Biblioteca

Seja um dos 17 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Dissertação

A terminologia do futebol em livros de italiano língua estrangeira

Ano

2020

Faculdade/Universidade

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo

Tema

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em Letras

Páginas

200

Arquivos

Resumo

A pesquisa destaca o léxico do futebol e a necessidade de estudá-lo a fim de compreender essa linguagem de especialidade e como é empregada nos livros didáticos de língua italiana, especialmente em exercícios. A base teórica debruçou-se, sobretudo, nas ciências do Léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia, Terminografia, Fraseologia Especializada, e nos estudos de Ensino de Línguas Estrangeiras, conforme os autores Balboni (1994;1998), Bevilacqua (1998;2005), Barbosa (2001), Biderman (2001), Barros (2004), Krieger e Finatto (2004), Cabré (2004), Antunes (2009;2012), Zucchi (2010), Tagnin (2013) e Voerkel (2016). Para a contextualização da pesquisa e aportes teóricos relativos ao futebol, nos apoiamos em Mattos (2002), Queiroz (2005), Lovisaro e Neves (2005), Sappino (2000), Galli (2011) e Couto (2011). Objetivamos, primeiramente, demonstrar a presença da linguagem do futebol no ensino da língua italiana, tendo como metodologia o levantamento e análise de termos e expressões da linguagem do futebol em dezoito livros didáticos publicados num período de vinte anos (1998-2018) e usados em cursos de língua italiana na cidade do Rio de Janeiro. Em segundo lugar, com os dados coletados, buscamos elaborar um glossário. A proposta do glossário italiano da terminologia do futebol para fins didáticos contou com 451 registros de termos e fraseologismos que foram organizados em ordem alfabética, tendo sido os termos classificados em substantivos (masculino ou feminino; singular ou plural), substantivo invariável, verbos (transitivo, intransitivo e reflexivo), adjetivos e advérbios. As entradas também trazem a convencionalidade dos termos, a especificação de sua etimologia (inglesa, latina e francesa), bem como exemplos de uso extraídos dos livros didáticos. A linguagem do futebol foi apresentada em maior número nas seções Tempo Libero e Sport, num total de 35 unidades didáticas selecionadas, e, segundo o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas, identificou-se nos níveis A1 (elementar), B1 (intermediário) e B2 (intermediário) o maior número de ocorrências, ou seja, vinte e oito; e os níveis A2 (elementar), C1 (avançado) e C2 (avançado) tiveram as menores incidências, isto é, dez ocorrências. Para colocar em prática os termos e os fraseologismos do glossário, foram criadas atividades didáticas para os níveis A1-A2, B1-B2 e C1-C2 e aplicadas a um grupo de 18 alunos, que responderam previamente a um questionário sobre uso de dicionários. Esse questionário demonstrou que os alunos, antes de terem contato com a língua italiana, estudaram inglês e francês. Quanto à consulta aos dicionários impressos, a escolha dos estudantes foi pelos dicionários Michaelis, Martins Fontes e Parola Chiave. No que diz respeito a fontes on-line, predominou o uso do Google tradutor, que não é dicionário. Poucos alunos receberam alguma informação sobre o manuseio de dicionários, uma vez que muitos afirmaram terem aprendido como autodidatas. Declararam ainda que o glossário os auxiliou nas dúvidas durante a execução das atividades, o que reforça a necessidade da nossa pesquisa, que é aquela de ensinar uma língua de especialidade e auxiliar professores e estudantes de língua italiana.

Palavras-chave: Futebol. Glossário. Lexicografia. Fraseologia. Ensino de LE.

Resumen

La ricerca evidenzia il lessico del calcio e la necessità di studiarlo per comprendere questo linguaggio specialistico e come viene usato nei manuali didattici di lingua italiana, specialmente negli esercizi. La base teorica si è concentrata, soprattutto, sulle scienze del lessico: Lessicologia, Lessicografia, Terminologia, Terminografia, Fraseologia Specialistica e sugli studi sull’Insegnamento delle Lingue Straniere, secondo gli autori Balboni (1994;1998), Bevilacqua (1998;2005), Barbosa (2001), Biderman (2001), Barros (2004), Krieger e Finatto (2004), Cabré (2004), Antunes (2009;2012), Zucchi (2010), Tagnin (2013) e Voerkel (2016). Per la contestualizzazione della ricerca e dei contributi teorici relativi al calcio, ci appoggiamo a Mattos (2002), Queiroz (2005), Lovisaro e Neves (2005), Sappino (2000), Galli (2011) e Couto (2011). Il nostro obiettivo è, in primo luogo, dimostrare la presenza del linguaggio del calcio nell’Insegnamento della Lingua Italiana, avendo come metodologia il rilevamento e le analisi dei termini e delle espressioni della lingua del calcio in diciotto libri didattici pubblicati in un periodo di vent’anni (1998-2018) e utilizzati in corsi di lingua italiana nella città di Rio de Janeiro. In secondo luogo, con i dati raccolti, cerchiamo di elaborare un glossario. Il glossario italiano della terminologia calcistica a fini didattici comprendeva 451 registrazioni di termini e fraseologismi organizzati in ordine alfabetico, e i termini sono stati classificati in nomi (maschile o femminile; singolare o plurale), sostantivo invariabile, verbi (transitivo, intransitivo e riflessivo), aggettivi e avverbi. Le entrate portano anche la convenzionalità dei termini, le specificazione della loro etimologia (inglese, latino e francese) e esempi di utilizzo tratti dai libri didattici. Il linguaggio del calcio è stato presentato in numero maggiore nelle sezioni Tempo Libero e Sport, in un totale di 35 unità didattiche selezionate, e secondo il Quadro Comune Europeo di Riferimento per le Lingue, è stato identificato nei livelli A1 (elementare), B1 (intermedio) e B2 (intermedio) il maggior numero di occorrenze, ovvero ventotto; e i livelli A2 (elementare), C1 (avanzato) e C2 (avanzato) avevano le incidenze più basse, dieci occorrenze. Per mettere in pratica i termini e la fraseologia del glossario, sono state create attività didattiche per i livelli A1-A2, B1-B2 e C1-C2 e applicate a un gruppo di 18 studenti che in precedenza avevano risposto a un questionario e come utilizzare dizionari. Il questionario ha mostrato che gli studenti, prima di avere contatti con la lingua italiana, hanno studiato l’inglese e il francese. Per quanto riguarda la consultazione dei dizionari stampati, la scelta degli studenti sono stati i dizionari Michaelis, Martins Fontes e Parola Chiave. Per le fonti online, ha prevalso l’uso del traduttore di Google, che non è un dizionario. Pochi studenti hanno ricevuto informazioni di come utilizzare dizionario, così come molti hanno affermato di aver imparato come autodidatta. Hanno anche affermato che il glossario li ha aiutati nei loro dubbi durante l’esecuzione delle attività, il che rafforza la necessità della nostra ricerca, che è quella di insegnare un linguaggio specialistico e sostenere gli insegnanti e gli studenti della lingua italiana.

Parola chiave: Calcio. Glossario. Lessicografia. Fraseologia. Insegnamento di LS. 

Abstract

The present research accounts for the football lexicon and emphasizes the need for its study in order to understand how this particular specialized language is employed in Italian language textbooks, especially with respect to didactic exercises. Our theoretical foundation relies on the fundamentals of Lexicology, Lexicography, Terminology, Terminography, Specialized Phraseology and Foreign Language Teaching in consonance with scholars like Balboni (1994;1998), Bevilacqua (1998;2005), Barbosa (2001), Biderman (2001), Barros (2004), Krieger e Finatto (2004), Cabré (2004), Antunes (2009;2012), Zucchi (2010), Tagnin (2013) e Voerkel (2016). The works of authors such as Mattos (2002), Queiroz (2005), Lovisaro e Neves (2005), Sappino (2000), Galli (2011) e Couto (2011) were also studied in order to provide the theoretical background related to football. Our primary goal was to demonstrate the presence of football language in the teaching of Italian by surveying and analysing football-related terminology and expressions in eighteen textbooks used in Italian language courses in the city of Rio de Janeiro, Brazil, published throughout a twenty-year period (1998-2018). Secondly, we elaborated a glossary with the data collected. The model of the Italian glossary of football terminology with didactic purposes comprises 451 registers of terms and phraseologisms organized in alphabetic order. The terms were classified as nouns (masculine or feminine; singular or plural), invariable nouns, verbs (transitive, intransitive and reflexive), adjectives and adverbs. The entries also bring the conventionality of the terms, their etymological specification (English, Latin and French) and usage examples extracted from the textbooks. The football language was found more extensively in the sessions Tempo Libero and Sport, out of 35 selected teaching units, and, according to the Common European Framework of Reference for Languages, was mostly identified in the levels A1 (basic user), B1 (independent user) and B2 (independent user), amounting to 28 occurrences; whereas in the levels A2 (basic user), C1 (proficient user) and C2 (proficient user), 10 occurrences were registered, the smallest frequency. In order to put the terms and phraseologisms in the glossary into practice, we designed a number of didactic activities for the levels A1-A2, B1-B2 and C1-C2, which were carried out by a group of 18 students who had previously answered a questionnaire about the usage of dictionaries. This questionnaire revealed that these students, before having had contact with Italian, had studied English and French. Regarding searches in traditional paper dictionaries, students opted for Michaelis, Martins Fontes and Parola Chiave. As far as online sources are concerned, they opted for Google translator, which is not a dictionary. Few students needed to be provided with information on how to handle a dictionary, since many of them claimed to have taught themselves how to do so. They also stated that the glossary helped them do the proposed activities, which reinforces the need for this research, whose aim is to teach a specific specialized language and assist Italian teachers and students.

Keywords: Football. Glossary. Lexicography. Phraseology. Foreign Language Teaching.

Referência

MARTINS, Beatriz Anastacia Dállia. A terminologia do futebol em livros de italiano língua estrangeira. 2020. 200 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.
Cadastre-se para receber novidades