Biblioteca

Seja um dos 10 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA
Tese

Esboço da crítica da economia política do futebol

Ano

2022

Faculdade/Universidade

Faculdade de Educação Física, Universidade de Brasília

Tema

Tese

Área de concentração

Doutorado em Educação Física

Páginas

304

Arquivos

Resumo

A presente tese toma como objeto de investigação o “ser” (social) do futebol-espetáculo e sua correspondente economia política no contexto tardio do capitalismo. Tão logo, seu objetivo (geral) é o de apreender (e explicar) o “ser social” do futebol-espetáculo – como fenômeno sócio-histórico e processo cultural – da(na) sociedade tardo-burguesa, assim como a configuração e o comportamento de sua correspondente economia política. Para tanto, busca (como objetivos específicos) refletir e construir um painel geral daquilo que, na atualidade, constitui o futebol-espetáculo; identificar e analisar os processos que avalizaram a entrada e a ingerência de interesse mercantis e capitalistas na modalidade; e, por fim, tornar inteligível a economia política do objeto sociocultural em destaque. Nesses termos, seu desenrolar comprometeu revisão de literatura (sistemática e exploratória), pesquisa documental e análise/discussão teórica. Os resultados, num primeiro momento, apontam para a industrialização do futebol a partir dos anos 1980: um movimento complexo e abrangente que envolve, dentre outras coisas, a transformação (ou pelo menos a readequação) do futebol segundo a lógica da mercadoria e do capital, isto é, um processo que ocorre mediante a ascensão do empresariamento; da espetacularização; da mundialização dos mercados; da concentração e centralização de recursos e capitais; da desterritorialização de sua força de trabalho; do estabelecimento de um complexo socioeconômico (mundial) de caráter desigual e combinado; e, também, de uma relação (orgânica) com setores produtivos e improdutivos que o coloca como plataforma de comunicação; bem como, a incorporação da ciência e tecnologia em sua cadeia produtiva; e a implementação de dinâmicas expropriatórias com vistas à exasperação da propalada industrialização. Num segundo instante, este trabalho localiza a raiz histórica do aludido processo já nos anos setenta, aquando clubes, ainda sem finalidade lucrativas, deram vazão a um programa de atividades mercantis simples, que, mais tarde, afiançaria a industrialização em voga. Num terceiro e último momento, reconhece e problematiza a emergência de um “complexo cultural de futebol e mídia” cujas relações de produção, circulação e consumo estão submetidas/atravessadas/atarantadas por um conflito matizado, aberto e em curso, entre as forças do capital e os fundamentos de um bem cultural com fortes e arraigados laços sociais/comunitários; ademais, em função desse conflito, sustenta que a economia política da modalidade – aparentemente capitalizada – funciona/opera de modo especulativo e parasitário a partir de dívidas e receitas externas (preexistentes). Por fim, além de assinalar uma agenda de pesquisa – abrangente e complexa, defende o futebol e suas expressões culturais como um antivalor/uma antimercadoria e(ou) um satisfador universal de necessidade e, como tal, imprescindível à elevação da cidadania cultural do conjunto da humanidade.

Palavras-chave: Futebol-espetáculo. Economia Política. Capitalismo Tardio

Abstract

The present thesis takes as its object of investigation the (social) “being” of the spectacle soccer and its corresponding political economy in the late capitalist context. Therefore, its (general) aim is to understand (and explain) the “social being” of the soccer spectacle – as a sociohistorical phenomenon and cultural process – in late bourgeois society, as well as the configuration and behavior of its corresponding political economy. To this end, it seeks (as specific objectives) to reflect on and build a general panel of what constitutes the soccer spectacle today; to identify and analyze the processes that supported the entry and interference of mercantile and capitalist interests in the sport; and, finally, to make intelligible the political economy of the sociocultural object in question. In these terms, its development involved a literature review (systematic and exploratory), documentary research, and theoretical analysis/discussion. The results, in a first moment, point to the industrialization of soccer since the 1980s: a complex and comprehensive movement that involves, among other things, the transformation (or at least the readjustment) of soccer according to the logic of merchandise and capital, that is, a process that occurs through the rise of entrepreneurialism; of spectacularization; of the globalization of markets; of the concentration and centralization of resources and capital; of the deterritorialization of its workforce; of the establishment of a (worldwide) socioeconomic complex of unequal and combined character; and, also, of an (organic) relationship with productive and unproductive sectors that places it as a communication platform; as well as, the incorporation of science and technology in its productive chain; and the implementation of expropriatory dynamics with a view to the exasperation of the proclaimed industrialization. In a second moment, this work locates the historical root of the alluded process already in the seventies, when clubs, still not for profit, gave birth to a program of simple mercantile activities, which, later on, would support the industrialization in vogue. In a third and last moment, it recognizes and problematizes the emergence of a “cultural complex of soccer and media” whose relations of production, circulation and consumption are subjected/attacked/attracted by a nuanced conflict, open and ongoing, between the forces of capital and the foundations of a cultural asset with strong and deep-rooted social/community ties; moreover, in function of this conflict, it argues that the political economy of the sport – apparently capitalized – works/operates in a speculative and parasitic way from external (pre-existing) debts and revenues. Finally, besides pointing out a research agenda – comprehensive and complex, it defends soccer and its cultural expressions as an anti-value/anti-commodity and(or) a universal satisfier of need and, as such, indispensable to the elevation of the cultural citizenship of humanity as a whole.

Keywords: Soccer-Spectacle. Political Economy. Late Capitalism.

Sumário

PREFÁCIO-PROTESTO – ANOTAÇÕES SOBRE O CONTEXTO DA ESCRITA, 20

1 INTRODUÇÃO, 21
PARTE I
INDUSTRIALIZAÇÃO, FUTEBOL-ESPETÁCULO E CAPITALISMO TARDIO, 38
2. INDUSTRIALIZAÇÃO, FUTEBOL-ESPETÁCULO E CAPITALISMO TARDIO: DEZ TESES SOBRE O PRESENTE (E O FUTURO) DO FUTEBOL, 39
2.1 Da cultura associativa sem fins lucrativos ao empresariamento do futebol: uma nova ordem – 1ª tese, 40
2.2 A “nova” administração do futebol: mutações gerenciais e administrativas orientadas pelo/para o mercado – 2ª tese, 49
2.3 A espetacularização do futebol na era da acumulação flexível: o mundo das telas, a desmaterialização, e a imagem como mercadoria – 3ª tese, 64
2.4 O futebol-espetáculo como plataforma de comunicação publicitária: inovação estética e a construção da “aura mágica” das mercadorias – 4ª tese, 72
2.5 A incorporação da ciência & tecnologia no futebol: o advento de uma nova atmosfera cultural – 5ª tese, 86
2.6 A expansão dos mercados do futebol-espetáculo: a busca (interminável) pelo Eldorado – 6ª tese, 97
2.7 Centro e periferia: o desigual e o combinado na estrutura socioeconômica do futebolespetáculo – 7ª tese, 112
2.8 A desterritorialização da força de trabalho: a atração (quase fatal) pela Europa – 8ª tese, 130
2.9 Oligopólio [e a concentração/centralização de recursos] no futebol – 9ª tese, 146
2.10 Intensificação da industrialização do futebol: advertências sobre os recentes [e violentos] processos de expropriação – 10ª tese, 161

PARTE II
ECONOMIA POLÍTICA DO FUTEBOL-ESPETÁCULO, 179
3. A ACUMULAÇÃO PRIMITIVA DO FUTEBOL, 180
3.1 Do moderno ao contemporâneo: reflexões sobre a gênese e o desenvolvimento do esporte, 181
3.2 Amadorismo e profissionalismo no esporte: análises a partir do futebol, 189
3.3 A década de 1970 e a consolidação da mercantilização/mercadorização e espetacularização do futebol, 195

4. ESBOÇO (DA CRÍTICA) DA ECONOMIA POLÍTICA DO FUTEBOL: NOTAS INTRODUTÓRIAS, 199
4.1. Anatomia e fisiologia da cadeia produtiva do futebol: apontamentos sobre a irrupção de um complexo cultural de futebol e mídia (1ª nota), 202
4.1.1 Sobre as mercadorias culturais esportivas e sua natureza instável e afrouxada, 211
4.1.1.1 Direitos de transmissão: o “pedágio” pago pela propriedade, 214
4.1.1.2 O espetáculo nos estádios: uma mercadoria frouxa e desembrulhada, 215
4.1.1.3 O jogador de futebol e seu duplo estatuto: a passagem de pessoa à coisa, 218
4.1.1.4 O telespetáculo de futebol como paródia (melhorada), 220
4.1.1.5 A audiência ou quando o público é um(o) produto, 222
4.2 A especificidade da valorização de capital na indústria de futebol (2ª nota), 223
4.3 O ímpeto de crescimento da moderna indústria do futebol-espetáculo: o viço dos titãs (3ª nota), 230
4.4 Economia da dívida e governo de endividamento: o “nervo exposto” da indústria do futebol (4ª nota), 240

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS, 250
REFERÊNCIAS, 258
GLOSSÁRIO, 290

Referência

REIS, Nadson Santana. Esboço da crítica da economia política do futebol. 2022. 304 f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade de Brasília, Brasília, 2022.
Cadastre-se para receber novidades