154.32

Independiente del Valle: uma surpreendente história no futebol equatoriano

Flávio Samuel 24 de abril de 2022

Em apenas uma década o time de Sangolquí, pequena cidade no Equador, passou da disputa das ligas de acesso no cenário local para ser a principal equipe equatoriana no continente, além de ser a base da seleção do país.

Com a aprovação do projeto-lei que possibilita a criação de Sociedades Anônimas do Futebol (SAF) no Brasil, vários clubes já se movimentaram para venderem suas operações a bilionários e grandes fundos de investimento, em busca de uma gestão profissionalizada do futebol. A SAF ainda é algo novo no Brasil, mas para um time do Equador, o Independiente Del Valle, essa já uma realidade há mais de 10 anos período em que o clube viveu o ônus e o bônus de ter um dono para se chamar de seu.

Independiente Del Valle
Elenco do Independiente José Terán pousado para uma foto/ Foto: facebook/Sangolquí por siempre

A origem do Independiente é bastante diferente do momento atual do clube.Criado na cidade de Sangolquí, distante apenas 25 minutos da capital Quito, no ano de 1958 por um grupo de amigos liderados por José Teran, teve o nome e as cores (branco e vermelho) originais ligados ao Independiente da Argentina, maior campeão da Libertadores. Mas a equipe equatoriana não seguiu os passos dos argentinos e passou várias décadas figurando na terceira divisão local. Durante esse período, em 1977, depois da morte do seu fundador, o clube passou a se chamar Independiente José Terán, mas nada mudou e o time de Sangolquí continuava no limbo do futebol local. Mandando os jogos no Rumiñahui, nunca se distanciou da sua cidade e de suas origens humildes e trabalhadoras, sendo o orgulho local.

Como num passe de mágica, a vida do Independiente e de Sangolquí estavam prestes a mudar da noite para o dia. O time que antes nem relevância local tinha passaria por uma mudança digna de filme. Poderia uma equipe criada por jovens trabalhadores na década de 50, que nunca se destacou, transformar-se numa potência sul americana? Foi essa a pergunta que um grupo de empresários equatorianos fez e através de um fundo de investimento firmou a compra do modesto time. 

Liderados por Michael Deller e Franklin Tello, os sócios compraram a gestão da equipe em 2006 e logo depois os resultados começaram a aparecer. Deller, o principal acionista, é um dos homens mais ricos do Equador. Dono da KFC no país e homem forte no ramo imobiliário, viu no futebol a oportunidade de expandir seus negócios. No entanto, uma das primeiras mudanças foi a troca do nome, das cores e do escudo. Agora o time de Sangolquí se chama Independiente Del Valle e veste as cores roxa e preto, sendo chamado de El Negreazuri, o que mudou bastante a identidade do clube 

Já em 2010, quatro anos após a compra do clube, o Del Valle conseguiu pela primeira vez, o acesso para a primeira divisão do Equador. Com o tempo, o projeto continuou evoluindo muito rápido e os Negreazuri se tornaram figurinha carimbada nas competições sul-americanas e se firmavam como uma das principais equipes do país. Mas algo que ainda incomodava os proprietários era a ausência de títulos. Apesar de ser o time mais rico do Equador nunca havia ganho um título nacional e ainda era tratado como coadjuvante na Libertadores. Até que em  2016, 10 anos após a compra do clube, o Del Valle chegou a final da Libertadores. No  caminho deixou para trás gigantes como Boca Juniors e River. No entanto, mais uma vez não deu para os equatorianos, que acabaram perdendo por 2 a 1 para o Atlético Nacional de Medelin.

Independiente Del Valle comemorando o título da copa sul- americana. Foto: Divulgação Conmebol

Por mais que tenha demorado, o tempo de glória chegou para os equatorianos. Em  2019, o projeto iniciado por Deller e Tello alcançou sua maior conquista ao se sagrar campeão da Copa Sul Americana. No caminho derrotou mais um grande adversário Argentino, dessa vez, o Independiente de Avellaneda, justamente o clube que motivou José Teran a criar o Independiente equatoriano nos anos 1950. Na mesma campanha, ainda deu tempo de bater o Corinthians na semifinal, chegou à final contra o Cólon e bateu o adversário argentino por 3 a 1. Já em 2021 conquistou o Campeonato Equatoriano, depois de 10 anos na primeira divisão conseguiu o troféu pela primeira vez, consolidando mais ainda o projeto. 

A principal característica que o Del Valle conseguiu implementar ao longo dos anos da nova gestão é o trabalho exemplar com as categorias de base. Desde 2006, quando os dois empresários tomaram as rédeas do clube, a intenção era criar um dos melhores centros de treinamentos do Equador para desenvolver jovens locais, algo que não era muito comum no país. Com isso, a maior parte do que se investe é direcionada para a infraestrutura e o cuidado com o jovem jogador. Com pouco tempo já é possível notar que os jovens das categorias de base estão se destacando tanto na seleção nacional como fora do país, o que transformou o Dell Valle no maior desenvolvedor de jogadores no país.

Os frutos das categorias de base do Del Valle começaram a aparecer na seleção equatoriana, que foi muito bem nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, com uma das equipes com menor média de idade do continente. Em alguns jogos como contra Brasil e Argentina, dos onze titulares, sete tiveram passagem pelas categorias de base do clube Negreazuri. E já que o Equador conseguiu vaga, agora esses jogadores terão a oportunidade de defender as cores do país na Copa do Mundo.

Seja um dos 27 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Flávio Samuel

Estudante de jornalismo apaixonado por esportes, que adora compartilhar suas ideias, principalmente sobre o futebol.

Como citar

SAMUEL, Flávio. Independiente del Valle: uma surpreendente história no futebol equatoriano. Ludopédio, São Paulo, v. 154, n. 32, 2022.
Leia também: