Biblioteca

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
ISSN 1982-8985

O processo de profissionalização do futebol em Criciúma/SC (1948-1952)

Número

n.2

Ano

2014

Volume

v.7

Área de concentração

História

Arquivos

Resumo

O presente estudo tem por objetivo analisar, à luz da teoria do processo civilizador de Norbert Elias, o processo de profissionalização do futebol na cidade de Criciúma. A mineração do carvão no Sul do Estado de Santa Catarina possibilitou o desenvolvimento na região de uma sociedade do tipo industrial, assim como o crescimento da prática do futebol, principal atividade de lazer entre os trabalhadores mineiros. A imprensa local e as atas da Liga Atlética da Região Mineira, fundada em 1948, apontam para um aumento de competitividade entre os clubes locais e uma consequente capacidade de suscitar identidades antagônicas entre torcedores. Fatores estes que, segundo Eric Dunning, estão na base do processo de profissionalização do esporte, e que levaram a liga a oficializar o regime profissional em 20 de agosto de 1952.

Abstract

The present study aims to analyze, in the light of Norbert Elias’s theory of civilizing process, the professionalization process of soccer in Criciúma city. The coal mining in Southern State of Santa Catarina enabled the development in the region of a society of industrial type, well as the growth of soccer practice, main activity amusement among miners workers. The local press and minutes of the Liga Atlética da Região Mineira, founded in 1948, point to the increasing competitiveness among local clubs and the consequent capacity to evoke antagonistic identities between fans. These factors, according Eric Dunning, underlie the process of professionalization of sport, and that led the league to officiate the professional regime on August 20, 1952.

Acesse o site da revista Recorde

Referência

MONTEIRO, Renato de Araújo. O processo de profissionalização do futebol em Criciúma/SC (1948-1952). Recorde: Revista de História do Esporte. Rio de Janeiro, v.7, n.2, 2014.
Cadastre-se para receber novidades