128.28

Poesia de uma perna só

Cláudia Samuel Kessler 25 de fevereiro de 2020

Veio ao mundo peralta
Alegre, faceira, claudicante
Meio sem jeito, aprendeu a engatinhar
Foi ganhando seu espaço
Pequena, marota, a saltitar

Pulou daqui, pulou de lá
E veio parar no Ludopédio
Buscou na rima seu remédio
Sem saber como parar

Queria muito melhorar
E fez da rima uma obstinação
Cada verso, cada forma, cada jeito
Cada pedaço, cada linha
Dava voz à exceção

Contra qualquer evidência
Neste mundo de eficiência
Com ginga e malemolência
Iniciou uma revolução!

 

Composição a partir de figura de livre acesso de FreePics

 

Seja um dos 25 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Cláudia Kessler

Jornalista e cientista social. Doutora em Antropologia Social (UFRGS).

Como citar

KESSLER, Cláudia Samuel. Poesia de uma perna só. Ludopédio, São Paulo, v. 128, n. 28, 2020.
Leia também:
  • 128.33

    Garrincha no desfile da Mangueira em 1980: um samba com um bocado de tristeza

    Fábio Areias
  • 128.32

    Lionel Messi: a complexidade da criação de um gênio

    Gabriel Sulino Martins
  • 128.31

    Hungria: a mãe esquecida do futebol – Parte I

    Gabriel Said