121.34

A morte do zagueiro Vágner Bacharel: erro médico ou fatalidade?

Fábio Areias 26 de julho de 2019

Vágner de Araújo Antunes foi o típico boa praça carioca. Nascido e criado em Madureira, encarava as dificuldades da vida com um sorriso no rosto, um vistoso bigode e um pagode na vitrola. O apelido surgiu por chamar a todos de bacharel.

No final dos anos 1970, começou em sua Madureira os primeiros passos para ser jogador de futebol. Era um zagueiro raçudo, mas também elegante e com uma habilidade acima da média para a posição. Poderia até ser meia.

Após defender as cores do tricolor suburbano, Vágner Bacharel passou por Joinville, Internacional e Cruzeiro até chegar em 1983 ao Palmeiras (sua passagem mais marcante no futebol). Chegou com desconfiança da torcida, mas aos poucos conquistou sua titularidade e foi até cogitado para a seleção brasileira.

Imagem: You Tube
Foto: Reprodução/YouTube.

Palmeiras: só faltou o título

Bacharel foi um dos poucos destaques do alviverde nos anos 1980, mais conhecida como a “década perdida” para o Palmeiras e para a economia brasileira. Um período maldito na história do clube em que eram montados times limitados e como consequência sofria amargos fracassos.

A grande chance de Vágner ser campeão pelo Palmeiras surgiu no Campeonato Paulista de 1986. Após eliminar o Corinthians na semifinal, bastava ao clube vencer na final a Internacional de Limeira em dois jogos no Morumbi. Com bons nomes como Éder Aleixo, Mirandinha, Jorginho e Gérson Caçapa, a fatura parecia liquidada. Mas para incredulidade da torcida palmeirense, a Inter conquistou o título e impediu o fim do tabu verde (que àquela altura completava 10 anos). Porca Miséria!

Em 1987, era hora de procurar novos ares. O atleta vai para o Botafogo e depois desfila seu bigode por Sport, Guarani (perde o título paulista de 1988 para o Corinthians com um gol sofrido na prorrogação), Fluminense, Vila Nova, até chegar em dezembro de 1989 ao recém-nascido (ou recém-fundido) Paraná Clube.

Vágner Bacharel. Foto: Reprodução/Mauro Beting/Nosso Palestra.

Paraná: o último desafio

O Paraná Clube foi fundado em 19 de dezembro de 1989 e era uma fusão entre os clubes Colorado Esporte Clube e Esporte Clube Pinheiros, ambos de Curitiba e com história no futebol paranaense (o Colorado foi campeão estadual em 1980 e o Pinheiros em 1984 e 1987). Uma ousada iniciativa de união: o vermelho do Colorado (com grande torcida, mas desorganizado administrativamente) e o azul do Pinheiros (com grande patrimônio, mas com poucos torcedores). A junção de forças para maiores ambições no futebol brasileiro.

Com 35 anos, Bacharel já estava nas páginas finais de sua carreira no futebol e aceitou o desafio de jogar no primeiro elenco do Paraná Clube. Acaba capitão da equipe e mostra toda a sua liderança em campos paranaenses até o fatídico sábado de 14 de abril de 1990.

A tragédia

Durante a partida contra o Campo Mourão, Vágner chocou-se de cabeça com o jogador adversário Charuto. Um lance forte, porém tão comum quanto aos que ocorrem atualmente em uma partida de futebol. Após ficar desmaiado por alguns minutos, o atleta foi encaminhado para o Hospital Evangélico onde ficou internado por dois dias em observação. Na unidade, ele recebeu o diagnóstico de uma lesão leve e a receita de tomar analgésicos para dor de cabeça e Plasil, remédio contra vômitos.

Nenhum médico desconfiou que um choque de cabeça poderia causar uma lesão neurológica. Foi realizada uma radiografia na coluna, mas não uma tomografia do crânio. O atleta chegou até a dar entrevista no leito do hospital e fazer sinal de positivo. Parecia ter sido só um susto e em breve já estaria de volta aos campos.

Ao retornar para casa, Bacharel sentiu forte dores, sofreu uma convulsão e retornou ao hospital horas depois. Ao finalmente fazer uma tomografia foi constatado um traumatismo craniano e um caso muito mais grave do que fora diagnosticado anteriormente. Após entrar em coma profundo, acabou falecendo em 20 de abril de 1990, seis dias após o fatídico lance.

Após a sua morte, a revista Veja publicou matéria de capa sobre o caso e o número elevado de erros médicos no Brasil. O país que há pouco mais de um mês recebera a notícia do confisco das poupanças, parecia em uma fase negra, em que boas notícias não apareceriam nunca mais nas capas de jornais ou revistas. Uma nação em crise econômica, social e de felicidade.

Capa da Veja de 02 de maio de 1990 sobre erros médicos. Foto: Reprodução/Veja Acervo Digital.
Imagem do índice da revista. Foto: Reprodução/Veja Acervo Digital.
Imagem de parte da matéria de capa que destaca o caso de Vágner Bacharel. Foto: Reprodução/Veja Acervo Digital.

O atleta sobreviveria se o traumatismo fosse diagnosticado logo que foi internado? Difícil afirmar… infelizmente partiu um dos bigodes mais simpáticos do futebol brasileiro. Madureira chorou.

Seja um dos 26 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Fábio Areias

Formado em Comunicação Social pela ESPM , cocriador do site Extracampo, projeto que busca apresentar as entrelinhas do futebol e seu impacto na sociedade e vida das pessoas.

Como citar

AREIAS, Fábio. A morte do zagueiro Vágner Bacharel: erro médico ou fatalidade?. Ludopédio, São Paulo, v. 121, n. 34, 2019.
Leia também:
  • 121.40

    Copa América 2019: a “elitização” das arquibancadas

    Gabriel Sulino Martins
  • 121.39

    O jubileu de ouro de uma torcida organizada: ditadura, democracia e a construção da memória dos Gaviões da Fiel (1969-2019)

    Bernardo Borges Buarque de Hollanda, Vitor dos Santos Canale
  • 121.38

    Onde fica o futebol brasileiro?

    Diogo Corrêa Meyer