165.28

Férias forçadas e o roteiro repetido

Gabriel Bernardo Monteiro 28 de março de 2023

No último dia 12, o Corinthians se despediu do Campeonato Paulista de 2023 perdendo nos pênaltis para a fraquíssima equipe do Ituano. Algo que por si só já seria lamentável para uma equipe desse tamanho, mas que faz parte de um roteiro que se repete bastante nos últimos anos, já que desde a criação do Camisa 012 inúmeros foram os textos falando sobre um novo treinador com menos de 2 meses na função e que é questionado pelo seu trabalho por alguma eliminação no Estadual mais difícil do país. Há 5 anos o Corinthians não inicia e finaliza uma temporada com o mesmo treinador, com o mesmo trabalho e com uma estabilidade para os profissionais exercerem o máximo do seu desempenho.

O clube nos últimos anos vive sempre um novo trabalho, uma oscilação, uma gestão diferente, conteúdos novos, e o elenco tendo que se enquadrar a tudo isso a todo ano. Enquanto seu maior rival mantém o português e colhe os frutos de chegar a 11 finais em 3 anos, nós pelejamos para chegar em 2 no mesmo período e sem saber muito como chegamos e nem quando chegaremos, mas está claro que precisamos em algum momento acreditar em um trabalho a longo prazo.

Fernando Lázaro
Fernando Lázaro. Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians/Fotos Públicas

Hoje a pressão da torcida (que muitas vezes mais atrapalha do que ajuda) já fez com que Roberto de Andrade pedisse o boné do cargo de diretor, mesmo fazendo um trabalho razoável para bom nos bastidores, já que o clube terminou com 70% dos contratos profissionais durante a gestão e conseguiu direcionar os recursos para jogadores relevantes que antes pareciam inimagináveis. A equipe que em 2020 era candidata ao rebaixamento, hoje sofre pressão quando não termina entre os 4 primeiros colocados de alguma competição. A equipe que já teve Rodrigo Varanda e Léo Natel como dupla de ataque, hoje pode se dar ao luxo de ter Roger Guedes e Yuri Alberto que juntos montam uma dupla acima da média para o futebol brasileiro. A equipe que já teve Ramiro e Camacho como dupla de volantes titulares, pode ter Fausto Vera e Maycon como reservas. A melhora do elenco é notória, e mesmo ainda não sendo um elenco como de Palmeiras, Flamengo e Galo, temos um elenco capaz de competir na primeira parte de todas as competições.

Que as férias forçadas que a eliminação trouxe, seja bem utilizada para Lázaro solidificar conteúdos e, com isso, trazer a tão necessária estabilidade que estamos buscando. E se o nosso rival secundário empilha fracassos anualmente, um mais vexaminoso do que o outro, e ainda assim mantém seu treinador, porque não podemos respaldar e esperar um pouco mais do trabalho do Fernando? Fica a pergunta.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Ludopédio.
Seja um dos 16 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Gabriel Bernardo Monteiro

Graduado em Educação Fisica pela Universidade Estadual de Campinas

Como citar

MONTEIRO, Gabriel Bernardo. Férias forçadas e o roteiro repetido. Ludopédio, São Paulo, v. 165, n. 28, 2023.
Leia também:
  • 178.14

    Racismo: Vinícius Jr. e a nova fronteira do preconceito no esporte

    José Paulo Florenzano
  • 178.13

    História e contemporaneidade dos festivais na várzea paulistana

    Alberto Luiz dos Santos, Aira F. Bonfim, Enrico Spaggiari
  • 178.12

    Jogo 2: Estreia da Arena na Libertadores

    Gustavo Cerqueira Guimarães