01.5

Wembley

Marco Antunes de Lima 17 de julho de 2009

Billy, acompanhado de seu montador, o policial George Scorey tentavam afastar a multidão e colocá-la para fora das linhas do campo do jogo. Era tanta gente que enquanto a polícia não fizesse a contenção a partida não poderia se iniciar. O rei e os seus súditos tiveram que esperar por mais de 45 minutos até o início da partida.

Billy, no outro dia apareceu em todos os jornais em uma memorável foto do dia que ficou conhecido como a final do Cavalo Branco. O cavalo, na verdade era acinzentado, mas como a qualidade da fotografia não era das melhores acabou se tornando branco.

O dia do episódio foi o dia 23 de Abril de 1923. A final a que nos referimos foi a final da Copa FA (torneio mais antigo do mundo ainda praticado) entre Boltol Wanderers e West Ham United. Mas a quantidade enorme de gente que se encontrava em volta do campo aquele dia (por volta de 240 mil pessoas, segundo alguns registros) não estavam lá apenas para torcer para uma das agremiações; estavam sim, para prestigiar a inauguração do Empire Stadium, maior estádio já construído até a época e que ficaria conhecido pelo nome da região que se encontrava, Wembley, “o templo do futebol”.

O famoso e venerado Wembley Stadium não existe mais. Não pelo menos aquele que conhecemos com as torres gêmeas e que foi palco da final da Copa do Mundo de 1966. Este teve as suas portas fechadas em 2000 e depois demolido em 2002 para a construção de um novo e moderno estádio, agora com capacidade para só 90 mil pessoas (o original oficialmente cabia 127 mil), que será oficialmente inaugurado novamente com uma final da Copa FA no dia 19 de maio deste ano.

Wembley não surgiu do nada. Tudo começou ainda no final do século XIX. A região do Wembley Park Leisure Grounds era uma grande área onde existiam campos de futebol e de críquete, pistas de corrida e jardins. Em 1889 sir Edward Watkin, membro do parlamento inglês e responsável pela administração das Linhas Metropolitanas de trem da cidade de Londres resolveu construir uma grande atração turística naquele parque. A atração pensada seria uma grande torre, com 350 metros de altura, nos moldes da Torre Eiffel de Paris, demonstrando aqui uma clara disputa entre as duas maiores metrópoles européias do final do século XIX. O projeto não prosperou e apenas uma parte da torre acabou sendo construída no que ficou conhecido como Watkin´s Fooly, algo como enganação do Watikin´s. A torre parcialmente levantada acabou sendo completamente demolida no ano de 1907.

Com o fim da primeira Guerra Mundial, na Europa devastada e tentando se reerguer o governo inglês, em 1918 começou a pensar em montar uma Exibição do Império Britânico, ainda muito extenso nesse período. Como centro principal dessa exposição imaginou-se em construir uma praça Nacional de Esportes, e o lugar escolhido não seria senão o Wembley Park Leisure Ground. A Exibição estava marcada para o ano de 1924 e era necessário construir algo. Em 300 dias e ao custo de 750 mil Libras Esterlinas foi construído com muito ferro, concreto e aço o Empire Stadium. A sede da Exibição estava pronta.

Cabe compreender as razões do surgimento do famoso estádio de Wembley, tanto na questão dos esportes quanto nas questões que envolvem a política britânica. Grande parte do que conhecemos como esportes surgiram na Inglaterra no final do século XIX, entre eles, é claro, o futebol; o mais popular dos esportes ingleses. No início do século XX o futebol já havia se difundido e popularizado por outras partes da Europa e do Mundo, não sendo algo puramente inglês. Aliás, apesar do esporte já estar espalhado pelo mundo os britânicos ainda permaneciam isolados do resto do mundo nesse quesito, não aceitando pertencer, por exemplo, à FIFA, criada por dirigentes de vários outros países europeus que já possuía em seu corpo de filiados federações do mundo inteiro. Os ingleses precisavam mostrar que ainda eram os grandes “donos” do jogo, e nada melhor do que construir o que seria o maior estádio do mundo à época, demonstrando assim a sua superioridade na organização do esporte. Não é a toa que o primeiro evento ocorrido nesse Estádio Nacional seria um jogo de futebol que seria assistido por mais de 200 mil pessoas. Era uma demonstração da importância e força do futebol inglês perante o mundo. O Empire Stadium não seria apenas uma demonstração do poder do futebol inglês, mas também do poder e grandeza do império inglês.

A princípio o estádio foi construído para ser a sede da Exposição do Império Britânico, e os planos aliás eram que demolido fosse após a Exposição, fato que não ocorreu pois o presidente da Comissão da Exposição Sir James Stevenson pediu para que não houvesse a demolição. O estádio tinha como função, assim como o Crystal Palace em 1851, ser um centro de exposições das conquistas do Império Britânico, tanto das conquistas territoriais (foram 58 países que participaram do evento) como tecnológicas. Era necessário que fosse um espaço majestoso e moderno, demonstrando que o Império Britânico ainda era grande e poderoso, mesmo após a guerra. O novo estádio nacional estava lá para mostrar a grandeza e riqueza da nação, assim como foram construídos posteriormente o Estádio Olímpico de Berlin, o Maracanã no Rio de Janeiro, e os Estádios Nacionais do Leste Europeu.

O Empire Stadium, agora já conhecido como Wembley Stadium felizmente sobreviveu à Exposição e continuou como templo do futebol inglês por muitas décadas,tendo seu momento de esplendor como sede da final da Copa do Mundo de 1966. Mas no final da década de 90 do século passado as autoridades inglesas acharam que Wembley não servia mais para a prática do futebol; não se encontrava mais adaptado para esse novo mundo do futebol que havia surgido alguns anos antes; resolveram não apenas fechá-lo, mas sim demoli-lo para construção de um outro no mesmo local, como ocorrera coma a torre de Watkins.

A idéia agora era construir um novo estádio moderníssimo, que se encaixasse nos padrões atuais dos grandes estádios para a prática do futebol. E assim se fez. Apesar da demora nas obras e a acusação de que o projeto do novo Wembley se parece muito com um projeto que Oscar Niemyer havia feito para a construção de um Estádio Nacional no Rio de Janeiro em 1941, o estádio surgiu. Imponente com o seu arco que se liga de um lado a outro do estádio alcançando 133 metros de altura e que, segundo os ingleses ele iria “causar um efeito dramático no céu de Londres, podendo ser visto por toda a cidade”, o novo Wembley está pronto para o seu pontapé inicial para 90 mil espectadores.

Como anteriormente dito, a construção de um estádio, seja ele de um Wembley, ou de um pequeno estádio em um bairro, possui razões maiores que ultrapassam a questão de ser um lugar para a prática do jogo, e o novo Wembley não é diferente.

O novo estádio representa claramente um símbolo do poderio do futebol inglês perante o mundo. Os ingleses querem mostrar que eles possuem o mais bem organizado futebol do mundo, que possuem o mais rico futebol do mundo, e , no mundo que vivemos hoje é inevitável dizer, o que mais gera lucro do mundo. O novo Wembley é só um exemplo dessa estratégia dos ingleses; outros são o novo estádio do Arsenal; a reforma do Old Tafford, em Manchester; o novo estádio que sairá brevemente em Liverpool. Todos monumentos de alta tecnologia que mostram a força econômica do futebol organizado pelos ingleses. Quando pensamos nisso não podemos nos esquecer das disputas entre os países europeus; disputa essa econômica que envolve o mundo do futebol. Não nos esqueçamos que os alemães recentemente lançaram estádios moderníssimos para a Copa do Mundo de 2006. Wembley serve como demonstração da força econômica inglesa dentro da União Européia principalmente. Um dos financiadores da construção do novo estádio foi a Prefeitura de Londres.

Assim como no final do século XIX Londres rivalizava com Paris para ser considerada a metrópole mais moderna do mundo, agora não é diferente. A cidade de Londres é uma das maiores cidades da Europa e faz planos para ser uma das mais visitadas. Nos últimos anos a cidade vem investindo em infra-estrutura para o turismo e vem construindo diversos monumentos para atrair a atenção do mundo e, não nos esqueçamos que sediará das olimpíadas de 2012. Wembley se torna mais um grande monumento na cidade, capaz agora de atrair turistas de várias partes do mundo. Wembley faz parte do projeto londrino de se tornar uma cidade cosmopolita, atrativa para o turismo e o comércio mundial. Se agora Wembley não representa mais a força do Império Britânico, se ele não servirá mais como sede de uma Exposição mundial, agora torna-se, acima de tudo, um monumento turístico de grande atenção devido ao seu aspecto moderno e à sua tradição. Wembley é um símbolo da globalização e do papel do futebol nesse processo.

O estudo sobre os palcos do jogo são essenciais para se entender o jogo de futebol e o jogo político e social que o envolvem. Além de serem templos do jogo, dando assim um caráter religioso ao futebol, também são centros de entretenimento, centros de encontros sociais, e monumentos de demonstração de poderes. Wembley, tanto o velho, já demolido e o novo e moderno é tudo isso. Dessa vez não será necessário um cavalo Billy para conter a multidão na final da Copa FA, os lugares já estão todos marcados e vendidos, inclusive nas casas das pessoas do mundo inteiro que assistirão pelas televisões. Billy, pelo menos recebeu uma homenagem: o nome de uma ponte próxima ao Estádio.

 
Para saber mais sobre o Wembley Stadium:
 
 
 
Seja um dos 9 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Marco Antunes de Lima

Graduado em História pela USP e editor do Ludopédio.

Como citar

LIMA, Marco Antunes de. Wembley. Ludopédio, São Paulo, v. 01, n. 5, 2009.
Leia também:
  • 01.9

    A superstição e a despedida

    Sérgio Settani Giglio
  • 01.8

    Futebol como fenômeno estético e cultural

    João Paulo Streapco
  • 01.6

    Olhares estrangeiros

    Enrico Spaggiari