Biblioteca

Seja um dos 21 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
ISSN 1983-9030

Treinar futebol respeitando a essência do jogo: o exemplo do salto como ação tática e não somente técnico-física

Periódico / Revista

Conexões

Número

n. 2

Ano

2009

Volume

v. 7

Área de concentração

Educação Física

Cidade

Campinas

Páginas

p. 38-63

Arquivos

Resumo

O objetivo da revisão foi de exemplificar a metodologia de treino do salto de impulsão vertical no futebol assente em premissas táticas. O treino das capacidades físicas, desprovido da sua relação com o verdadeiro significado do Futebol, tem sido bastante utilizado nos últimos anos. Este tipo de trabalho esquece, frequentemente, a relação que deveria existir com o modelo de jogo do treinador, não maximizando a sua utilidade para a forma de jogar que se pretende cultivar na equipa. No caso do salto, este só existe no Futebol enquanto habilidade aberta, pertencente a um sistema termodinâmico de não-equilíbrio, dentro do qual o jogador deverá tomar deliberada e oportunamente a decisão de saltar. Neste sentido consideramos oportuno estabelecer uma relação entre o treino do salto e o modelo de jogo. 

Abstract

The objective of this review was to justify the methodology of training vertical jump in soccer according to tactical aspects. Coaching football regarding only physical parameters is a coaching model that has been used often in the last years. Coaches frequently prescribe exercises that are not related with their pattern play. Vertical jump is used in soccer by players to respond to coaches’ tactics and strategy, so we believe that there must be a connection between exercise prescription to improve vertical jump and the coaches’ model of play. We believe that practicing exercises regarding only physical demands is not attempting the so desired coaching specificity in soccer. 

Referência

SILVA, Pedro Miguel; SANTOS, Pedro Manuel de Oliveira; MARQUES JUNIOR, Nelson Kautzner. Treinar futebol respeitando a essência do jogo: o exemplo do salto como ação tática e não somente técnico-física. Conexões. Campinas, v. 7, n. 2, p. 38-63, 2009.
Cadastre-se para receber novidades