156.17

Os três santos juninos e os festejos no Nordeste…Três títulos em três semanas e a magia do Mengão em 81

Fabio Zoboli, Elder Silva Correia 15 de junho de 2022

Com toda certeza, não há festa maior no Nordeste que a dos 16 dias de festejos juninos. Também é consenso que na história do Flamengo não houve período mais mágico que o do intervalo de 21 dias do ano de 1981, quando a nação comemorou três grandes títulos.

Os festejos juninos celebram três grandes santos do misticismo católico em um espaço de 16 dias. Antes de assumir a “forma cristã”, essa festa era celebrada no hemisfério Norte em comemoração à chegada do solstício de verão, período em que se exaltava o início das colheitas. Com o advento do cristianismo, a festa era conhecida como festa Joanina (em homenagem a São João), mas passou a ser chamada de festas juninas (por ser em junho) e contou com a inserção de mais dois santos católicos. A festa começa no dia 13 de junho, quando é comemorado o dia de Santo Antônio, segue pelo dia 24, com a celebração de São João, e se encerra no dia 29, com honrarias a São Pedro.

Os 21 dias mais mágicos da história de conquistas do Flamengo despontaram em 23 de novembro de 1981, com a conquista da Copa Libertadores da América. Seguem pelo dia 6 de dezembro, com o título estadual em cima do arquirrival Vasco da Gama após três confrontos, e se encerram com a épica conquista do título Mundial de clubes, celebrada no dia 13 de dezembro, em Tóquio.

Santo Antônio abre os festejos juninos em 13 de junho. Santo Antônio de Pádua foi canonizado pelo Papa Gregório IX, em 30 de maio de 1232, pouco mais de um ano de seu falecimento. No Brasil, Santo Antônio é conhecido como o santo casamenteiro e uma das simpatias feitas para ele é iniciada no dia que antecede a sua comemoração, em 12 de junho, dia dos namorados. As pessoas que procuram casamento devem comprar uma rosa no dia 12 e deixá-la no chão ao lado da cama. Na noite do dia 13, debaixo dessa mesma cama, a rosa deve ser amarrada com uma fita branca à imagem de Santo Antônio, que deve estar de cabeça para baixo. Para que a simpatia funcione, o santo só deve ser desamarrado e retirado desse lugar após 3 meses[1].

Por falar em casamento, foi em 1981 que o Flamengo teve sua primeira noite de núpcias com a taça da Copa Libertadores da América. Após uma campanha que desbancou adversários, como Atlético-MG (Brasil), Cerro Porteño e Olímpia (Paraguai), Deportivo Cali (Colômbia) e Jorge Wilsterman (Bolívia), o Flamengo chegou à final contra o Cobreloa (Chile).  No Maracanã, no primeiro jogo, Zico marcou dois gols e o Flamengo venceu por 2×1. Na segunda partida, em um jogo muito violento, em Santiago, o Flamengo perdeu aos 39 minutos da segunda etapa — Cobreloa 1×0. A partida desempate foi disputada em campo neutro, assim ambas as equipes viajaram ao Uruguai para disputarem a final no lendário Estádio Centenário. Com outros dois gols de Zico, em 23 de novembro de 1981, o Flamengo venceu o time chileno e se sagrou campeão da Libertadores pela primeira vez na sua história.

Flamengo Libertadores
Troféu conquistado pelo Clube de Regatas do Flamengo. Fonte: Wikipédia

São João Batista é o segundo santo que faz parte dos santos festejados em junho. Ele é filho de Zacarias com a prima de Maria (mãe de Jesus), Isabel. A comemoração do dia 24 de junho é em função do dia de seu nascimento. A fogueira é o símbolo do dia de São João, pois Isabel combinou com Maria que quando seu filho nascesse, ela acenderia uma fogueira sobre um monte como sinal de aviso para que ela viesse ajudá-la com os cuidados de João menino. Na mítica católica, o nascimento de João é considerado um milagre, já que Isabel era idosa e nunca havia conseguido engravidar. São João foi quem batizou Jesus Cristo no Rio Jordão. Foi decapitado por ordens do rei Herodes, a pedido de Salomé, que havia dançado para ele.

Por falar em decapitação, foi isso que o Fla fez com o Vasco na final do Carioca de 81. O campeonato de 1981 foi disputado em três turnos e o Flamengo vencera o primeiro e o terceiro. O time rubro-negro tinha feito uma campanha infinitamente melhor ao longo do certame e por tal motivo, o time do Vasco precisava ganhar o primeiro jogo — se não ganhasse, o rival seria campeão. Se ganhasse o primeiro jogo, precisava ganhar também o segundo — se não ganhasse, o rival seria campeão. Se ganhasse o primeiro e o segundo, ainda precisaria ganhar o terceiro jogo. A vantagem do urubu era demasiado grande em relação ao time do bacalhau, que precisaria operar quase um milagre para ser campeão.

Às vésperas do primeiro encontro entre os rivais, morreu o recente ex-treinador Cláudio Coutinho e, com os jogadores abalados, o Flamengo tentou adiar a partida. Sem sucesso, o Flamengo perdeu por 2×0 para o Vasco, com dois gols do craque Roberto Dinamite. No segundo jogo, com muita chuva e com um gramado impraticável, a equipe de São Januário venceu a partida aos 43 minutos da etapa final. A torcida do Fla já cantava “é campeão” quando foi calada novamente pelo bombástico Dinamite, Vasco 1×0. Na terceira partida, o Flamengo abre 2×0 com gols de Nunes e Adílio, já no primeiro tempo. A partida parecia decidida quando, aos 39 da segunda etapa, Ticão descontou para o Vasco. Essa partida ficaria marcada pela invasão de campo do ladrilheiro Roberto dos Passos, que tentou frear o ímpeto da nau cruzmaltina. Os jogadores da faixa diagonal saíram irritados à caça do ladrilheiro, tentando capturá-lo para que a partida fosse reiniciada. A intenção de Roberto de desconcentrar a equipe da colina deu certo, Flamengo 2×1. No final do jogo, o ladrilheiro recebeu de presente a camisa de Zico e entrou para o folclore do futebol carioca: “o jogo do ladrilheiro”. E assim, em 6 de dezembro de 1981, o Flamengo ganha o segundo título da série de três.

Flamengo
Fonte: reprodução O Globo

As festas juninas são encerradas no dia de São Pedro, em 29 de junho. Pedro foi o pescador que Jesus conheceu quando estava à procura de um barco de empréstimo para pregar a uma multidão de fiéis. Depois disso, Pedro o seguiu como discípulo e acompanhou vários milagres de Jesus. Pedro é considerado o primeiro Papa da igreja católica. Na madrugada do dia da morte de Cristo, Pedro negou Jesus por três vezes antes do cantar do galo, mas se arrependeu posteriormente e pediu para que fosse crucificado de cabeça para baixo. Ele é o dono das chaves do céu e também leva o título de guardião das chuvas.

Por falar em guardião das chuvas, o Flamengo fez chover na terra do sol nascente. Uma semana depois de bater o Vasco, já estava em campo no Japão para enfrentar o time inglês do Liverpool, vencedor da Liga Europa daquele ano. Os craques da Gávea foram esnobados pelos adversários antes do jogo, mas com a bola rolando o Flamengo devolveu o descaso. Com um primeiro tempo arrasador, Nunes fez dois gols e Adílio um, e assim o Flamengo golpeou o Liverpool por 3×0. O segundo tempo foi para “brincar de bobinho”. Em 13 de dezembro de 1981, o Flamengo sagrou-se campeão mundial e levantou a taça mais importante de sua história.

Flamengo Mundial
Fonte: divulgação Twitter/FIFA

No Nordeste, os 16 dias de festa de São João se estendem por todo o mês com 30 dias de muito folguedo. O São João é comemorado com muitas comidas, oriundas basicamente do milho, e assim toda a festa que se preze precisa proclamar uma “rainha do milho”. Além disso, não podem faltar as bandeirinhas coloridas e a fogueira de São João. A dança é outro pilar da festa e o forró embala os festejos com o trio pé de serra: sanfona, zabumba e triângulo.

Após os mágicos 21 dias, o Rio de Janeiro também passou a ter um rei, o Flamengo – urubu rei. A festa do Mengão teve o trio pé de ouro: Zico, Nunes e Adílio. Tudo bem que no Rio, o que teve mesmo foi um carnaval fora de época. O padroeiro do Flamengo é São Judas Tadeu, o padroeiro das causas impossíveis. Mas isso é um mero detalhe, pois justo seria que o Flamengo fosse declarado “SANTO”, após operar o milagre de vencer três títulos em um intervalo de 21 dias.

Santo Antônio, a você eu peço a benção, que abençoe meu eterno casamento com o Mengão, que possamos celebrar muitas bodas. São João, que a torcida do Flamengo no Nordeste tenha muito “São João fora de época”, em comemoração às suas conquistas. São Pedro, no dia de minha morte, quando as suas portas eu bater, te suplico duas coisas: 1) me deixe entrar com a bandeira do Fla, que cobrirá meu caixão; e, por favor, 2) me mande para onde estiver a torcida do Flamengo, porque mesmo morto eu não suportaria não falar sobre.

Notas

[1] Aqui trazemos essa simpatia como alegoria para a crônica, porém essa é apenas uma variação de outras também dedicadas ao santo casamenteiro.

Seja um dos 27 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

Fabio Zoboli

Professor do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Sergipe - UFS. Membro do Grupo de pesquisa "Corpo e política".

Elder Silva Correia

Mestre em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Membro do Grupo de pesquisa "Corpo e Política" da Universidade Federal de Sergipe - UFS.

Como citar

ZOBOLI, Fabio; CORREIA, Elder Silva. Os três santos juninos e os festejos no Nordeste…Três títulos em três semanas e a magia do Mengão em 81. Ludopédio, São Paulo, v. 156, n. 17, 2022.
Leia também:
  • 156.33

    Futebol de Controle (III): dossiê contra o VAR

    Fabio Perina
  • 156.32

    Racismo na Fórmula 1: A mídia esportiva precisa mudar a mentalidade

    Júlia Belas
  • 156.31

    Convocar ou não convocar, eis a questão

    Gustavo Dal'Bó Pelegrini