. Através do método etnográfico, um trabalho de campo foi realizado entre abril de 2006 e fevereiro de 2007, quando observei a estrutura e organização do clube, a vida cotidiana e os sistemas de treino, além dos agenciamentos da tecnociência e da biomedicina por parte dos especialistas – médicos, fisioterapeutas, técnicos e auxiliares, fisiologista, preparadores físicos, nutricionista… – sobre os corpos dos atletas no centro de treinamento. Este trabalho está dividido em três partes. Na primeira, após discutir teórico-metodologicamente a tese, descrevo o espaço físico e social que o clube ocupa na cidade e as relações vividas pelos atletas numa instituição que guarda características semelhantes às de uma “instituição total”. Ademais, procurei compreender a lógica que preside as relações quando estas são mediadas pela equivalência abstrata do dinheiro. A anatomopolítica e o liberalismo econômico, entre outras questões, estão no fundamento destas primeiras análises. A segunda parte da tese apresenta os procedimentos planejados e realizados pela biomedicina e a tecnociência; analisa a maquinaria agenciada pelos especialistas já referidos e interpreta, a partir das teses da normalização da espécie e do biopoder, como os atletas convivem com as máquinas que escrevem e inscrevem verdades ao investir sobre o corpo seus esforços perscrutadores. Para tanto, etnografei as práticas médico-fisioterápicas, o trabalho do fisiologista e dos preparadores físicos, o treinamento técnico e tático, além da nutrição. O ciborgue, fruto da técnica – que desencobre aquilo que está disponível – e da ciência, vê-se entrelaçado ao conjunto maquínico do CT através da incorporação dos procedimentos, dos dispositivos e objetos que tal maquinaria põe em ação. Tal incorporação, entretanto, já anuncia a terceira parte da tese, na qual a incomensurabilidade do corpo (do humano) foi tratada. Deslocando o enfoque da relação saber/poder foucaultiana para o ser-no-mundo fenomenológico, discuto, considerando a “indeterminação essencial da existência,” os imponderáveis e a incomensurabilidade do corpo próprio: esta abertura passível de agenciamento pelos atletas. Retomando a reflexão sobre o corpo-máquina, sustento que a dor, a illusio e o se-movimentar estão inscritos neste espaço incontrolável do mundo que habitamos e que tais ordens do vivido estão no campo da mimesis, da poiesis e da esthesis, ou seja, constituem-se em tempo-espaço de criação, de invenção, no qual o novo pode brotar e as relações sociais institucionalizadas numa estrutura em “equilíbrio instável” podem ser substituídas por momentos de comunnitas. Tais aspectos, ainda, destarte a fragmentação do corpo e das práticas através dos procedimentos tecnocientíficos, sugerem também os termos nos quais uma experiência, no sentido benjaminiano, surge como devir possível, haja vista a unidade fundamental corpo- mundo, esta que o se-movimentar traduz em diálogo através da intercorporeidade e da intersubjetividade. Concluo, por fim, afirmando a tese de que a natureza do corpo próprio é o ponto de partida e o limite da relação corpo-máquina, assim como a ancoragem que possibilita o ciborgue, este ser que incorporou a tecnociência.

Resumen

Esta tese, al postular como problema antropológico-contemporáneo la mecanización del cuerpo y la humanización de la máquina, con el objetivo de investigar la relación cuerpo y la máquina, la técnica y la ciencia en el centro de entrenamento de un club de la primera división del fútbol brasileño, teniendo en el horizonte de análisis el ciborgue y lo estar en el mundo. A través del método etnográfico, un trabajo de campo se realizó entre abril de 2006 y febrero de 2007, cuando se observó la estructura y la organización del club, la vida cotidiana y los sistemas de formación, además de los agenciamentos de la tecnociencia y la biomedicina de los expertos – médicos, fisioterapeutas, técnicos, asistentes, fisiólogos, entrenadores físicos y nutricionistas … – sobre los cuerpos de los atletas en el centro de formación. Este trabajo se divide en tres partes. En primer lugar, después de debatir el argumento teórico y metodológico, describo el espacio físico y social que el club ocupa en la ciudad y las relaciones que experimentan los atletas en una institución que tiene características similares a las de una “institución total”. Además, he intentado comprender la lógica que rige esas relaciones cuando están mediadas por la equivalencia abstracta del dinero. La anatomopolítica y el liberalismo económico, entre otras cuestiones, se encuentran en la base de estas primeras análisis. La segunda parte de la tesis presenta los procedimientos diseñados y realizados por la biomedicina y la tecnociencia; examina la maquinaria agenciada por los expertos ya referenciados e interpreta, a partir de la tesis de la normalización de las especies y de lo biopoder, como los atletas interactuan con las máquinas que escriben y inscriben verdades al investir sobre el cuerpo sus esfuerzos. Por lo tanto, he etnografado las prácticas médicas-fisioterapéuticas, la labor del fisiólogo y de los preparadores físicos, la formación técnica y táctica, además de la nutrición. El ciborgue, es resultado de la técnica – que desencobre lo que está disponible – y la ciencia, es el conjunto entrelazado de máquinas de lo CT mediante la incorporación de los procedimientos, de los dispositivos y objetos que la maquinaria pone en acción. Esta incorporación, sin embargo, ha anunciado la tercera parte de la tesis, en la que la inconmensurabilidad del cuerpo (humano) fue tratado. Cambiando el enfoque de la relación saber/poder foucaultiana para lo ser en el mundo fenomenológico; yo discuto, teniendo en cuenta la “indeterminación esencial de la existencia”, y los imponderables y la inconmensurabilidad del cuerpo propio: esta apertura, pasible de agenciamento por los atletas. Retomando el debate sobre el cuerpo-máquina, sostengo que el dolor, la ilusio y lo moverse están matriculados en este espacio incontrolado del mundo que habitamos y que esas órdenes del experimentado están en el campo de la mimesis, de la poiesis y de la esthesis; o sea, se constituyen en el tiempo y en el espacio de creación, invención, en que lo nuevo puede germinar y las relaciones sociales intitucionalizadas en una estructura en “equilibrio inestable” pueden ser sustituidas por momentos de comunnitas. Estos aspectos, todavía, teniendo en cuenta, la fragmentación del cuerpo y de las prácticas a través de los procedimientos tecnocientíficos, también sugieren los términos, los cuales una experiencia, con el fin benjaminiano, surge como posible, teniendo en cuenta la unidad fundamental cuerpo-mundo, esta que, al movimentarse, traduz en diálogos a través de la intercorporeidade y de la intersubjetividad. Yo concluyo, en el final, diciendo que la naturaleza del propio cuerpo es el punto de partida y el límite del cuerpo-máquina, así como el ancla que permite que el ciborgue, este que se incorpora por la tecnociencia.

Abstract

This thesis, by postulating the mechanization of the body and the humanization of the machine as a contemporary anthropological problem, aimed to investigate the relationship between body and machine, science and technique at a training center of a first division Brazilian soccer team, considering as horizon of analysis the cyborg and the being-in-the- world. Through the ethnographic method, a fieldwork was conducted from April 2006 to February 2007, when I could observe the structure and organization of the club, the everyday life and the training systems, as well as, the some experts agencies of technoscience and biomedicine – doctors, physiotherapists, coaches and coach assistants, physiologist, physical trainers, nutritionists … – about the bodies of athletes in the training center. This work is divided into three parts. In the first part, after discussing theoretical and methodological aspects of the thesis, I describe the physical and social space that the club occupies in the city and the relationships experienced by athletes at an institution that has characteristics similar to those of a “total institution”. Also, I tried to understand the logic that governs the relationship when they are mediated by the abstract equivalence of money. The anatomo-policy and economic liberalism, among other issues, are the basis of these initial analyses. The second part of the thesis presents the procedures designed and made by biomedicine and technoscience; analyses the agencied machinery by the experts already cited and interprets, from the thesis of normalization of the species and the bio- power, how the athletes live with the machines that write and form truths to invest their efforts investigated in the body. Thus, I ethnographied the physiotherapeutic and the medical practices, the work of the physiologist and the physical trainers, the technical and tactical training, and, the nutrition. The cyborg, the result of the technique – which discovers what is available – and of the science, is seen as linked to the machines of the training center by incorporating the procedures, the devices and objects that such machinery puts in action. This incorporation, however, announces the third part of the thesis, in which the incommensurability of the body (the human) is treated. Removing the focus of Foucault ́s knowledge/power for the phenomenological being-in-the-world, I discuss, considering the “essential indeterminacy of the existence”, the imponderables and the incommensurability of the body itself: this is likely to opening agency by the athletes. Back to the reflection about the body-machine, I say that the pain, the ilusio and the self- moviment are enrolled in this inscribed area of the world that we live and that such orders of the experienced world are in the field of mimesis, of poiesis and esthesis, in other words, constitute themselves in time and space of creation, invention, in which what is new can germinate and the institutionalized social relationship in a structure in “unstable equilibrium” can be replaced by moments of comunnitas. Those aspects also suggests the fragmentation of the body and the practices through the technoscientific procedures, the terms in which an experience in Benjaminian sense, appear as a possible becoming, in view of considering the fundamental unit body-world, that the self-movement results in a dialogue through intercorporality and intersubjectivity. Finally, I conclude this supporting the thesis that the nature of the body itself is the starting point and the limit of the body- machine relationship, as well as the anchorage that allows the cyborg, this being that incorporated the technoscience.

Sumário

INTRODUÇÃO, 1

1. CONSTRUINDO O OBJETO E O CAMPO, 7

2. LOCALIZANDO A TESE NO CAMPO DA ANTROPOLOGIA (DO ESPORTE): O ESPORTE MODERNO – ESBOÇO DE UMA TRAJETÓRIA, 12

3. Do Esporte (em geral) ao Futebol (em particular), 19

PRIMEIRA PARTE

CAPÍTULO I, 32

DISCUSSÃO TEÓRICO-METODOLÓGICA, 32
1.1. ALGUNS PRESSUPOSTOS INICIAIS, 32
1.2. ASPECTOS PRÁTICOS DO TRABALHO DE CAMPO (OU MEUS MODOS DE FAZER), 40
1.3. ASPECTOS ÉTICO-DIALÓGICOS DO CAMPO (OU MINHAS PERSPECTIVAS DE SER-NO- MUNDO), 47
1.3.1. Da Impossibilidade Ética: os objetos como ‘coisa’, 51
1.3.2. Dos agentes iguais em dignidade: uma possibilidade metodológica (e ética) na antropologia, 55

CAPÍTULO II, 60

O LOCUS: ESPAÇO GEOGRÁFICO E SOCIAL, 60

2.1. O futebol e o contexto urbano, 62
2.2. O Centro de Treinamento Alfredo Gotardi – o CT do Caju, 72
2.2.1. Entrar no CT, 77
2.2.2. Viver no CT: Instituição Total?, 87
2.3. Carne e pedra, 96

CAPÍTULO III, 100

O OLHAR E O SE-MOVIMENTAR: UMA FENOMENOLOGIA DO FUTEBOL, OU DE COMO O CAP ENCONTRA TALENTOS, 100

3.1. UM SISTEMA ETÁRIO, 101
3.2. A SELEÇÃO DE ATLETAS, 105

CAPÍTULO IV, 123

ESTRUTURA, HIERARQUIA E EQUIVALÊNCIA ABSTRATA DO DINHEIRO, 123

4.1 Sobre o “Equilíbrio Instável”, 125
4.2. Simmel e o Futebol, 136
4.2.1. Notas Etnográficas 1: Estrutura Jurídica e Econômica, 138
4.2.2. Notas Etnográficas 2: Individualismo e Liberalismo, 144
4.3. Dinheiro, 146
4.4. Da Comunidade de Afeto a Equivalência Abstrata do Dinheiro, 153
A Comunidade Imaginada e o Conflito, 153

SEGUNDA PARTE

CAPÍTULO V, 160

O CIBORGUE, 160

5.1. CIÊNCIA E FUTEBOL: (DES)COMPASSOS, 162
5.2. A QUESTÃO DA TÉCNICA: OU A TÉCNICA COMO AMBIENTE, 167
5.3. O SISTEMA DOS OBJETOS, 175

CAPÍTULO VI, 179

UMA ESTRUTURA BIOMÉDICA, 179

6.2. O DM – A MEDICINA, 180
6.2. MAQUINARIA BIOMÉDICA, 195
6.3. DM – A FISIOTERAPIA, 199

CAPÍTULO VII, 210

O TREINAMENTO ESPORTIVO: O CASO DO CAP, 210

7.1 OS CICLOS DE TREINAMENTO, 212
7.2. FISIOLOGIA, 215
7.2.1. Os testes físicos, 217
7.2.2. A Preparação Física, 230
7.2.2.1. A Musculação, 234
7.3. TREINO TÉCNICO E TÁTICO, 238

CAPÍTULO VIII, 246

A ALIMENTAÇÃO/NUTRIÇÃO, 246

TERCEIRA PARTE

CAPÍTULO IX, 257

O SER-NO-MUNDO: DO CONTROLE AO MUNDO VIVIDO – INCOMENSURABILIDADES, 257

9.1. O HOMEM-MÁQUINA, 260
9.2. QUESTÕES SOBRE A DOR, 264
9.2.1. A ética cavalheiresca (corpo nobre), 272
9.3. O MOVIMENTO: MIMESES E POIESIS – REPETIÇÃO E DIFERENÇA, 277
9.4. LUDICIDADE E COMMUNITAS, 283
9.4.1 Uma Partida de Futebol, 288

CONSIDERAÇÕES FINAIS, 296

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS, 300

Referência

BITENCOURT, Fernando Gonçalves. No reino do quero-quero: corpo e máquina, técnica e ciência em um centro de treinamento de futebol – uma etnografia ciborgue do mundo vivido. 2009. 314 f. Tese (Doutorado em Antropologia) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2009.
Cadastre-se para receber novidades