Publicado em Deixe um comentário

Entrando em Campo: Pandemia, Podcast e Futebol

A equipe do Pesquisa Esporte Clube (PEC) entra em campo com a estreia do mais novo podcast na praça.

Chegamos por aqui querendo abrir espaço para um debate descontraído e democrático repercutindo pesquisas acadêmicas sobre o mundo do esporte. No episódio desta semana, o trio de podcasters recebe dois camisas 10 que, quando o assunto é pesquisa esportiva, são craques. A primeira conversa foi com professor Élcio Cornelsen, titular do departamento de Letras da UFMG, e a segunda com o professor João Malaia, da UFSM. O papo foi das linhas de continuidade entre a gripe espanhola e a Pandemia do nosso tempo, até o processo de produção de um podcast e a sua importância enquanto ferramenta de divulgação científica. Tá interessado? Então aperta play e assine para ficar por dentro de todos os episódios.

Curtiu o nosso trabalho? Tem interesse em participar do nosso podcast apresentando sua pesquisa? É simples, basta enviar um email para Pesquisa Esporte Clube se apresentando e contando um pouco da sua pesquisa.

Todos os comentários são bem vindos e nossas redes sociais também são espaços de debates e troca de ideias.

Siga o PEC

Twitter

Instagram

Ficha Técnica

Locutores: Gabriel Estrella; Lucas Petitdemange; Marcelo Viana

Edição e Produção Fonográfica: Gabriel Petit (@ioo_petit)

Vinheta e áudios: Miguel Travassos (@travassosmig)

Este podcast é uma produção independente que faz parte da #Ludosfera.

Publicado em Deixe um comentário

A gripe espanhola paralisa o futebol

O episódio de hoje discute sobre como o futebol lidou com a Gripe Espanhola, que assolou o mundo em 1918. Assim como vemos hoje, com o Corona Vírus, os campeonatos também paralisaram. Mas para além de vermos o que aconteceu com o futebol naquele momento, devemos entender como esse esporte refletiu nossa forma de lidar com essa crise.

O Tempo da Bola é um podcast sobre a História do futebol, tendo como eixo a relação entre o esporte e sua dimensão histórica. Produzido pelos graduandos em História (USP) Diego Coppio e Gabriel Yukio, com parceria do Ludopédio.

 

 

 

Textos mencionados e de referência

Duas cidades, duas curvas: SP e RJ tomaram medidas diferentes em 1918, qual das medidas salvou mais vidas?

Gripe Espanhola e Futebol no Brasil (Parte 1): Recife João Manuel Casquinha Malaia Santos

Gripe Espanhola e Futebol no Brasil (Parte 2): Rio de Janeiro – Matheus Donay da Costa

Gripe Espanhola e Futebol no Brasil (Parte 3): São Paulo – João Manuel Casquinha Malaia Santos

 

Siga “O Tempo da Bola” nas redes e divulgue conhecimento!

Twitter

Facebook

Instagram

Linktr

 

Plataformas

https://anchor.fm/ludopedio

https://www.breaker.audio/ludopedio

http://bit.ly/GoogleLudosfera

http://bit.ly/AppleLudosfera

http://bit.ly/OvercastLudosfera

http://bit.ly/PocketCastsLudosfera

http://bit.ly/RadioPublicLudosfera

http://bit.ly/SpotifyLudosfera

_____________

Por que a #Ludosfera?

O programa “O Tempo da Bola” é uma produção independente. Os historiadores Diego Coppio e Gabriel Yukio têm liberdade e autonomia total sobre o conteúdo. O Ludopédio oferece o espaço e a credibilidade do maior portal de divulgação científica da América Latina para abrigar projetos incríveis como esse. Sejam [email protected]!

Publicado em Deixe um comentário

#11 com Breiller Pires e Marco Sirangelo

A despeito da crise do Covid-19, a bola já está rolando em diversas ligas mundo afora. O retorno que é discutível mesmo em países que já controlaram a pandemia, modula perigosamente parte da opinião pública brasileira e fortalece a volta aos treinos de algumas equipes.

No episódio que abre a segunda temporada, o jornalista Breiller Pires e o gestor do esporte Marco Sirangelo, que também é colunista do Ludopédio, analisam os riscos da flexibilização da quarentena e as expectativas para as próximas semanas.

A VOLTA PRECIPITADA DO FUTEBOL

Breiller Pires: “Vejo com muita apreensão essa forçada de barra dos clubes. Acho natural discutir protocolos. Faz parte tentar elaborar documentos. O que não faz nenhum sentido é se reunirem com políticos. Ainda mais pelo momento vivido pelo país. Eles [os presidentes dos clubes] não enxergam a dimensão social do futebol. Deveriam servir de exemplo e não se prestar a esse papelão de ir a Brasília. Não deveriam deixar seus clubes virarem massa de manobra para o presidente [da República].”

O PAPEL DA CBF

Marcos Sirangelo: “A CBF inevitavelmente terá de financiar os clubes, pelo menos dar um suporte aos clubes menores. A grande contribuição seria tentar organizar o futebol. Só que não está funcionando. Cada estado está criando seus próprios protocolos.”

O USO POLÍTICO DO FUTEBOL

Breiller Pires: “Eu sempre me revolto muito com essa tentativa de despolitizar o futebol. A essência do futebol é política. Não dá para analisar o futebol de forma asséptica. Os torcedores não estão representados nessa [atual] estrutura do futebol. É muito difícil entrar em conselho deliberativo. É fundamental um movimento de democratização dos clubes. Fiquei muito esperançoso com esse movimento na Avenida Paulista [domingo, com torcidas antifascistas lutando por democracia e denunciando o fascismo crescente].”

CLUBE EMPRESA

Breiller Pires: “Eu não demonizo. Pode funcionar, desde que bem gerido e com a participação dos torcedores. Mas sou cético. Depende dos clubes. O que mais tem no futebol é oportunista. Tem de ter pé atrás. Gestores podem destruir clubes. A empresa vai abraçar causas se achar que aquilo é lucrativo. As empresas trabalham pela lógica do lucro.

Marcos Sirangelo: “No Brasil, [o projeto de clube empresa] tem de ser melhor debatido. A partir do momento em que tiver um dono, ele não vai sair. Você aceita entregar totalmente um clube [a um proprietário], as identidades correm risco.”

Marcos Sirangelo: “Tem dois projetos de lei sobre clube empresa no Congresso. Acho que vão fazer um bem bolado, um meio termo. Os clubes estão à mercê. Cada um vai ser livre para tomar suas próprias decisões.”

A ESPERANÇA PÓS-PANDEMIA

Breiller Pires: Os clubes precisam frear a elitização do futebol. É esse torcedor [com menos poder aquisitivo] quem vai salvar o clube. O primeiro passo é contemplar todas as camadas de torcedores. A economia pós-pandemia vai possibilitar isso. Toda a economia do futebol deverá ser revista: salários, preço de ingressos… Daí que os clubes vão tirar recursos. Tenho em vista uma economia social do futebol.”

Siga o Ludopédio

Agora também no podcast

Instagram do Ludopédio

Twitter do Ludopédio

https://www.facebook.com/ludopediofutebol