Biblioteca

Seja um dos 10 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
ISSN 2358-4130

Da natureza à civilidade: as muitas faces do jogar pipa no Rio de Janeiro

Periódico / Revista

(Syn)thesis

Número

n. 1

Ano

2021

Volume

v. 14

Páginas

p. 60-72

Arquivos

Resumo

Ao longo das últimas décadas, o modo como se interage com pipa mudou de forma considerável. Se antes assegurávamos sua existência atrelada a uma forma lúdica e infantil (brincadeira), hoje vemos seus praticantes tratando-a como competição (esporte) dotada de seriedade única. Se no primeiro modelo vemos a prática apenas com regras subentendidas e coletivamente aceitas, livre de pressões ou ordenamentos fixos, no segundo, ela passa a ter um estatuto, um caráter sério e compromissado. Essa “evolução” não acontece sem antes vermos a prática da pipa atrelada também à categoria do lazer. Entre esses três tipos ideais da prática da pipa, encontramos o jogar como elemento comum. Deste modo, à luz das teorias de Roger Caillois, este trabalho intenta analisar as demarcações de fronteiras estabelecidas pelos campos da pipa no Rio de Janeiro e sua evolução enquanto jogo, propondo que, não apenas solta-se pipa, mas sim, joga-se pipa: na infância, enquanto brincadeira; em festivais, como forma de lazer; e nos campeonatos, enquanto esporte. Para tal análise, além da bibliografia supracitada, foi realizada etnografia “de perto e de dentro”, com visitas a inúmeros festivais e campeonatos nos subúrbios do Rio de Janeiro, colhendo-se relatos de interlocutores a partir de questionário previamente formulado.

Palavras-Chave: Pipa. Esporte. Jogos. Emoções

Abstract

Over the last decades, the way people interact with kites has changed substantially. Previously its existence was endured due to a playful and childlike way (play), nowadays its practitioners consider it as a competition (sport) with a unique seriousness. Whereas in the first model the practice has implied and collectively accepted rules, without pressure or fixed commands, in the second model, it shows a statute, with serious and committed features. This “evolution” does not happen without verifying the kite practice being linked to the leisure category. Among these three types of kite practice, we detected that playing is a common element. Therefore, in the light of Roger Caillois’ theories, this paper intends to analyze the existing boundaries established by the kite fields in Rio de Janeiro and its evolution as a game, proposing that one does noy simply “fly a kite”, but “play kite”: during childhood, as a child’s play; at festivals, as a form of leisure; and in championships, as a sport. For this analysis, in addition to the aforementioned bibliography, ethnography was carried out from a “insider and close up view”, with visits to countless festivals, and championships in the suburbs of Rio de Janeiro, collecting reports from interlocutors based on a previously formulated questionnaire.

Keywords: Kite. Sport. Games. Emotions.

Referência

GUERRA, Fernando Morselli. Da natureza à civilidade: as muitas faces do jogar pipa no Rio de Janeiro. (Syn)thesis. Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 60-72, 2021.
Cadastre-se para receber novidades