Biblioteca

Seja um dos 9 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
ISSN 0101-3289

Três tipos de jogadoras transnacionais: diferenciando projetos de mobilidade de futebolistas mulheres em países centrais e em desenvolvimento

Número

n. 2

Ano

2016

Volume

v. 38

Páginas

p. 201-210

Arquivos

Resumo

A mobilidade internacional de jogadores de futebol se caracteriza, geralmente, pelo deslocamento de profissionais de alto nível para países diferentes daquele em que cresceram e iniciaram carreira. São descritos, comumente, como migrantes ou expatriados. Em estágio muito menos avançado de profissionalização, a mobilidade entre jogadoras acontece diferentemente. Ao descrever casos do Brasil, na Guiné Equatorial, no México, na Colômbia e em Portugal, o artigo procura desenvolver uma categoria conceitual capaz de abarcar o deslocamento que configura uma jogadora transnacional, cuja experiência se dá diferentes países e contextos socioeconômicos. Introduz ainda duas novas subcategorias, para além da “expatriada”: jogadoras em diáspora e novas cidadãs.

Resumen

La movilidad internacional de jugadores de fútbol se caracteriza con frecuencia por el desplazamiento de profesionales de alto nivel a países distintos de aquellos en que crecieron y comenzaron sus carreras. Aparecen en general como jugadores migrantes o expatriados. En un grado mucho más bajo de profesionalización, la movilidad de jugadoras se presenta de otra manera. Al describir los casos de Brasil, Guinea Ecuatorial, México, Colombia y Portugal, el artículo procura desarrollar una categoría conceptual que pueda incluir las realidades actuales en el juego femenino, es decir, la jugadora transnacional, que ha alcanzado y disfruta de una experiencia transnacional en distintos países y contextos socioculturales. Introduce, además, dos nuevas subcategorías, más allá de la situación de «expatriada»: jugadoras de la diáspora y nuevas ciudadanas.

Abstract

Mobile players in men’s football are highly skilled professionals who move to a country other than the one where they grew up and started their careers. They are commonly described as migrants or expatriate players. Due to a much less advanced stage of professionalism and production of the game in women’s football mobility projects are different. At describing the cases of Brazil, Equatorial Guinea, Mexico, Colombia and Portugal, the aim of this paper is to conceptualise an umbrella category for mobile players that can include current realities in the women’s game, namely the transnational player who has gained and displays transnational football experience in different countries and socio-culturally contexts. Furthermore, analyses allow introducing two new subcategories besides the “expatriate”, namely diaspora players and new citizens.

Referência

TIESLER, Nina Clara. Três tipos de jogadoras transnacionais: diferenciando projetos de mobilidade de futebolistas mulheres em países centrais e em desenvolvimento. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Florinópolis, v. 38, n. 2, p. 201-210, 2016.
Cadastre-se para receber novidades