125.27

Berlim | A capital ausente de um gigante

Gabriel de Oliveira Costa 21 de novembro de 2019

Na Europa basicamente todas grandes capitais possuem times de forte expressão nacional. Londres, Roma, Paris, Amsterdã, Lisboa e Madri concentram algumas das maiores equipes de seus países, porém, neste meio Berlim é o único grande centro que não tem um time colecionador de títulos.

Principal palco político que marca o passado da Alemanha, Berlim tem pouco menos de 4 milhões de habitantes. Além disso, mesmo sediando dois clubes presentes na Bundesliga: Hertha e Union, as principais honras recentes são DFB Pokal (Copa da Alemanha) e os títulos da segunda divisão nacional.

Mesmo sendo finalista por seis anos consecutivos do campeonato alemão nas décadas de 20 e 30 (de 1926 até 1931). E também faturando dois canecos da Deutsche Fußballmeisterschaft em 30 e 31, desde o acontecimento da Segunda Guerra Mundial, o principal time da capital nunca se consolidou como a principal força do país.

O Hertha é considerado um time prejudicado historicamente com a divisão de Berlim. Indo além, o time também sofreu com o regime nazista de Hitler, tendo jogadores e membros do clube expulsos por serem judeus ou morarem do outro lado da cidade. 

Após a criação da Bundesliga em 1962, o 1. Union Berlim dividiu-se entre segunda divisão e regionaligas da terceira e quarta categoria. Seu maior rival, que de início transitou pela regionaliga e 2. Bundesliga, conseguiu firmar-se na elite alemã a partir de 1996, mas por outro lado nunca levantou o título nacional.

Popularidade em Berlim

Suas melhores campanhas foram o 3º (98-99) e 4º lugar (01-02, 04-05 e 08-09). Durante esse período, o Hertha viu um rival distante de 584 km se tornar o maior time do país: o Bayern de Munique.

Para ficar ainda pior, além de Munique disparar com a ascensão de Bayern, a Renânia tinha as potências 1. FC Köln, Gladbach e Leverkussen. Gelsenkirchen ganhou o Borussia Dortmund e Schalke 04. Frankfurt viu crescer o Eintrach, e Bremen teve o Werder. Todas as regiões citadas por algum momento protagonizaram no futebol alemão enquanto Berlim apenas figurava.

A perda da popularidade reflete nos dias atuais. Mesmo concentrando-se na capital do país, o Hertha não figura na lista das dez maiores torcidas do país. Com apenas 2,4% de torcedores na Alemanha, o clube perde inclusive para rivais como: Leipzig, Hannover, Nuremberg e Stuttgart.

Apesar da festa da torcida no Olympiastadion, a falta de títulos do Hertha fez com que o clube perdesse popularidade. Foto: Wikipedia.

Intermediário na tabela, o Hertha possui como fator diferencial o Olympiastadium, que permite mais de 74 mil pessoas por jogo. Portanto, mesmo com as festas da torcida, a falta da competitividade, pois em 2019, o clube completa 10 anos longe de campeonatos europeus.

Para amenizar o desconforto dos torcedores de Berlim, na temporada passada o 1. Union Berlim conseguiu o acesso à elite, tendo pela primeira vez desde a criação da Bundesliga, dois clubes da capital no topo.

Seja um dos 10 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Gabriel de Oliveira Costa

Jornalista carioca, tenho 22 anos. Apaixonado por futebol, fator principal pelo qual sou motivado para trabalhar com  a comunicação social, desde março realizo trabalhos direcionados ao conteúdo esportivo. Há dois anos trabalho com pautas de economia e política.

Como citar

COSTA, Gabriel de Oliveira. Berlim | A capital ausente de um gigante. Ludopédio, São Paulo, v. 125, n. 27, 2019.
Leia também:
  • 125.37

    Presenças e ausências: Memorial do Figueirense Futebol Clube (e Sérgio Gil)

    Alexandre Fernandez Vaz
  • 125.36

    Desigualdade e amadorismo: o longo caminho à elite chilena

    Bruno Núñez
  • 125.35

    Sobre o molho de couve-flor e o Campeonato Carioca Feminino

    Leda Costa