169.12

Um ano para ficar na memória

André Luís 12 de julho de 2023

Após inúmeros dias de luta, em 2022, finalmente os dias de glória voltaram aos gramados do Rio Grande do Norte

Capitães de América e ABC definindo em sorteio quem sai jogando no primeiro Clássico-Rei de 2022
Capitães de América e ABC definindo em sorteio quem sai jogando no primeiro Clássico-Rei de 2022. Foto: divulgação/Canindé Pereira/América-RN


De fato, 2022 foi um ano bastante marcante e memorável a todos os torcedores potiguares. Depois de inúmeros tropeços e decepções acumuladas nas últimas temporadas, enfim pode-se soltar um suspiro de alívio com um choro de felicidade.

Um futebol com história rica em conquistas e feitos. Uma região que teve um time eliminando campeão da Libertadores com um jogador campeão mundial pela Seleção Brasileira. O gigante Vasco da Gama, do Baixinho Romário sucumbiu ao Baraúnas na Copa do Brasil de 2005.

Pela Copa do Brasil de 2014, num dos maiores templos do futebol brasileiro, o Maracanã, foi a vez do América espantar o país aplicando um sonoro 5 a 2 sobre o Fluminense, após ser taxado como eliminado por conta do resultado do jogo de ida, quando perdeu por 3 a 0.

O estado que abriga o maior do detentor do recorde mundial de títulos de uma mesma competição, encontrava-se irreconhecível nas últimas temporadas.

Nos braços da torcida: do pesadelo da Série D ao sonhado título nacional

Após ser rebaixado em 2016 para a Série D, o América viveu um verdadeiro pesadelo na competição. O clube passou seis anos acumulando frustrações, sempre deixando escapar o tão sonhado acesso.

Mas um fator foi essencial para o desejado acesso: o torcedor alvirrubro. Nos piores e melhores momentos, a torcida estava lá para apoiar seu time.

Torcida do América de Natal fazendo a festa na Arena das Dunas
Torcida do América de Natal fazendo a festa na Arena das Dunas. Foto: reprodução/Gabriel Leite/UDE


Durante a fase de grupos, o Mecão viveu momentos de perigo. Com chances reais de pôr em risco sua classificação para o mata-mata. Com idas e vindas de treinadores, Leandro Sena retornou ao comando técnico e colocou o alvirrubro nos trilhos certos, empurrado pelo torcedor.

No momento em que o time mais precisou, mas sentiu que precisava tirar forças de onde já não tinha, a torcida alvirrubra foi essa força. Perdendo o acesso em casa para o Caxias, empurrado pelo torcedor, o América conseguiu virar o placar.

Dos pés de Téssio, com um desvio no caminho, saiu o tão sonhado gol que garantiu o retorno à terceira divisão após seis anos duros na Série D.

Téssio na comemoração do gol do acesso alvirrubro diante do Caxias (Foto: Gabriel Leite/UDE)
Téssio na comemoração do gol do acesso alvirrubro diante do Caxias. Foto: Gabriel Leite/UDE


Coroando o ano, a equipe se classificou para a grande final do Brasileiro. O América voltava a disputar um título nacional após 17 anos, quando foi vice-campeão da Série C, em 2005. Com a força da torcida no primeiro jogo em Natal, o alvirrubro conseguiu um resultado expressivo para disputar o título nos domínios do Pouso Alegre, em Minas Gerais.

O placar de 1 a 0 para os donos da casa não foi suficiente para tirar a taça da Rodrigues Alves. Para encerrar com chave de ouro um ano memorável para o alvirrubro, o América consagrou-se campeão brasileiro pela primeira vez em sua história centenária.

América de Natal na conquista do primeiro título nacional de sua história: a Série D de 2022 (Foto: Canindé Pereira/América FC0
América de Natal na conquista do primeiro título nacional de sua história: a Série D de 2022. Foto: divulgação/Canindé Pereira/América FC


Com a força da Frasqueira: de inúmeros rebaixamentos à dois acessos consecutivos

Depois de um rebaixamento como 19º colocado na Série B, o alvinegro buscava a reabilitação para retornar à segunda divisão. Porém, o caminho não foi fácil.

Em 2018, depois de um início avassalador na temporada com direito a conquista dos dois turnos do Estadual. O torcedor vivia a expectativa de uma boa campanha no Brasileiro, porém tornou-se uma decepção. A equipe bateu na trave e não se classificou para disputar o acesso.

Wallyson atuando contra o Sampaio Corrêa, jogo que marcou o rebaixamento alvinegro para a Série D (Foto: Luciano Marcos/ABC FC)
Wallyson atuando contra o Sampaio Corrêa, jogo que marcou o rebaixamento alvinegro para a Série D. Foto: Luciano Marcos/ABC FC


No ano seguinte, o rebaixamento para a quarta divisão. O torcedor assistia de perto mais uma frustração do clube do seu coração. Wallyson que havia retornado com a missão de salvar o time que o revelou para o futebol, não conseguiu evitar o pior.

Com a eliminação precoce em 2020, o torcedor vivia o receio de repetir o que seu maior rival passava: o pesadelo da Série D. Mas 2021 foi diferente, empurrado pelos braços da Frasqueira, Wallyson repetiu 2007 e subiu seu clube do coração para a Série C em 2022.

Criado no ABC, Wallyson leva o clube de volta a Série C (Foto: Andrei Torres/ABC FC)
Criado no ABC, Wallyson leva o clube de volta a Série C. Foto: divulgação/Andrei Torres/ABC FC


Não tinha quem não colocasse o ABC fora das equipes candidatas ao acesso para a segunda divisão. Nem mesmo a diretoria, que traçava um planejamento de manter-se na terceira divisão. Mas o torcedor alvinegro nunca deixou de acreditar.

Batendo de frente com equipes de maior poderio financeiro, o ABC manteve-se sempre dentro da zona de classificação para o quadrangular final. Invicto dentro dos seus domínios, o Mais Querido consolidou-se como uma das principais equipes da primeira fase.

Torcida do ABC empurrando a equipe na Série C de 2022 (Foto: Rennê Carvalho/ABC FC)
Torcida do ABC empurrando a equipe na Série C de 2022. Foto: divulgação/Rennê Carvalho/ABC FC


Classificado para o quadrangular no “Grupo da Morte” com Figueirense, Paysandu e Vitória, novamente o ABC foi taxado como o “patinho feio”. Mas com os pés no chão, o time provou que todos estavam errados.

Com uma rodada de antecedência, a equipe potiguar tornou-se a primeira a garantir o acesso à Série B de 2023, vencendo o Paysandu por 1 a 0.

Com apenas um gol sofrido em seis jogos e nenhuma derrota, o clube fez uma campanha que merece todos os aplausos. Principalmente a Fernando Marchiori.

ABC conquista o acesso para Série B após vencer o Paysandu no Frasqueirão (Foto: Gabriel Leite/UDE)
ABC conquista o acesso para Série B após vencer o Paysandu no Frasqueirão. Foto: reprodução/Gabriel Leite/UDE


Apesar do vice-campeonato na Série C, o torcedor alvinegro deve se orgulhar do que viveu nos últimos dois anos, mas principalmente em 2022.

O clube mostrou a força e o peso da sua história e novamente empurrado pela Frasqueira, no mesmo gol, garantiu o acesso.

Um novo horizonte

O futebol potiguar volta a trilhar um novo caminho, podendo alçar novos voos como já conseguiu em anos anteriores.

Em 2023 serão quatro equipes disputando o Campeonato Brasileiro: ABC (Série B), América (Série C), Globo e Potiguar de Mossoró (Série D).

Com novas histórias podendo ser escritas em mais um capítulo do futebol do nosso Rio Grande do Norte.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Ludopédio.
Seja um dos 14 apoiadores do Ludopédio e faça parte desse time! APOIAR AGORA

André Luís

Repórter e comentarista do Universidade do Esporte (Rádio Universitária 88,9 FM).

Como citar

LUíS, André. Um ano para ficar na memória. Ludopédio, São Paulo, v. 169, n. 12, 2023.
Leia também:
  • 180.21

    Santa Marina e o circuito varzeano: entre a quadra e o campo de futebol

    Enrico Spaggiari, Mariana Hangai, Rodrigo Valentim Chiquetto
  • 180.18

    3ª Copa Estadual da Reforma Agrária – Ceará 2024

    Aira F. Bonfim
  • 180.17

    Foi futebol, mas não apenas: a final da Champions League 2023-2024 em um cinema de Sobral (CE)

    Íris Morais Araújo, Rodrigo Chaves de Mello