167.5

2005/09: a Era do Wigan que assustou a Premier League

Gabriel de Oliveira Costa 5 de maio de 2023

No início de 1995, o Wigan Athletic era apenas um modesto time inglês da terceira divisão, até que Dave Whelan – CEO da JJB Sports, adquire o clube. Junto do trio Roberto Martínez, Isidro Díaz e Jesús Seba, os três espanhóis foram pilares na remontagem do futebol que levaria o clube ao sucesso na Premier League. Entretanto o projeto demorou para decolar, onde somente em 2002/03 o Wigan iria sair da terceira divisão, conquistando o título e 100 pontos na League Two. A ascensão meteórica seguiria nas temporadas seguintes, ao bater o Crystal Palace nos play-offs de acesso da League One e subindo junto ao Sunderland, sua primeira vez em 73 anos de história.

A primeira temporada na elite inglesa foi memorável, um 10º lugar. Além disso, o Wigan consegue eliminar o Arsenal na Copa da Liga, nas semifinais e perdeu o título para o Manchester United. Além disso, como cartão de entrada, seu zagueiro Pascal Chimbonda esteve na seleção da Premier League 2005/06. Após isso, nos próximos anos o Wigan se desapegaria de ídolos com idade mais avançada, como Arjan De Zeeuw e apostaria em jovens tipo Antonio Valencia, que faria carreira de longos anos no Manchester United.

Emile Heskey foi o primeiro atleta do Wigan a ir à seleção inglesa (Divulgação)
Emile Heskey foi o primeiro atleta do Wigan a ir à seleção inglesa. Fonte: Divulgação

Ainda assim, já estável na Premier League, o Wigan em 2007/08 conquistou o feito de ter seu jogador na seleção inglesa: Emile Heskey. Apesar de Chris Kirkland ter sido chamado antes, o jogador estava emprestado ao Liverpool e portanto não integrava o plantel do time. Nessa época o Wigan pela primeira vez tirou pontos de algum time integrante do chamado “Big Four”, na época. O empate com o Liverpool (1×1) em Anfield, foi fundamental na campanha já modesta – 14º lugar, com 40 pontos.

Ápice

Em meados de 2009 o Wigan renovaria um contrato milionário com a Sportswear. Essa vínculo permitiu investimentos maiores no time, como Lee Catermole, que saiu do Middlesbrough por 3,5M de libras. Além desse feito, o Wigan também faria boas vendas, elevando o caixa do clube, com as saídas de Wilson Palacios (Tottenham), Valencia (Man. Utd) e Heskey (Aston Villa). Após terminar a temporada sem sustos, em 11º lugar, o Wigan traria Roberto Martínez para ser técnico. 

Martínez, como citado, enquanto jogador esteve no Wigan durante 1995/2001, após aquisição da JJB. Sua vinda foi fundamental para o Wigan evitar o rebaixamento, incluindo uma vitória sobre o Liverpool por 1-0 e a memorável virada sobre o Arsenal (3-2) na reta final da Premier League. Por fim, o Wigan também venceria o Chelsea naquela temporada, o que pela primeira vez foi marco do clube em vencer 3 dos 4 grandes ingleses do período.

Em 2013, Wigan é campeão da FA Cup em cima do Manchester City (Divulgação)
Em 2013, Wigan é campeão da FA Cup em cima do Manchester City. Fonte: Divulgação

A queda

Entretanto, depois do voo em chegar na Premier League e se tornar estável, o Wigan viveria ainda seus últimos suspiros até 2012/13. Ainda que sob comando de Roberto Martínez e o título inédito da FA Cup sobre o já rico Manchester City (1×0, gol de Ben Watson), o clube pela primeira vez era rebaixado.

Sendo assim, depois de chegar à elite em 2005, o Wigan viveria na Premier League até 2013. A Era Martínez chegaria ao fim com a ida do treinador ao Everton e desde então o clube jamais voltou para a Premier League.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Ludopédio.
Seja um dos 14 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Gabriel de Oliveira Costa

Jornalista carioca, tenho 22 anos. Apaixonado por futebol, fator principal pelo qual sou motivado para trabalhar com  a comunicação social, desde março realizo trabalhos direcionados ao conteúdo esportivo. Há dois anos trabalho com pautas de economia e política.

Como citar

COSTA, Gabriel de Oliveira. 2005/09: a Era do Wigan que assustou a Premier League. Ludopédio, São Paulo, v. 167, n. 5, 2023.
Leia também: