132.32

Arena da Baixada: de granja a palco da Copa do Mundo

O estádio, que hoje é casa do Athletico Paranaense, nasceu antes mesmo do surgimento oficial do Furacão e foi se desenvolvendo com o clube, até se tornar um dos mais modernos do mundo

Com o nome oficial de Joaquim Américo Guimarães, o estádio foi o primeiro do Estado do Paraná e desde então é sinônimo de evolução e pioneirismo, quando se fala em palcos do futebol no Brasil. Antes, para começar a entender a história, é preciso saber quem foi o homem que dá nome a Arena.

Joaquim Américo Guimarães foi fundador e presidente do Internacional Foot-Ball Club e organizador das primeiras competições de futebol no estado do Paraná, ainda em 1910. Para dar uma casa ao seu clube, ele alugou em 1912 uma chácara localizada no bairro Água Verde, onde seria a sede e o campo oficial do Internacional FC.

A Baixada do Água Verde, 1913. Foto: Reprodução/Athletico Paranaense.

A concretização do sonho não demorou e logo foi construída uma arquibancada de madeira para abrigar os torcedores que acompanhavam as partidas dos torneios amadores realizados por Américo, antes da criação do Campeonato Estadual. No ano seguinte, em dezembro de 1913, um grande festival esportivo, com a presença de 1.500 torcedores, inaugurou oficialmente a praça esportiva, então chamada de Baixada do Água Verde.

No ano seguinte, o estádio pioneiro do Paraná sediou o primeiro jogo oficial do Flamengo fora do Estado do Rio de Janeiro. O Rubro-Negro carioca foi até a capital paranaense para enfrentar o Internacional, na primeira partida interestadual da história de Curitiba. O placar do jogo foi um estrondoso 7 a 1 para os cariocas.

Primeira edição do Campeonato Paranaense

Baixada do Água Verde recebeu todos os jogos do primeiro Campeonato Paranaense. Foto: Wikipedia.

Em 1915, o estádio recebeu todos os jogos do Campeonato Paranaense. O campo era o único com condições adequadas em Curitiba para receber as partidas. Para coroar e acentuar o pioneirismo do campo, o Internacional, time da casa, foi o vencedor da competição com a incrível campanha de dez vitórias em dez jogos. Aquela foi a primeira e única conquista oficial da equipe.

Dois anos mais tarde, em 1917, Joaquim Américo morreu, aos 38 anos de idade, e não teve a oportunidade de ver o seu Internacional se fundir ao América para dar vida ao Club Athletico Paranaense, oficialmente fundado em 26 de março de 1924. O novíssimo clube de futebol curitibano acabou herdando o patrimônio de seu antecessor, e manteve a sede na chácara alugada junto à família Hauer, prorrogando o período de aluguel do imóvel.

Um ano após a fundação, o Furacão deu sua primeira mostra de que nasceu para ser um campeão, e depois de uma campanha quase perfeita, com oito vitórias, três empates e apenas uma derrota, o recém-nascido time foi campeão paranaense pela primeira vez, e jogando em seu estádio, venceu o Savóia por 3 a 1 na decisão.

Aquisição definitiva e evolução da Baixada do Água Verde

Já na década de 1930, o clube finalmente conseguiu a posse definitiva do terreno que se mantinha alugado. Um outro terreno, localizado no Juvevê, bairro da capital paranaense, foi dado em troca do lugar onde era instalado o Furacão. Só aí, o estádio ganhou o nome de Joaquim Américo Guimarães, que mantém até hoje, em homenagem ao visionário que impulsionou o futebol no estado e fundou o clube que mais tarde deu vida ao hoje Athletico, campeão do Brasil e da Sul-Americana.

Seguindo sua linha de inovação, o primeiro estádio de futebol do Paraná partiria agora para outra fase de sua história, e as primeiras arquibancadas de madeira, construídas antes de existir o Athletico Paranaense, deram lugar a assentos de concreto em 1937, e assim permaneceu até sua ampliação, em 1967, quando foram construídos novos degraus, dando mais espaço para a torcida do Furacão que ainda iria crescer e viver muitas glórias nas décadas seguintes.

Após essa fase, o Joaquim Américo passou anos estagnado, e só no ano de 1980 viu uma novidade, quando foram instaladas as torres de iluminação elétrica do estádio, após doações de torcedores apaixonados. No entanto, a nova reforma não foi suficiente diante de anos tenebrosos vividos pelo Furacão dentro de campo, que acabou refletindo nas finanças do clube, e isso acabou deixando o primeiro estádio de futebol do Paraná bastante defasado em relação ao Couto Pereira, a casa do arquirrival Coritiba.

Anos difíceis longe de casa

Com tudo isso, a direção do Athletico resolveu mudar drasticamente e, em 1986, optou por deixar de mandar seus jogos no lendário estádio, se desfazendo da cobertura e das torres de iluminação que há pouco havia adquirido. A partir de então, os jogos do clube eram disputados no Estádio Pinheirão, recém reformado pela Federação Paranaense de Futebol. Algumas propostas foram feitas no intuito de transformar a velha Baixada em um novo empreendimento, e entre elas, até a de construção de um shopping center. No entanto, nada foi feito, e o campo que agora estava sendo usado apenas para treinamentos e categorias de base, se manteve, quase que esquecido, mas imponente e histórico.

Durante sua estadia no Pinheirão, o Rubro-Negro viveu dias difíceis, com poucas glórias. O clube seguiu no campo da FPF até que a torcida não aguentou mais e iniciou um movimento para retornar à antiga Baixada do Água Verde. A ideia foi comprada pelo então presidente atleticano, José Carlos Farinhaki, que deu início ao projeto da nova Baixada em 1992, com uma reforma que durou dois anos.

Finalmente, em 1994, a reforma foi concluída e o Furacão voltou a atuar na sua casa novamente. Em 22 de maio o estádio foi reinaugurado, com uma partida contra o Flamengo, o mesmo que 80 anos antes havia protagonizado a inauguração da praça esportiva contra o Internacional, clube predecessor do Athletico. Desta vez o clube carioca saiu derrotado, pois Ricardo Blumenau, nos minutos finais, tratou de fazer 1 a 0 para o Furacão.

Surgimento da Arena da Baixada

Pensando em voos cada vez maiores, a velha Baixada não durou muito e em 1997 a direção do clube tomou uma decisão que mudaria definitivamente a história atleticana. O estádio octogenário seria demolido, para dar lugar a um nova e moderna arena, que mais uma vez fez jus a sua característica de pioneirismo. O projeto custou cerca de U$ 35 milhões e parte foi custeado com a venda dos atacantes Oséas e Paulo Rink para Palmeiras e Bayer Leverkusen (ALE) respectivamente.

Athletico Paranaense x Sport na Arena da Baixada, em jogo válido pelo Brasileirão 2009. Foto: Wikipedia.

A construção da nova casa rubro-negra durou dois anos, e em 24 de junho de 1999 o Athletico Paranaense inaugurava a novíssima Arena da Baixada como conhecemos hoje, considerada à época a mais moderna arena da América Latina. Neste dia, os torcedores, em sua nova casa agora com capacidade para 32.000 pessoas, puderam comemorar mais uma vitória, desta vez contra o Cerro Porteño (PAR), por 2 a 1.

Copa do Mundo: o auge da Arena

Após o anúncio do Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014, a Arena da Baixada passou a ser fortíssima candidata a receber jogos da competição, por ser, ao lado do Engenhão, recém-construído, o estádio mais moderno do Brasil. A confirmação veio em 2009, dois anos após o anúncio do Brasil como país sede. No entanto, com toda a modernidade, a Arena da Baixada precisaria passar por mais uma reforma.

Antes de entregar a Arena para a reforma, o Furacão viveu uma página amarga da sua história, quando em 2011 foi rebaixado para a Série B do Brasileirão, mesmo tendo vencido o rival Coritiba na última partida dentro da antiga Arena da Baixada.

A reforma para ficar no Padrão FIFA durou pouco mais de dois anos, e foi concluída já no ano do mundial. A inauguração aconteceu diante do Corinthians, em um amistoso no qual os paulistas venceram por 2 a 1, no dia 14 de maio de 2014.

O primeiro jogo da Arena da Baixada na Copa do Mundo foi o empate sem gols entre Irã e Nigéria. Foto: Wikipedia.

Evento teste feito e a próxima partida recebida já valeria pela Copa do Mundo. O jogo entre Irã e Nigéria terminou empatado em 0 a 0, mas marcou a Arena da Baixada, por sua primeira partida do mundial. Honduras 1 a 2 Equador, Austrália 0 a 3 Espanha e Argélia 1 a 1 Rússia foram os outros jogos da Copa disputados no estádio.

Em mais de um século de história, quem olha para a moderníssima arena pode até não acreditar, mas aquele é o estádio que começou em uma granja na capital paranaense e chegou a um dos mais altos níveis do futebol mundial.

Seja um dos 26 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Jaqueilton Gomes

Jornalista em formação, amante do futebol e comentarista no Universidade do Esporte

Como citar

GOMES, Jaqueilton. Arena da Baixada: de granja a palco da Copa do Mundo. Ludopédio, São Paulo, v. 132, n. 32, 2020.
Leia também:
  • 132.74

    Transexuais e a garantia de direitos através dos regulamentos esportivos

    Regis Fernando Freitas da Silva
  • 132.73

    18 anos sem Roberto Drummond, o “elemento comunista” das crônicas esportivas

    Mariana Brescia
  • 132.72

    Deuses do Futebol – sincretismo São Cosme e Damião, Bebeto e Romário

    Guilherme Trucco