129.4

A violência do singular: o esporte e o papel da masculinidade predominante

Fidel Machado 4 de março de 2020

Tomarei a liberdade da escrita para versar sobre uma temática que muito me afeta e inquieta, a saber, o esporte e a vigência de uma masculinidade singularizada no campo esportivo. A princípio, adianto que a proposta aqui anunciada é, declaradamente, ensaística e exploratória. O intuito é gerar a problematização e, sobretudo, a reflexão.

Há algumas semanas, assisti a um documentário nomeado The mask you live, dirigido por Jennifer Siebel Newsom, que aborda a questão da formação das crianças americanas no interior de uma cultura com traços, arraigadamente, patriarcais. De maneira provocativa, Jennifer nos convida a refletir e questionar sobre as imposições sociais que supervalorizam comportamentos hipermasculinizados. Essa supervalorização exerce diversos efeitos na formação de crianças no que tange a verbalização e a relação com os afetos e os sentimentos de forma geral. Um detalhe chamou, particularmente, minha atenção. De forma reiterada e objetiva, o esporte é posto em pauta, como um local ambivalente. Em certa medida, ele pode reforçar e estimular uma certa singularização de masculinidade agressiva, viril e performática. Todavia, dada essa condição primeira, o esporte também pode ser muito potente no que tange à reflexão e à problematização da cristalização desse papel dominante e dessa singularidade do ser homem. Ressalto que a proposta dessa obra americana é semelhante ao projeto que deu origem ao documentário brasileiro chamado: O silêncio dos homens.

Sarrada no ar do futebolista Sassá é um exemplo de masculinidade tóxica. Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro.

O esporte é presente na minha vida desde criança. Transitei entre o caratê, capoeira, muay thai, futsal, natação, atletismo até que parei no vôlei e lá permaneci por longos anos. Durante esse período, ouvi, recorrentemente frases, como “bate feito homem”; “não vai chegar a lugar nenhum com essa mão de moça”; “sai daí, mulherzinha”; “aqui é lugar de homem”; “quer moleza? Faz balé”; “Isso não pode. É coisa de menina”. Essas são algumas poucas de muitas frases que vários meninos, assim como eu, ouvem, ouviram e ainda ouvirão em diversos setores e o contexto esportivo, de certa forma, potencializa esse tipo de comentário. Por mais normalizadas que essas frases sejam na nossa sociedade, os seus efeitos são incalculáveis. A nossa sociedade normaliza frases e comportamentos que, incalculavelmente, estruturam nossa forma de agir, de pensar e de sentir.

O efeito colateral de todos esses ditames é uma ojeriza às características tidas como femininas, uma incapacidade de lidar com os sentimentos, uma impotência de explorar e de sentir o mundo erógeno e gigantesco do próprio corpo. Uma fixação no falo e uma ausência gritante da fala. Uma redução do todo para uma paranoia em ser e só fazer coisa de homem ainda que isso custe um alto preço psíquico.

Na construção dessa identidade masculina com todos os adjetivos másculos, as características tidas e construídas contingencial e historicamente como boas são, automaticamente, coladas. Dessa forma, tudo aquilo que fugir dessa conjuntura é tido como ruim ou errado, logo tem de ser evitado. A singularização e sedimentação dessa ilusória identidade com pretensão universal e totalizante é danosa, pois descarta toda e qualquer forma de ser homem que fuja desse padrão. Não há espaço para fraquejadas. O esporte, por sua vez, tem contribuído, muitas vezes, para enfatizar das mais variadas maneiras esse script do dever-ser homem e do dever-ser mulher. Os demais corpos que não se adequam a essa fôrma são tidos como abjetos e não raramente são alvo de chacotas.

Performances de muitas mulheres costumam reproduzir às de homens, como se outros tipos não fossem possíveis. Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC/Getty Images/UFC/Divulgação.

Diante do exposto, haveria alguma relação entre os episódios de agressões, brigas entre atletas, entre atletas e arbitragem e demais possibilidades com essa masculinidade singularizada? A agressividade e, muitas vezes, a violência seria uma característica valorizada e, de certa forma, aceita nesse cenário másculo e viril? Dificilmente vemos notícias de violência protagonizadas por mulheres no cenário esportivo. Seria esse mais um indício do que se espera da performatização desses papéis e desse dever-ser homem e dever-ser mulher?

Seria injusto e leviano da minha parte, além de ser uma enorme incoerência lógica abordar o esporte somente por um viés imutável. Penso que o esporte possa ser mais um local propício e profícuo para problematizarmos essas questões. Uma forma de repensar. Afinal de contas, jogo bom é jogo jogado em meio ao caldeirão de diferenças. Pluralizar esses corpos e essas formas de sermos humanos. Enfim, fica o convite para repensarmos essas formas e essas fôrmas e, quem sabe assim, possamos dar vez e voz às diversas maneiras de ser, de seres.

Seja um dos 9 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Fidel Machado

Bacharel em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Filosofia e Estética do Movimento (GPFEM - Unicamp).

Como citar

MACHADO, Fidel. A violência do singular: o esporte e o papel da masculinidade predominante. Ludopédio, São Paulo, v. 129, n. 4, 2020.
Leia também:
  • 129.38

    A “Primavera” do futebol feminino (1940-1941)(2ª e última parte)

    Denaldo Alchorne de Souza
  • 129.37

    Quando a bola precisou parar

    Museu do Futebol
  • 129.36

    #MeuRival: A alma tricolor e o amor inútil

    Alexandre Lyrio